Mostrando postagens com marcador Rodrigo Pacheco. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rodrigo Pacheco. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

Weverton avança pelo apoio do PSD


Não há como negar: o senador Weverton Rocha (PDT) deu passos importantes na costura pelo apoio do PSD a sua pré-candidatura ao Governo do Estado.

Seja no primeiro, ou no segundo turno.

O PSD, como se sabe, tem como pré-candidato o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Júnior.

Mas as recentes declarações do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, sobre a possibilidade de apoio ao colega senador pedetista abriram uma “janela de oportunidade”.

Com um detalhe: logo após afirmar à TV Mirante que Weverton tem uma candidatura “próxima à gente” e que – caso o apoio não se confirme no primeiro turno – deseja um “pacto de não agressão” que viabilize uma composição no segundo (saiba mais), Pacheco esteve em Imperatriz, justamente ao lado do pedetista.

Foi uma sinalização importante...

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Desmonte do palanque nacional do PSD pode afetar Edivaldo


O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD), abandonou a sua pré-candidatura à Presidência da República, o que pode influenciar Edivaldo Holanda Júnior (PSD) na intenção de concorrer à sucessão de Flávio Dino (PSB).

A desistência de Pacheco deve-se ao seu baixo desempenho nas pesquisas eleitorais. Os últimos levantamentos mostram que o senador conseguiu registrar, no máximo, 1% das intenções de voto.

O ex-prefeito de São Luís apresenta um desempenho um pouco melhor em comparação ao colega de partido, mas ainda assim bem distante do senador Weverton Rocha (PDT) ou da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) na disputa pelo Palácio dos Leões.

Edivaldo empatou com Carlos Brandão (PSDB) nas últimas pesquisas. Mas, em algumas regiões do estado, chega a ter 1% das intenções de voto. A desenvoltura média dele depende exclusivamente do eleitorado da capital.


Com informações do Blog Marrapá

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Eliziane Gama é cotada para compor chapa presidencial


Apontada em estudo recente produzido pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como uma das “Cabeças do Congresso Nacional”, como são chamados os 100 congressistas mais influentes do país, a senadora maranhense Eliziane Gama (Cidadania) se consolidou como liderança política desde que deixou de ser tutelada pelo governador Flávio Dino (PSB).

Mulher, evangélica e nordestina, após o voo próprio, mesmo sem ser membro titular nem suplente da CPI da Covid no Senado, passou a integrar o chamado G7, grupo majoritário formado por sete dos 11 senadores titulares da comissão, onde tem mantido atuação destacada.

Com a liderança, Eliziane está sendo cotada por lideranças partidárias para vice de eventual chapa do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que vem construindo candidatura ao Palácio do Planalto para a eleição de 2022 e ganhado mais protagonismo em meio à radicalização de Jair Bolsonaro (sem partido).

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Pacheco se aproxima do PSD e deve disputar Planalto em 2022


O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o PSD, presidido por Gilberto Kassab, estão próximos de anunciar a filiação do senador visando sua candidatura ao Planalto em 2022. Segundo as informações, a ida do mineiro para o partido é quase certa e o anúncio pode vir ainda nesta semana. Em nota, o senador disse que não discutirá eleições ainda.

“Não discutirei agora o processo eleitoral de 2022. Meu compromisso é com a estabilidade do país, e isso exige foco nos muitos problemas que ainda temos em 2021”, declarou Pacheco.

Pacheco ainda aguarda últimas definições e acertos com o partido para anunciar sua filiação. A filiação do senador é um desejo antigo de Kassab, que o trata como favorito para liderar uma 3ª via presidencial como alternativa à polarização entre o ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A cúpula da sigla já vinha dizendo que terá candidato próprio e avaliava que Pacheco é da política tradicional, mas representa uma renovação. O partido confiava que “na hora certa”, o senador embarcaria no projeto.

O PSD foi um dos que mais cresceu em 2020. A bancada tem representantes governistas e oposicionistas. Para evitar um racha na sigla, queriam um nome próprio no pleito do ano que vem.

Os resultados das 8 eleições presidenciais de 1989 para cá mostram que a ideia de uma 3ª via tem muito de wishful thinking–quando se confunde desejo com probabilidade real– e quase nada de conexão com a realidade do país.

No último mês, o movimento por uma 3ª via única se intensificou entre os partidos. Reunião dos presidentes de 5 partidos de centro realizada em 16 de junho terminou com “pré-compromisso” sobre a necessidade de uma 3ª via contra “extremos”. No entanto, nenhum nome foi definido no encontro.

terça-feira, 27 de abril de 2021

Pacheco diz que não vai acatar liminar contra Renan: “decisão ilegal”


O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que não cumprirá a decisão do juiz Charles Morais, da 2ª Vara Federal do Distrito Federal, que concedeu uma liminar para impedir que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) seja nomeado o relator da CPI da Covid-19 nesta terça-feira (27).

Segundo Pacheco, não compete à Justiça do DF tomar tal decisão.

“Trata-se de questão interna corporis do Parlamento, que não admite interferência de um juiz”, afirma em nota o presidente do Senado.

“Não cabe ao presidente do Senado interferir nesse processo, seria ‘antirregimental’ da minha parte. Uma decisão judicial não pode me obrigar a tomar uma decisão ilegal”, afirmou Pacheco.

O presidente do Senado deu a declaração após ser notificado da decisão liminar do juiz Charles Renaud Frazão de Morais, da Justiça Federal do Distrito Federal, que impediu o senador Renan Calheiros (MDB-AL) de ser “votado” para a relatoria da CPI.

Pacheco diz que, nesta terça (27), irá informar ao juiz federal que o método de escolha do relator não é por votação, e sim, uma escolha que cabe ao presidente da CPI.

Rodrigo Pacheco confirmou a instalação da CPI na manhã desta terça.

“A escolha de um relator cabe ao presidente da CPI, por seus próprios critérios. Trata-se de questão interna corporis do Parlamento, que não admite interferência de um juiz. A preservação da competência do Senado é essencial ao Estado de Direito. A Constituição impõe a observância da harmonia e independência entre os poderes”, diz o comunicado do presidente do Senado.

A 2ª Vara da Justiça Federal de Brasília concedeu nesta segunda-feira (26) liminar (decisão provisória) que suspende a eventual indicação do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para relator da CPI da Covid.

O pedido foi feito pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP), aliada de Bolsonaro no Congresso.

Renan Calheiros disse que recorrerá da decisão e apontou que ela é uma “interferência indevida” no Senado.

“Medida orquestrada pelo governo Jair Bolsonaro e antecipada por seu filho. A CPI é investigação constitucional do Poder Legislativo e não uma atividade jurisdicional”, escreveu.

Para Renan, a questão não tem relação com a Justiça de primeira instância. “Não há precedente na história do Brasil de medida tão esdrúxula como essa. Estamos entrando com recurso e pergunto: por que tanto medo?”, questionou o senador emedebista.