Mostrando postagens com marcador Politica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Politica. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 18 de maio de 2022

Josimar admite não ser candidato a governador


Em live com a deputada estadual Detinha (PL), o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) anunciou que reunirá seu grupo político na próxima sexta-feira (20), para definir o rumo que tomará nas eleições.

Ele já indicou que deve desistir da sua candidatura ao governo e anunciar, após ouvir prefeitos, deputados, vereadores e lideranças do seu grupo político, o nome que apoiará na disputa do Palácio dos Leões.

“Agora na sexta-feira, nós vamos reunir todos os prefeitos e, posteriormente, vamos reunir com os pré-candidatos para deliberar sobre o que é melhor para nosso grupo. Nós vamos avaliar se vamos continuar candidatos ou se nós vamos fazer adesão a alguém que tem uma proposta que realmente venha somar com o que nós queremos, que é um Maranhão melhor”, disse.

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Roberto Rocha demonstra habilidade e impõem dura derrota a Flávio Dino


O ex-governador Flávio Dino tinha um sonho: disputar o Senado Federal no pleito de outubro sendo o único postulante de uma ampla frente de concorrentes ao Governo do Estado. Isso garantiria ao ególatra comuno-socialista um voo tranquilo para seu projeto personalista: se eleger senador, depois se tornar ministro em um eventual Governo Lula e, por fim, ser indicado a uma das vagas que se abrirão no STF.

Porém, a postura desagregadora – do próprio e das principais figuras que o cercam – terminaram por transformar o sonho em pesadelo. Um a um, aliados importantes foram cerceados e obrigados a bater em retirada, simplesmente por não dizerem “amém” a tudo aquilo que era imposto por Dino.

Agora, veio o golpe de misericórdia: em coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (2), com a presença de representantes das pré-candidaturas ao Palácio dos Leões de Edivaldo Holanda Júnior (PSD), Josimar de Maranhãozinho (PL), Lahesio Bonfim (PSC) e Weverton (PDT), além de partidos que orbitam em torno destas, como Republicanos, Agir36 e PROS, Roberto Rocha (PTB) anunciou que disputará a reeleição ao Senado Federal.

Além disso, veio o anúncio do apoio da ampla frente citada acima. Em paralelo ao projeto estadual de cada um, estas forças políticas de diferentes grandezas se unem em torno de uma candidatura única ao Senado Federal. Uma derrota que será difícil de digerir para quem possui uma realeza inteira na barriga.

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Flávio Dino não será apoiado pelo grupo de Weverton para o Senado

Em entrevista, nesta sexta-feira (29), ao podcast “Sai da Lama”, apresentado pelo jornalista Jonas Filho, da cidade de Caxias-MA, o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato a governador do Maranhão, descartou qualquer apoio do seu grupo à candidatura do ex-governador Flavio Dino (PSB) a senador.

“Uma coisa o nosso grupo já tomou a decisão política. Nós não vamos votar no Flávio Dino depois de tudo que ele e a forma agressiva, dura, difícil e tudo que vocês viram e não precisa eu falar!”, disse o senador Weverton.

Segundo o senador, seu grupo político tem até as convenções para escolher qual nome irá apoiar como candidato ao Senado.

Desde o anúncio de Carlos Brandão como escolha pessoal de Flavio Dino para ser candidato a governador, Weverton Rocha mantinha postura de simpatia à candidatura de Dino, seu agora ex-aliado. Entretanto, os mais atentos observadores da cena política já esperavam que em algum momento Weverton e seu grupo fariam a declaração de descarte do apoio ao nome de Flávio, em razão do clima hostil patrocinado pelo grupo em torno do ex-governador ao senador.

Brandão vai à Brasília para evento político, mas falta a debate de gestão com prefeitos


O governador Carlos Brandão (PSB) esperou a Marcha dos Prefeitos, evento organizado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), terminar para poder ir à Brasília pela primeira vez como Governador do Estado.

É um fato inusitado, pois o chefe do executivo estadual não deu as caras no maior evento de gestores municipais do Brasil, onde foram discutidas políticas públicas voltadas para os municípios, palestras e debates com temas de grande relevância como reforma tributária, piso nacional do magistério, desafios do saneamento básico, entre outros.

O motivo poderia ser a falta de tempo, com a desculpa de cumprimento de agendas no Maranhão. Mas para um evento político-partidário, o governador-tampão tem tempo. Ele preferiu apenas lutar por uma foto com o ex-presidente Lula.

Tudo isso mostra que o governador só pensa em eleição. Se estivesse realmente preocupado com o Maranhão iria discutir políticas públicas com os prefeitos. Inclusive, muitos deles que estiveram no evento são seus aliados.

Com informações do Blog do Clodoaldo Correa

sábado, 19 de março de 2022

Weverton ataca ‘traidores’ em evento no PDT


Do senador Weverton Rocha, pré-candidato do PDT ao Governo do Maranhão, ao discursar para militantes em evento de filiações ao partido. O ato deveria marcar a entrada de Othelino Neto na sigla, mas o presidente da Assembleia parece haver mudado de planos, e acabou sequer comparecendo.

“Vai chegar a hora que não vai mais ter três, quatro [candidatos], para brigar comigo. Vai chegar a hora que vai ser só eu e ele, frente a frente. E aí, é o povo do Maranhão que vai escolher quem é o que representa melhor as suas bandeiras. Aí, ali, quando estivermos de frente a frente (sic), eles não vão poder correr pra debaixo da saia de ninguém, e muito menos de paletó de ninguém. Portanto, ao receber essa rosa, eu quero dizer a os impostores, que acham que podem segurar nossa rosa, que não vão prosperar. Eu quero dizer a eles, que Brizola já nos ensinava: a política adora traição, mas abomina traidores. A rosa é do PDT e a história é nossa e vamos vencer. Eu estou pronto pra briga”.

Com informações do Blog Gilberto Leda

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Desmonte do palanque nacional do PSD pode afetar Edivaldo


O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD), abandonou a sua pré-candidatura à Presidência da República, o que pode influenciar Edivaldo Holanda Júnior (PSD) na intenção de concorrer à sucessão de Flávio Dino (PSB).

A desistência de Pacheco deve-se ao seu baixo desempenho nas pesquisas eleitorais. Os últimos levantamentos mostram que o senador conseguiu registrar, no máximo, 1% das intenções de voto.

O ex-prefeito de São Luís apresenta um desempenho um pouco melhor em comparação ao colega de partido, mas ainda assim bem distante do senador Weverton Rocha (PDT) ou da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) na disputa pelo Palácio dos Leões.

Edivaldo empatou com Carlos Brandão (PSDB) nas últimas pesquisas. Mas, em algumas regiões do estado, chega a ter 1% das intenções de voto. A desenvoltura média dele depende exclusivamente do eleitorado da capital.


Com informações do Blog Marrapá

terça-feira, 14 de dezembro de 2021

Osmar Filho segue com diálogos pelo Maranhão


“Quero trabalhar pelo desenvolvimento do Maranhão. Estarei sempre presente nos municípios”, garantiu o vereador durante uma de suas visitas ao município de Bom Jardim e Rosário, ao interior do estado, nesse último final de semana.

Osmar desde o começo do ano tem intensificado as agendas em todo o interior do estado e tem estreitado diálogos com lideranças em diversas cidades maranhenses.

No sábado (11), marcou presença em Bom Jardim a convite do vereador Antônio Cesarino (PSC), onde conversou e conheceu a realidade da região.

Esteve nos povoados de Casimiro, Rapadurinha, Igarapé das Traíras e Igarapé do Índios, que na oportunidade completava 53 anos.

Em Rosário, no domingo (12), prestigiou a final do torneio de futebol no povoado de Reforma, acompanhado do deputado estadual Neto Evangelista (DEM) e da vereadora Lúcia Cavalcante (PSDB), onde participou da entrega de alimentos a famílias carentes da localidade.

Vale destacar que nos próximos dias, o objetivo é visitar mais localidades da baixada maranhense e outras regiões do estado.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Brandão articula mudança para o PSB


Frustrado na reunião que deveria decidir por seu nome como candidato único da base, o vice-governador Carlos Brandão deve seguir a orientação do governador Flávio Dino e trocar o PSDB pelo PSB.

A articulação, que deve ser efetivada até o início de janeiro, visa dois objetivos básicos:

1 – livrar-se da pecha de tucano e da tutela do agora candidato a presidente João Dória Júnior, após ter apoiado Eduardo Leite nas prévias;

2 – ampliar as chances de ter aliança com o PT, numa articulação nacional que poria o partido do presidente Lula longe do palanque do senador Weverton Rocha (PDT)

Essa troca do PSDB pelo PSB já havia, inclusive, sido anunciada, em julho, no blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Brandão pode trocar PSDB pelo PSB…”

O problema para Brandão é o destino do PSDB no Maranhão.

Nem ele, nem seu principal apoiador, Flávio Dino, querem perder o ninho tucano no estado, apesar de terem interesse no PT; deixar a legenda acéfala atrairia interesse de adversários, como o próprio Weverton Rocha.

Com sua entrada surpresa no PSDB, Brandão cometeu um erro estratégico, analisado no blog Marco Aurélio D’Eça ainda em março, no post “Brandão ganhou ou perdeu com o PSDB?”

Essa articulação tirou dele dois apoiadores de peso: o deputado federal Cléber Verde, a quem sequer foi comunicada sua saída do Republicanos, e a senadora Eliziane Gama (Cidadania), que vinha cotada para assumir o PSDB no Maranhão.

Agora, o vice-governador tenta consertar o equívoco fazendo novo gesto, dessa vez em direção às esquerdas; tanto que já ate trocou suas cores de campanha do azul e amarelo para o azul e vermelho. 


Com informações do Blog do Marco D`eça

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

Flávio Dino e o dilema na escolha do seu candidato


O governador Flávio Dino (PSB) vem recebendo uma forte pressão – tanto pública quanto nos bastidores – de aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) para que anuncie seu candidato agora em novembro, como prometeu em julho.

Deputados aliados ao vice e setores da mídia alinhados ao seu projeto de poder fizeram manifestação pública em defesa do anúncio até o final do mês; já nos bastidores, lideranças ligadas a Brandão dizem que Dino não pode recuar, sob pena de prejudicar o tucano.

Mas Flávio Dino sabe que não tem elementos para impor o nome de Brandão neste momento.

Além de estar bem atrás nas pesquisas de intenção de votos – disputando o terceiro lugar em alguns cenários, bem distante dos líderes – o tucano não consegue a adesão de nenhum partido, além dos controlados pelo próprio Flávio Dino.

Diante do cenário de inviabilidade do vice-governador, Dino já foi aconselhado por lideranças aliadas locais e nacionais a adiar esta escolha – inclusive o próprio ex-presidente Lula.

E esta pressão dos dois lados tem deixado o governador sem rumo, sobretudo pelo fato de que, em queda livre na preferência do eleitorado para o Senado, ele vai necessitar totalmente de Brandão para consolidar sua própria eleição.

É neste cenário de insegurança e indefinição que Dino chega ao final do último ano de mandato.

E qualquer que seja a decisão de agora – definir o candidato ou adiar a escolha – terá consequências diretas na vida dele.

terça-feira, 26 de outubro de 2021

Eduardo Braide sem perspectiva de futuro…


Ao ser eleito em 2020, prefeito de São Luís, Eduardo Braide despertou uma grande expectativa na população quanto a sua futura gestão. Inicialmente, ele até demonstrou que seria um político com condições de se tornar um líder e que possuía condições comandar um novo grupo político, forte o suficiente para chegar ao Palácio dos Leões em um médio espaço de tempo, não só com boa desenvoltura política, mas com capacidade de trabalho. Mas o tempo passou e com menos de um ano de gestão, a percepção é que o chefe do Palácio de La Ravardiere, se encastelou em seu próprio mundo e demonstra ser um político sem perspectiva de futuro.

Não à toa, diversos são os nomes que já começam a fazer sombra a Eduardo Braide. O ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior, o deputado estadual Duarte Júnior e até mesmo o secretário de Educação, Felipe Camarão.

Eduardo Braide não foi eleito em 2020 com um grande grupo político, mas sim, contou com um recall de 2016 e deu sorte pelas táticas equivocadas adotadas por Flávio Dino, Weverton e seu grupo, assim como a neutralidade de Edivaldo Holanda Júnior.

Porém ao conquistar a Prefeitura, Eduardo Braide poderia ampliar seu poderio político, mas pelo contrário se desgastou politicamente, principalmente com os principais aliados – Roberto Rocha (PSDB), César Pires (PV) e Edilázio Júnior (PSD) – que não admitem publicamente, mas sentem uma frustração em relação a falta de dialogo e o não cumprimento de acordos feitos no período pré e eleitoral.Apoiador de Braide em 2020, Marquinhos passou a ser ignorado pelo prefeito

Experiente com passagem pela Assembleia Legislativa, líder de bloco e presidente de Comissão, Eduardo Braide mantém um moro de isolamento com o parlamento municipal e passou a governar sozinho e/ou com poucos vereadores, nem chegando a ter a metade da Câmara Municipal. Muitos do que pediram voto, hoje sentem vergonha de tal ato, vide Marquinhos da Vila Luizão, Francisco Chaguinhas, Umbelino Júnior e outros.

Para piorar, o irmão, Fernando Braide, é apontado como alguém que tem expressiva atuação na gestão e é considerado o homem forte, aquele que decide por exonerar e/ou nomear os servidores municipais. Fontes apontam que ele seria considerado o secretário de fato da Saúde, afinal ele seria o responsável por manter o controle de todos os cargos importantes da pasta.

Erros de comuns de um político inexperiente, mas Eduardo não é. Mesmo assim ele acaba ser rebaixado para um patamar de um prefeito fadado ao fracasso político e com uma consequente derrota eleitoral em 2024, ainda que seja cedo, para discutir o assunto.

Ainda que os mais convictos defensores apontem que Braide está focado na gestão, acaba sendo uma defesa com fraco embasamento, afinal os últimos dez meses foram marcados por uma ação que foi toda graças ao Governo Federal. E se não fosse a vacina contra a covid-19, Eduardo não teria o que mostrar neste momento, e lembrando que a Prefeitura de São Luís não comprou uma dose sequer de imunizante, mas se somente se, aplicou e contou com a sorte do indiano estar em um navio às margens da Ilha.

Caso contrário, restaria a Eduardo Braide falar de ações medíocres para quem comanda uma capital de mais de um milhão de habitantes. Exemplo disto: o Ponto Limpo, que consistia em fazer serviço de jardinagem em canteiros em avenidas e ruas da capital. De tão fraca essa ação, praticamente foi abandonada. Outra atividade exaltada pela gestão, mas que demonstra a minúscula expressão do poder público foi o “Bueiro em Nível”, chega a ser risível e é triste acompanhar uma capital com o potencial de São Luís ser rebaixada a uma ação digna de município recém-criado.

Mas ainda assim há quem insista, que ruas estão sendo asfaltados, iluminação de LED está chegando em alguns pontos. Todas são ações pontuais, que representam pouco impacto na vida da população ludovicense, sem esquecer de que fica bem aquém de um prefeito que se dizia na campanha eleitoral: pronto.

Pronto para quê? Pronto para fracassar? Pronto para deixar a população com saudade do antecessor, Edivaldo Holanda Júnior?

E falando no ex-prefeito, Eduardo Braide foi incapaz de concluir nos últimos dez meses a obra do Anel Viário, talvez por querer deixar cair no esquecimento da população que foi Holandinha que começou ou até mesmo por incompetência.

Mas a falta de resposta do poder público não reside apenas na falta de obras estruturantes ou de impacto. Mas sim no dia-a-dia também.

A Educação que já está na terceira secretária, vive o sucateamento. Os professores que tinham Eduardo Braide como esperança, agora vivem lamentado o fato dele ser prefeito. Menos de 20 escolas tem aulas presenciais, as demais não possuem a mínima condição de receber professores e alunos. Creches são reinauguradas, mas a obra feita foi apenas a pintura na fachada com a marca da atual gestão.

O Transporte vive o caos, uma greve dos trabalhadores com menos de um ano de gestão expõe a falta de capacidade da Prefeitura de dialogar com empresários, motoristas e cobradores para evitar as paralisações. Fora a questão estrutural, ônibus caindo aos pedaços ou pegando fogo. Falta discutir a possibilidade de novos modais, deixando a população refém apenas dos coletivos ou de alternativas precárias como vans e carrinhos lotação.

Na Assistência Social, programas são desativados como o premiado Circo Escola. No Esporte, o básico que seria garantir a iluminação do Nhozinho Santos não é feito. Fora o fato de Secretarias existirem para garantir apenas emprego para políticos que não obtiveram sucesso eleitoral, caso de Pavão Filho que é secretário de Orçamento Participativo, e nunca um único release da Secretaria de Comunicação apresentou qualquer ação de pasta ou da Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano, que talvez nem tenha sede para o secretário André Campos ir despachar.

A verdade é que a propaganda vendida por Eduardo Braide durante a campanha eleitoral trouxe um sentimento de frustração. Ainda que alguns defendam que ainda é cedo para cobrar algo, tá na hora da Prefeitura de São Luís ser mais do que uma niveladora de bueiros ou especializada em fazer jardinagem em canteiros.

Porém, a pandemia da covid-19, possivelmente ainda garanta uma sobrevida a essa falsa sensação de gestão exitosa que a vacinação construiu, mesmo que este não seja um mérito da Prefeitura, mas no Brasil é comum se vangloriar com os méritos alheios. E vale destacar que a própria imunização apresentou problemas, sendo centralizada e faltando acessibilidade, expôs a imagem da gestão, afinal várias foram cenas de pessoas humilhadas no sol quente a espera do que é básico, do que é mínimo, que é receber a vacina no braço.

Mas quando o assunto covid-19 esgotar, o que Eduardo Braide vai ter para mostrar? Na visão de quem fez parte e acompanha os bastidores da política municipalista, o prefeito um temperamento totalmente incompatível com aquilo que se espera de um líder, e talvez só aí se dará contar dos erros cometidos ou ainda mantenha-se encastelado acreditando que tudo está perfeito.

Mais uma vez é de se lamentar, afinal a frustração, decepção, desilusão e o desencanto é enorme por parte de uma população sedenta por transformações de verdade, que infelizmente até o presente momento não chegaram.



quarta-feira, 13 de outubro de 2021

“Corrupção” de Josimar só incomoda agora que ele é adversário?


Enganam-se os que acreditam que o deputado Josimar de Maranhãozinho (PL) estará sozinho na onda de operações do Ministério Público que devem sacudir a política maranhense nos próximos meses. Apesar do deputado ter dado milhões de motivos para tanto, a megaoperação da semana passada não é fato isolado. A situação reflete o método de fazer política do governador Flávio Dino.

Líder de uma gestão que fracassou, o comunista nunca escondeu de ninguém seu viés vingativo e autoritário. Flávio Dino governa pelo medo. Por mais que a péssima fama do deputado Josimar de Maranhãozinho o anteceda, causa muita estranheza que apenas no fechar das portas do atual governo ele comece a figurar como suspeito dessas operações. E justamente quando manifestou desejo de seguir o próprio caminho.

A carreira política de Josimar foi iniciada em 2004. É muito estranho que, após 18 anos, somente agora o Ministério Público se lance contra uma situação que todos no Maranhão já desconfiavam há anos.

O fato é que o caso não foi isolado. Após sete anos, Flávio Dino não tem o que mostrar. Fracassou enquanto governador. Estes são dados da realidade e nem todos os deboches do mundo em redes sociais não irão tirar dele o posto de governador mais imprestável que este estado já teve.

O restante do legado de terror do governador Flávio Dino será usado para chantagear e intimidar adversários. Se ele conseguir, talvez saia eleito senador e atrase um pouco a constatação evidente do seu fracasso. Se a classe política resolver devolver o desprezo que ele dependeu a ela nos últimos sete anos, terminará as eleições de 2022 como o nada que era antes de Zé Reinaldo Tavares comprar sai eleição de deputado federal em 2006.

Só o tempo dirá…

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Dino e o hábito de ‘escorraçar’ Prefeitas


O emblemático episódio da descortesia cometida pelo governador do Maranhão, Flávio Dino, que teve como vítima a prefeita Belezinha, de Chapadinha, no último dia 9, não é o primeiro. Dino foi desrespeitoso, tentando humilhar Belezinha por ela ter feito críticas recentes ao seu governo. Acontecimento semelhante, ocorrido em 2015, contra a Maura Jorge, prefeita de Lago da Pedra, confirma o gosto do governador por constranger prefeitas.

Durante evento de governo na cidade, Flávio Dino simplesmente não deixou que Maura Jorge se manifestasse. A prefeita, em atitude louvável e simbólica, deixou o palanque, dando todo o espaço ao mandatário do Estado. “Infelizmente, o governador não ouviu a voz do povo e foi ouvir a voz de meia dúzia, que não entende o que é democracia e o papel do Executivo no município. Só queríamos dar as boas-vindas ao governador. Apenas isso”, disse à época.

Maura Jorge ficou bastante constrangida, mas, teve todo apoio da população, que a seguiu em caminhada pelas ruas da cidade após o episódio.

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Sarney ausente, mas Lobão participa de encontro com Lula


Lula janta na casa de Eunício Oliveira com outros integrantes do MDB. A interlocutores, o ex-senador ressalta que não se trata de um “evento político, mas uma reunião entre amigos”.

Na visita que fez ao Ceará no mês passado, o petista também almoçou com Janja e Gleisi Hoffmann na casa do emedebista em Fortaleza.

Dos convidados, Renan Calheiros declinou, para evitar que a milícia bolsonarista associe o encontro ao relatório final da CPI da Covid, que será entregue no dia 19.

Jader Barbalho não foi localizado, enquanto José Sarney também abriu mão para poder acompanhar Marly no hospital – a ex-primeira-dama foi internada dias atrás.

Também confirmaram presença Ibaneis Rocha, Edison Lobão e Romero Jucá.

terça-feira, 5 de outubro de 2021

Rejeição de Flávio Dino para o Senado cresce, diz pesquisa


É de 21% o índice de rejeição do governador Flávio Dino, para a eleição ao Senado. O psdebista fica atrás apenas de Josimar de Maranhãozinho, que teve 25% de rejeição do eleitorado. Ou seja, uma diferença pífia, se comparado o aparato que o governador do Maranhão possui, para marcar seu nome na mente do eleitor. Os números são da Escutec, que realizou terceira pesquisa sobre o cenário para as eleições 2022 no Maranhão.

No ranking da rejeição, segundo a pesquisa, vêm ainda Roberto Rocha, que alcançou 11% e Othelino Neto, 8%. Concorrendo com a ex-governadora Roseana Sarney no quesito, Flávio Dino, que poderia estar a largos passos distante, só consegue empatar. Os dois ficam com 8%. Seguem Roberto Rocha (6%) e Weverton Rocha e Josimar de Maranhãozinho, 1% cada.

Os números mostram que, apesar do que está sendo mostrado ao eleitor, Flávio Dino não é o preferido absoluto para estas eleições e tem que ficar atento a nomes que parecem não ter força. A cabeça do eleitor mudou e as novas e amplas ferramentas têm ajudado a forma os conceitos e moldar opiniões. O que hoje é, pode não ser amanhã.

A pesquisa Escutec ouviu 1,4 mil eleitores nos dias 23 a 30 de setembro. O intervalo de confiança é de 90% e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

domingo, 19 de setembro de 2021

Weverton consolida nome para suceder Dino


O senador Weverton Rocha, do PDT, se consolida a passos largos como nome para a sucessão do governador Flávio Dino entre os pré-candidatos do grupo governista.

Enquanto o vice Carlos Brandão aposta estagnado na saída do governador e Simplício Araújo investe em outdoors com pautas de competência da Câmara de São Luís, o político pedetista faz o dever de casa inspirado no movimento Diálogos Pelo Maranhão, criado por Dino em 2013.

Ontem, em Pinheiro, Weverton mais uma vez mobilizou parlamentares, prefeitos, vereadores, secretários do executivo estadual, a senadora Eliziane Gama, presidentes de partidos e centenas de lideranças políticas no movimento denominado “Maranhão Mais Feliz”.

É o quarto encontro do tipo, que tem por objetivo desenhar o plano de governo a ser apresentado pelo pedetista no próximo ano.

O movimento repercute entre a classe política e mobiliza o povo ao redor das cidades por onde passa.

O resultado é refletido nas ruas, com as pessoas buscando saber mais sobre a atuação e projetos de Weverton, e nas pesquisas que mostram ele na liderança para governador.

Nas bases, a afirmação “o homem tá forte” é a maior das evidências de que o senador pedetista é o mais viável – talvez o único estabelecido – entre aqueles que buscam administrar o Maranhão a partir de janeiro de 2023.

sábado, 18 de setembro de 2021

Marco Aurélio diz que César Pires é político em fim de carreira


Debate acalorado entre os deputados estaduais César Pires (PV) e o deputado Marco Aurélio (PCdoB) nesta semana no Plenário da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Enquanto Marco – que é governista – usava a tribuna para sair em defesa do secretário de Estado da Infraestrutura Clayton Noleto que tinha sido alvo de denúncia César, o oposicionista pediu a “parte” para rebater, no entanto, Aurélio interrompeu seu discurso no momento que Pires pediu a palavra.

“Minha fala está concluída deputado, Vossa Excelência já mentiu por vinte minutos, acho que já está bom por hoje, acabou a mamada, vossa excelência está em fim de carreira.” disparou Marco Aurélio em tom sarcástico.

Em resposta, César Pires não economizou adjetivos: “Vossa Excelência é um canalha, canalha, porque você se apropriou de vim dizer que estou mentindo, eu não lhe tratei dessa forma, Vossa Excelência age com molecagem”, respondeu.

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Acostumado com baladas, Prefeito compra cesta básica em “postos de gasolina”


A Prefeitura de Pinheiro, comandada por Luciano Genésio (PP), comprou quase um milhão de reais em cestas básicas para atender a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social. A empresa vencedora foi a R.S.T. Abreu Eireli, de Renato Serra Trinta Abreu, ganhou licitação no valor de 970 mil reais.

A administração de Luciano, no entanto, já havia contratado com uma empresa que era uma farmácia e passou a ser um posto de gasolina. O proprietário do posto é Danilo Jorge Trinta Abreu Júnior, irmão de Renato.

Só nos dois últimos anos, a empresa R.S.T. Abreu Eireli já faturou R$ 12.578.195,09 com a venda de produtos alimentícios e material de higiene para a prefeitura de Pinheiro. Os dois irmãos, que tem aproximação com o irmão do prefeito, Lúcio André, têm faturado milhões na prefeitura de Pinheiro.

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Partidos, centrais sindicais e OAB pedirão impeachment de Bolsonaro


A manifestação de hoje pela passagem do 7 de Setembro, Dia da Independência do Brasil, foi a gota d`água para que partidos, centrais sindicais, OAB, provavelmente a ABI e CNBB, além de outras entidades, começarem a pensar no pedido de impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Vários posicionamentos já foram exibidos agora no período da tarde e a maioria convergente para o que eles pensam como afronta à Constituição Federal assim que Bolsonaro exigiu que o presidente do STF, Luiz Fux, enquadre alguns de seus ministros sob pena de que possa acontecer.

Na Câmara Federal existem cerca de 130 pedidos de interrompimento do mandato do presidente, mas agora será diferente pela força que as entidades representam no pais.

O PSDB já anunciou reunião amanhã para se juntar aos partidos de oposição ao governo na Câmara e no Senado. Está sendo esperada uma manifestação do PMDB. O PDT já confirmou apoio irrestrito ao impedimento.

Bolsonaro não está só. Ele tem diversos aliados no Congresso Nacional e em representações de classes patronais sindicais, além de um grande número de apoiadores. O presidente conseguiu dividir o país.

O impeachment dele não é fácil e deve gerar muitos tumultos nas duas Casas Legislativas, além das ruas e avenidas.

segunda-feira, 5 de julho de 2021

Voto auditável segue firme e Oposição sofre derrota


A Comissão do Voto Impresso acaba de rejeitar a retirada de pauta do parecer do relator Filipe Barros (PSL-PR). Assim, fracassou uma tentativa de deputados de oposição de adiar a discussão.

A votação sobre a retirada da pauta ficou em 15 x 15. Coube ao relator desempatar. Barros já havia votado “não” ao requerimento, da mesma forma que seus dois colegas de PSL na comissão, Bia Kicis e Eduardo Bolsonaro.

A autoria da PEC é de Bia Kicis (PSL-DF). A CCJ da Câmara aprovou a admissibilidade do texto em dezembro de 2019.

Esta é pelo menos a quarta tentativa de emplacar o voto auditável na adoção das urnas eletrônicas, a partir das eleições municipais de 1996.

O voto impresso já foi aplicado no Brasil, para cerca de 7 milhões de eleitores em 2002. Em 2009 e de novo em 2015, o Congresso voltou a aprovar o voto impresso; nas duas vezes, a ideia foi derrubada pelo STF.

terça-feira, 29 de junho de 2021

Josimar articula filiações de prefeitos do PCdoB ao PL


Com a saída de Flávio Dino, o principal nome do partido, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) pode ser extinto de vez no Maranhão. Sem nomes, o partido deverá disputar as últimas eleições no próximo ano.

O partido já vinha demostrando sinais de enfraquecimento no Maranhão. Nas últimas eleições, dos 68 candidatos lançados pelo partido, o PCdoB só fez 22 prefeitos, reduzindo o seu número de prefeitos no estado, quem em 2016 era 45 prefeitos.

Agora, diante da corrida eleitoral para 2022, esses prefeitos valem ouro e possivelmente estariam com o pé dentro do Partido Liberal (PL), que tem como presidente Josimar de Maranhãzinho.

O deputado federal e pré-candidato ao governo do Maranhão, Josimar de Maranhãozinho já estaria articulando nos bastidores a vinda dos 22 prefeitos do PCdoB. Segundo informações, Josimar conta com apoio e articulação dos 40 prefeitos eleitos na última eleição pelo PL e já teria posicionamentos confirmados de alguns, porém até o momento não divulgou.

Se confirmado, o PL pode se tornar o maior partido do Maranhão com maior número de prefeituras ao seu comando, ultrapassando o PDT de Weverton Rocha, seu principal adversário nas eleições de 2022.