Mostrando postagens com marcador Lula. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lula. Mostrar todas as postagens

domingo, 29 de maio de 2022

Mídia nacional destaca o poder de articulação de Weverton no Maranhão


Reportagem da revista Veja deste sábado, 28, mostra o poder de articulação do senador Weverton (PDT), na montagem do seu grupo para as eleições de outubro próximo.

Revista Veja– Além da aproximação entre a família Sarney e o grupo político do ex-governador Flávio Dino, como mostrou reportagem de VEJA, a eleição estadual no Maranhão terá outro componente inusitado em 2022, confirmado nos últimos dias: um candidato a governador pelo PDT de Ciro Gomes que fará campanha ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e será apoiado pelo PL do presidente Jair Bolsonaro.

A mistura insólita tem como protagonista o senador Weverton Rocha (PDT-MA), que confirmou nesta semana o apoio do PL do deputado Josimar de Maranhãozinho à sua candidatura. Maranhãozinho desistiu da pretensão de entrar na disputa e vai engrossar a aliança de Rocha, que já se disse “o melhor amigo do Lula” no Maranhão e abrirá seu palanque ao petista no estado.

Lulista de carteirinha e pouco entusiasmado com Ciro, o senador ficou contrariado com o apoio de Flávio Dino ao ex-tucano Carlos Brandão (PSB), seu ex-vice e atual governador, na disputa pelo Palácio dos Leões. O PT está dividido entre Rocha e Brandão, mas oficialmente vai apoiar o governador e deve ocupar a vaga de vice em sua chapa, que terá Dino como candidato a senador. Pela única cadeira ao Senado em disputa, Dino vai enfrentar o senador Roberto Rocha (PTB), outro bolsonarista apoiado por Weverton Rocha.

terça-feira, 17 de maio de 2022

Militância de base do PT se reúne com Weverton Rocha


Petistas de todo o Maranhão – o chamado PT raiz – discutiram na última segunda-feira, 16, a tese “Lealdade a quem sempre esteve com Lula e com os Trabalhadores” de apoio à candidatura do senador Weverton Rocha.

Formado por presidentes do PT de São Luís e de vários outros municípios, representantes sindicais e membros dos movimentos sociais, o PT raiz que levar a tese de apoio a Weverton ao encontro de tática do partido, marcado para o dia 29 de maio.

Nesta segunda-feira, 16, esses membros do PT se reúnem na sede do Sindsep para discutir formas de participação no encontro petista.

Entre as lideranças, o pré-candidato do PT ao Senado, professor Paulo Romão, e o presidente do PT de São Luís, Honorato Fernandes.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Lula combina com Renan estratégia para fisgar apoio do MDB; Roseana e Lobão devem ser convidados para encontro


No encontro que tiveram na última segunda-feira (31/1) em São Paulo, o ex-presidente Lula (PT) e o senador Renan Calheiros (MDB-AL) acertaram uma estratégia para tentar garantir o apoio formal do MDB à candidatura do petista ao Palácio do Planalto nas eleições deste ano.

O foco inicial será garantir, primeiro, o apoio da velha guarda do MDB, historicamente mais próxima de Lula. A ideia é que essa ala pressione o restante do partido a desistir da candidatura da senadora Simone Tebet (MDB-MS) à Presidência da República e apoiar o petista já no primeiro turno.

Renan já entrou em campo para viabilizar a operação. Um dia após o encontro com Lula, o senador alagoano ligou, na terça-feira (1º/2), para o ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE), apoiador declarado de Lula. Pediu que o colega o ajudasse a organizar um encontro com outros caciques emedebistas nos próximos dias, em Brasília.

A ideia é reunir nomes da velha guarda emedebista como os atuais senadores Jader Barbalho (MDB-PA) e Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) e os ex-senadores Roseana Sarney (MDB-MA), Romero Jucá (MDB-RR), Edison Lobão (MDB-MA), além do próprio Renan e Eunício.

No encontro, Renan quer medir o apoio a Lula dentro dessa ala do partido. O senador também pretende levar o recado do ex-presidente de que ele gostaria de encontrar novamente com lideranças do MDB em Brasília. Em outubro, o petista já havia jantado com emedebistas na casa de Eunício, em Brasília.

Foco de Lula
Interlocutores de Lula no PT dizem que o foco do ex-presidente nos próximos meses será tentar angariar o apoio do MDB e do PSD a sua candidatura. A avaliação é de que o apoio formal desses partidos de centro são essenciais para o petista vencer as eleições já no primeiro turno.

Embora Lula lidere praticamente todas as pesquisas de intenção de voto recentes, há uma preocupação, entre lideranças do PT, de que os votos da chamada terceira via migrem para Jair Bolsonaro no segundo turno e façam o atual presidente vencer as eleições.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Dilma descarta ser candidata na chapa de Flávio Dino


A ex-presidente Dilma Rousseff (PT), confirmou, durante conversa com a jornalista Malu Gaspar, do jornal O Globo, que não disputará nenhum cargo político na eleição deste ano.

A informação acontece dias após aliados de Flávio Dino (PSB), plantar informação na imprensa, de que Dilma poderia ser a primeira suplente de Dino na eleição por uma vaga no Senado.

A jogada era simples, Dino garantia a volta de Dilma ao cenário político, em troca, pediria a aliança do PT na empreitada de Carlos Brandão (PSDB).

Aliado histórico de Weverton e entendendo o grupo de esquerda no Maranhão, Lula teria aconselhado Dilma a desfazer qualquer faísca.

O próprio ex-presidente já deixou claro, que no Maranhão, apoiará Weverton para o Governo e Dino para o senador.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2022

Reunião nesta segunda pode selar racha na base de Flávio Dino, e Lula se preocupa


Uma reunião marcada para esta segunda-feira (31) pode selar um racha na base de Flávio Dino (PSB) no Maranhão, situação que é acompanhada com preocupação pelo ex-presidente Lula (PT).

Dino tem dito que apoiará seu vice, Carlos Brandão (PSDB), como sucessor, o que, se oficializado nesta segunda, deve fazer com que o senador Weverton Rocha (PDT), que esperava o apoio do governador, deixe o grupo e lance candidatura própria. Na última semana, Lula recebeu Dino e Rocha em São Paulo.

Lula é próximo de ambos, o que pode fazer com que tenha palanque duplo com a ruptura, mas também pode gerar situações delicadas. Ele tem dito que torce para acerto que mantenha o grupo unido, o que hoje parece improvável.

Caso decida ser discreto na disputa, Lula favorecerá Rocha, que acumulou material ao lado do petista ao longo dos anos, diferentemente de Brandão. O senador já tem se embalado como “o melhor amigo de Lula no Maranhão”.

Caso o ex-presidente petista decida participar da disputa, pode ter que dividir atenção entre os dois candidatos, como fez na última semana, dividindo as atenções entre o governador e o senador.

O ex-presidente já disse que é difícil que o PT apoie alguém do PSDB, em referência a Brandão, que pode mudar para o PSB. Até o começo de 2021 ele estava no Republicanos, e as migrações já surgem como foco de ataque de rivais.

Aliados de Rocha têm dito que Brandão não tem mostrado potencial de crescimento eleitoral e que Dino tem usado um argumento que não combinou com sua base para fundamentar a escolha, o de que o vice-governador estará com a caneta na mão a partir de 31 de março, quando Dino deixará o governo para concorrer ao Senado.

Folha de São Paulo

quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

Lula admite candidato de Dino, mas não abre mão do palanque de Weverton


Fontes revelam com exclusividade, em linhas gerais, aspectos da conversa entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador Flávio Dino (PSB), na noite da última segunda-feira, 24, em São Paulo.

De acordo com interlocutores dos presentes à reunião – além de Lula e Dino também estavam no encontro a ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann – o desejo de Lula para o Maranhão é um palanque duplo de Flávio Dino, com dois candidatos a governador.

– Mesmo com o Carlos Brandão trocando o PSDB pelo PSB fica difícil abrir mão de um companheiro como Weverton, que sempre esteve ao nosso lado – disse Lula a Dino, segundo interlocutores ouvidos por este blog.

O reconhecimento do ex-presidente se dá pela presença do senador maranhense em todas as suas campanhas e em todos os seus bons e maus momentos políticos.

É preciso lembrar que os mesmos interlocutores nacionais do PT que agora adiantam sobre a conversa de Lula com Dino também adiantaram ao blog Marco Aurélio D’Eça o “não!” do ex-presidente a uma aliança com o PSDB, revelado ainda em julho, também com exclusividade, no post “A conversa de Flávio Dino e Lula; ‘PSDB Não!’, disse o ex-presidente” e confirmada pelo próprio Lula, na semana passada.

A solução apresentada por Lula e referendada por Gleisi e Dilma é que Flávio Dino libere a candidatura de Weverton, mesmo formando palanque com Brandão; o governador garantiria dois palanques ao Senado, o que também ocorreria com a candidatura presidencial do petista.

Essa proposta também já havia sido antecipada por este blog, no último dia 20, no post “Lula e o PT sugerem a Dino ter dois candidatos a governador”.

Diante desta posição política do ex-presidente, foi aconselhado ao governador maranhense que a reunião da próxima segunda-feira, dia 31, seja adiada para março.

Com informações do Blog do Marco D'eça

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Lula confirma apoio a Weverton, diz Veja


A Revista Veja confirmou o apoio de Lula (PT) à pré-candidatura do senador Weverton Rocha (PDT) ao governo do estado. Na entrevista que deu na quarta a blogs independentes, o petista indicou que bancará a escolha do PT de apoiar o deputado Marcelo Freixo (PSB) como candidato ao governo do Rio.

Lula disse ainda que o apoio dado ao aliado do PSB no Rio não se repetirá, por exemplo, no Maranhão, onde o governador Flávio Dino (PSB) deve apoiar seu atual vice, Carlos Brandão (PSDB), ao posto de sucessor. O nome do PT na disputa será então o do senador Weverton Rocha.

“Nós defendemos a candidatura do Freixo no Rio de Janeiro. Nós defendemos a candidatura do Flávio Dino. Agora, o companheiro Flávio Dino tem um candidato dele, que é o seu vice, que é do PSDB. Ele sabe que é difícil a gente apoiar o PSDB. Nós temos a candidatura do Weverton. Então, eles vão ter que se acertar para facilitar a nossa vida”, disse Lula.

Com informações do Blog Marrapá

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Lula despacha Brandão e manda Flávio Dino se acertar com Weverton…


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) descartou nesta quarta-feira, 19, em vídeo divulgado nas redes sociais e blogs, o apoio do PT ao vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

Lula cita alianças do PT no Rio de Janeiro, com Marcelo Freixo (PSB), e no Maranhão, com Flávio Dino (PSB), mas deixa claro:


– Agora, o Flávio Dino tem um candidato, o vice-governador, que é do PSDB. Fica difícil pra gente apoiar o PSDB. E temos lá o Weverton; e eles vão ter que se acertar – disse o ex-presidente.

Essa declaração de Lula já tinha sido dada ao próprio Flávio Dino, ainda no ano passado.

Tanto que Dino passou a cogitar a transferência de Brandão para o PSB.

O problema é que o próprio Brandão resiste a deixar o ninho tucano.

E se deixar, perderá tanto o PSDB quanto o Cidadania.

A fala de Lula é, portanto, mais um.comicador para a cambaleante candidatura do vice de Flávio Dino.

Com informações do Blog do Marco D'eça

sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

PSB se irrita com Lula e abre negociação com PDT de Ciro


O Estadão – Diante do impasse para fechar aliança com o PT em Estados definidos como “joias da coroa”, a cúpula do PSB decidiu fazer um movimento paralelo. Quer filiar o ex-governador Geraldo Alckmin, mas pode agora oferecê-lo como “dote” ao PDT de Ciro Gomes. Dirigentes do PSB procuraram o comando pedetista e marcaram um almoço para a próxima semana, em São Paulo, na tentativa de abrir novo canal de negociação.

Sem partido desde que deixou as fileiras tucanas, no último dia 15, Alckmin prefere entrar no PSB e ser vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto, em 2022. Mas, como a cada semana surge um problema, tanto ele como os líderes da sigla saíram em busca de alternativas.

A ideia é dar um ultimato ao PT e mostrar que os socialistas não estão dispostos a abrir mão de candidaturas próprias em Estados como São Paulo e Rio Grande do Sul, por exemplo. Nas conversas, acenam com a hipótese de montar uma federação e casar de papel passado com o PDT, o PV e a Rede até as eleições de 2026. Fundadora da Rede, a ex-ministra Marina Silva, que amargou derrotas na últimas três disputas presidenciais, tem se aproximado de Ciro, embora deteste o marqueteiro da campanha, João Santana, autor de agressiva estratégia contra ela em um passado não muito distante.

O movimento do PSB é visto com ceticismo pelos petistas, para quem tudo não passa de um jogo de cena do grupo do presidente do partido, Carlos Siqueira, para valorizar o passe. Siqueira tem dado declarações duras desde o último encontro com Lula, há 11 dias. Disse, por exemplo, que o PT precisa decidir se seu objetivo é “formar uma frente ampla” para derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) e eleger Lula ou se é “disputar os governos nos Estados” e tratar como adversário quem pode ser seu principal aliado.

“Esse negócio do PSB com o PT não tem como dar certo, mesmo porque Lula, com 46% (das intenções de voto), acha que já está com a mão na taça”, disse ao Estadão o presidente do PDT, Carlos Lupi. “Nós vamos conversar. Acho que o PSB tem muito mais afinidades com o PDT.”

Não está claro, ainda, qual papel Alckmin desempenharia em um arranjo assim. Motivo: há, nos bastidores, forte pressão da bancada de deputados federais do PDT para que Ciro desista da candidatura à sucessão de Bolsonaro, caso não consiga decolar até março. O ex-ministro enfrenta dificuldades para se mostrar competitivo no pelotão da terceira via, principalmente depois da entrada do ex-juiz Sérgio Moro (Podemos) no páreo presidencial.

‘INDESISTÍVEL’. A portas fechadas, parlamentares do PDT observam que, ao invés de ter candidato próprio ao Planalto, o partido deveria privilegiar a distribuição de recursos para os concorrentes à Câmara. O tamanho da bancada influencia na divisão do fundo eleitoral entre as legendas.

“Eu não sei o que o PSB vai querer, mas Ciro não desiste e eu também sou ‘indesistível’. Para não ter mais esse tititi, quero deixar claro: não estamos gastando esse dinheiro todo com o João Santana para nada”, afirmou Lupi.

Para frear o aumento das especulações sobre a retirada de Ciro, principalmente após a operação da Polícia Federal que o alvejou, a cúpula do PDT decidiu criar um fato político.

Em uma estratégia antecipada, o partido fará o pré-lançamento da candidatura de Ciro, em Brasília, no dia 21 de janeiro de 2022. No ato, o PDT vai apresentar a nova marca da campanha, que pretende transformar o estilo brigão e explosivo do ex-ministro em ativo eleitoral. Um dia depois, em 22 de janeiro, o partido homenageará o ex-governador Leonel Brizola, que completaria 100 anos na data.

PALANQUE. O PDT precisa de um palanque forte para Ciro em São Paulo e também está conversando com Guilherme Boulos, do PSOL, partido que sempre se opôs a Alckmin. Pode apoiá-lo na disputa ao Palácio dos Bandeirantes. O ex-governador e Ciro, por sua vez, se dão muito bem e têm uma afinidade regional: os dois são de Pindamonhangaba, cidade do interior paulista. Uma aliança para que Alckmin seja vice nessa chapa, porém, é considerada difícil.

O ex-tucano também já foi convidado para se filiar ao Solidariedade, ao PSD do ex-ministro Gilberto Kassab, ao União Brasil e ao próprio PDT, mas continua preferindo o PSB. Só que os embaraços para a formação da federação de partidos com o PT – um casamento que precisa durar no mínimo quatro anos – têm atrapalhado o avanço das negociações.

Ao oferecer Alckmin como vice de Lula, o PSB exigiu o apoio do PT a seus candidatos aos governos de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Acre. Os petistas não aceitam esse acordo. Avaliam que, pela primeira vez, o PT tem chances de derrotar o PSDB na corrida ao Bandeirantes, com Fernando Haddad. Irritada com as exigências do grupo de Siqueira, a direção petista também decidiu esticar a corda e lançar o senador Humberto Costa ao governo de Pernambuco.

“O Brasil não pode ficar submisso a vontades pessoais”, argumentou o ex-governador de São Paulo Márcio França, amigo de Alckmin e pré-candidato do PSB ao Bandeirantes. Na prática, a aliança entre o PT e o PSB para montar a dobradinha dos sonhos de Lula tem sido comparada agora a um jogo de estratégia. Trata-se de uma batalha na qual todos querem conquistar territórios. “Mas precisamos encaixar as engrenagens partidárias”, avisou França. Como se vê, 2022 bate à porta e a nova temporada, na política, ainda é de muitas incertezas.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Flávio Dino ainda sonha em ser vice de Lula


Ao que tudo indica, parece que o governador Flávio Dino (PSB) pensa que ainda tem chance de montar uma chapa com Lula para disputar as eleições presidenciais de 2022. O comuno-socialista maranhense segue plantando, via aliados da imprensa em veículos nacionais, que pode ser vice do petista. Não passa de mais um delírio.

Isso porque Dino está cada vez mais sendo esvaziado do debate nacional. Se antes, no PCdoB, ele tinha todos os holofotes, principalmente quando rebatia os discursos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), hoje ele tem que disputar o palco com outros nomes com grande destaque nacional dentro do próprio PSB, como o Paulo Câmara, governador de Pernambuco; o deputado federal Marcelo Freixo; e o ex-governador de São Paulo, Márcio França.

E agora ainda surge a possibilidade de Geraldo Alckmin (PSDB) se filiar ao PSB e compor a chapa com Lula em 2022, fato esse que coloca ainda mais na sombra as pretensões nacionais do comuno-socialista.

No Maranhão, a “Era Dino” está chegando ao fim com mais de 60% dos maranhenses passando fome (veja aqui). Enquanto isso, Lula, ao término do seu mandato, retirou cerca de 40 milhões de brasileiros da pobreza. Dessa forma, faltam resultados que credenciem Dino para a formação da chapa com o petista.

Em agosto deste ano, Lula descartou a possibilidade de ter Flávio Dino como vice e deixou claro que, se chegar ao Planalto, quer o comuna-socialista no Senado Federal.


Com informações do Blog Marrapá

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Felipe Camarão coladinho com Lula


Longe das lutas e ideologia petista e encontrado Lula uma única vez, em toda sua vida, durante visita do ex-presidente ao Maranhão, Felipe Camarão apela para colar sua imagem junto com a do petista.

No convite divulgado na internet, a foto de Lula dá a entender que o ex-presidente estará no evento, ou que apoia Camarão. Tudo balela de fotoshop.

A verdade é que Lula, quando se refere aos nomes dos pré-candidatos a governador do Maranhão, cita Weverton como único companheiro que sempre esteve ao seu lado, principalmente quando o petista esteve preso em Curitiba, e Weverton foi o primeiro maranhense a visitá-lo, mantendo sua amizade.

Quando se refere a Brandão, diz “aquele do PSDB”, lembrando do tempo em que o vice-governador Carlos Brandão era deputado federal e tentava a todo custo, derrubar os governos Lula e Dilma.

Já Camarão, bom, Lula deve se referir a culinária, seja no alho e olho ou uma camaroada no melhor estilo maranhense, já que não chegou sequer, a decorar o nome do secretário de Educação, que tenta agora, usar a imagem do ex-presidente.

domingo, 17 de outubro de 2021

Em novo bate-boca, Lula diz que Covid pode ter afetado cérebro de Ciro


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) respondeu nesta quinta-feira (14) à fala do também presidenciável Ciro Gomes (PDT) de que o petista teria conspirado pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

A fala de Ciro na quarta-feira (13) desencadeou um bate-boca com Dilma no Twitter, apesar de o pedetista ter sugerido uma trégua com o PT em nome do impeachment de Jair Bolsonaro.

Membros de PT e PDT minimizaram o efeito da nova briga sobre a formação de uma frente ampla, mas o episódio afastou ainda mais as alas da esquerda. Nesta quinta, Lula rebateu Ciro, que respondeu logo em seguida.

“Eu não vou falar do Ciro. O que ele fez ontem [quarta-feora] foi tão banal, foi tão grosseiro, que às vezes eu fico pensando, como Jesus Cristo na cruz dizia: ‘Pai, perdoai os ignorantes, eles não sabem o que fazem'”, disse Lula à rádio Grande FM de Dourados (MS).

“Eu às vezes fico pensando, não sei se o Ciro teve Covid ou não, mas me disseram que quem tem Covid tem problemas de sequelas, alguns têm problema no cérebro, de esquecimento, eu não sei. Mas não é possível que um homem que pleiteia a Presidência da República possa falar as baixarias que ele falou ontem”, continuou o ex-presidente.

“Eu só lamento profundamente que seja assim. Eu só não sei o que ele está querendo, mas quem planta vento colhe tempestade”, completou o petista.

Ciro teve Covid em outubro de 2020. Segundo divulgou na época, após apresentar sintomas leves de gripe, o pedetista fez o teste e teve resultado positivo.

O pedetista enviou à Folha uma nota de resposta a Lula, afirmando não ter tido sequelas.

“Já tive [Covid] em outubro do ano passado. Estou bem e não fiquei com sequelas. Mas trágico mesmo seria ter uma sequela moral, como a do notório Lula, que com este comentário infame acaba de agredir milhões de mortos e sobreviventes da Covid”, afirmou Ciro.

Na nota, o pedetista volta a lembrar as reuniões de Lula com nomes do MDB, algo que para ele evidencia a conspiração de Lula pelo impeachment de Dilma.

“Agora, sem zuada, gritaria ou fuga pseudo-engraçada, [Lula] pode explicar ao povo brasileiro o acordo com Renan [Calheiros. MDB], Eunicio [Oliveira, MDB], Jucá [MDB], Geddel [MDB], Eduardo Cunha [MDB] e Sergio Cabral [sem partido] para assaltar de novo o Brasil?”, segue Ciro.

Também nesta quinta, Ciro divulgou um vídeo em que comenta a discussão com Dilma e volta a criticar o PT, mais especificamente “a corrupção do governo Lula e a incompetência do governo Dilma”.

Segundo Ciro, após o que chamou de “cutucada”, o PT revelou medo, arrogância e hipocrisia.

“Eu disse de passagem, numa entrevista, que vendo os fatos de trás para diante, tenho hoje a convicção de que Lula foi um dos principais responsáveis pela queda de Dilma. Disse também que os principais responsáveis por essa pavorosa tragédia que nos ameaça hoje, esse governo criminoso de Bolsonaro, foram a corrupção e a incompetência do PT”, disse o pedetista.

“Os cães raivosos silenciaram quanto a esta última denúncia, que eles, aliás, nunca conseguem responder. E tentaram fazer com que o mundo desabasse sobre mim”, continuou.

Segundo Ciro, Lula desestabilizou Dilma de forma consciente e inconsciente, ao lotear “o governo com os personagens mais corruptos da história do país” e definir que Michel Temer (MDB) seria vice-presidente.

“Lula fez isso muito especialmente quando, na ânsia de impedir a reeleição de Dilma, transformou seu famoso instituto num antro de intriga e conspiração. […] Ele ajudou a queda de sua ex-protegida por egoísmo, imprudência e uma sequência indesculpável de movimentos erráticos. O egocentrismo político sempre foi e continua sendo a característica mais marcante de Lula”, afirma Ciro no vídeo.

Ele diz ainda que Dilma o agrediu duramente e recebeu o troco, mas voltou atrás ao dizer que não se arrepende de ter lutado contra o impeachment. “Nunca me arrependerei de defender a democracia.”

Ciro também afirma que, se eleito em 2022, Lula pode reeditar o petrolão e o mensalão. “Com toda cegueira, oportunismo e soberba, ele já começa a fechar acordos com esses mesmos personagens sombrios do passado”, diz.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta quarta (13), Ciro fez duras críticas ao PT e responsabilizou Lula e Dilma pela eleição de Bolsonaro —inaugurando um novo capítulo na história recente de afastamento entre Lula e o pedetista.

“Hoje eu estou seguro que o Lula conspirou pelo impeachment da Dilma”, disse Ciro. “Eu atuei contra o impeachment e quem fez o golpe foi o Senado Federal. Quem presidiu o Senado? Renan Calheiros. Quem liderou o MDB nessa investida? O Eunício Oliveira. Com quem o Lula está hoje?”, questionou, mencionando interlocutores do petista.

As falas vêm após a proposta de Ciro de “uma trégua de Natal”. Depois de ter sido vaiado e alvo de pedaços de pau na manifestação pelo impeachment no dia 2, o pedetista declarou à imprensa que era preciso acalmar os ânimos das militâncias e promover entendimento em torno do impeachment de Bolsonaro.

Dilma respondeu no Twitter. “Ciro Gomes está tentando de todas as formas reagir à sua baixa aprovação popular. Mais uma vez mente de maneira descarada, mergulhando no fundo do poço. O problema, para ele, é que usa este método há muito tempo e continua há quase uma década com apenas um dígito nas pesquisas”, disse a ex-presidente.

“Na vida nunca menti. Mas errei algumas vezes. Uma delas quando lutei contra o impeachment de uma das pessoas mais incompetentes, inapetentes e presunçosas que já passaram pela presidência. Claro, que estou falando de você, Dilma”, respondeu Ciro.

O pedetista tuitou ainda que Lula foi um dos maiores responsáveis pela desestabilização de Dilma e que os dois “se merecem”.

Dilma voltou a tuitar, afirmando que Ciro tem “enorme presunção” e que sua visão é “misógina”.

“Para além disso, Ciro sistematicamente distorce os fatos. E, nisso, não se difere em nada de Bolsonaro. Ambos adoram quando os alvos de suas agressões reagem. Precisam disso para obter likes e espaço na mídia. […] Lamento ter, em algum momento, dado a Ciro Gomes a minha amizade”, publicou a ex-presidente. Folha de SP

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Sarney ausente, mas Lobão participa de encontro com Lula


Lula janta na casa de Eunício Oliveira com outros integrantes do MDB. A interlocutores, o ex-senador ressalta que não se trata de um “evento político, mas uma reunião entre amigos”.

Na visita que fez ao Ceará no mês passado, o petista também almoçou com Janja e Gleisi Hoffmann na casa do emedebista em Fortaleza.

Dos convidados, Renan Calheiros declinou, para evitar que a milícia bolsonarista associe o encontro ao relatório final da CPI da Covid, que será entregue no dia 19.

Jader Barbalho não foi localizado, enquanto José Sarney também abriu mão para poder acompanhar Marly no hospital – a ex-primeira-dama foi internada dias atrás.

Também confirmaram presença Ibaneis Rocha, Edison Lobão e Romero Jucá.

terça-feira, 5 de outubro de 2021

Weverton tem agenda com Lula e sinalizam aliança no Maranhão


Em Brasília para uma nova rodada de conversas em torno de alianças para 2022, o ex-presidente Lula, veja só, encaminhou um importante palanque no território do pedetista Ciro Gomes.

Antigo aliado de Weverton Rocha, o senador que lidera pesquisas ao governo maranhense, Lula recebeu o parlamentar do PDT nesta terça para uma conversa num hotel de Brasília em que praticamente fechou o apoio no estado.

A possibilidade de estar no palanque do PDT em 2022, ainda que Ciro também seja presidenciável, é uma realidade para Lula, que já disse a aliados que estará com quem tiver “50% dos votos mais um” para vencer em 2022. No Maranhão, pelas últimas pesquisas, o nome é de Rocha, que já deixou claro a diferentes interlocutores que deseja ter Lula em seu palanque em 2022. As informações são da Revista Veja

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Lula firma alianças com PSD, MDB, PSB e PDT no Nordeste


A recente viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi bem-sucedida para a formação de alianças regionais visando as eleições de 2022. Um balanço feito pela jornalista Andréa Jubé, do Valor, aponta que Lula costurou alianças com PDT, MDB e PSD na região. “Ele fez uma rede de arrasto”, disse o vice-presidente nacional do PT, deputado José Guimarães (CE).

“No Ceará, o PT vai reeditar a aliança de 16 anos com o PDT no Ceará. O palanque articulado entre as duas siglas destina a cabeça de chapa ao PDT. O ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio deve ser o candidato ao governo cearense, mas não se descartou ainda o nome da atual vice-governadora Izolda Cela (PDT)”, informa a repórter. “Em paralelo, o PT tem palanques avançados com o MDB no Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas. No Piauí, a cabeça de chapa e a vaga ao Senado ficam com o PT. O candidato à sucessão do governador Wellington dias (PT) é o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles (PT). Por sua vez, Dias tentará voltar ao Senado. O candidato a vice-governador será um nome escolhido pelo grupo do senador Marcelo Castro, presidente do MDB local”, prossegue.

“No Maranhão, Lula terá o apoio do grupo político do ex-presidente José Sarney, com quem se reuniu em um jantar no dia 19 de agosto em São Luís. A ex-governadora Roseana Sarney vai disputar uma vaga de deputada federal. Lula tenta construir um palanque único no Estado tendo o senador Weverton Rocha (PDT) na cabeça de chapa e o governador Flávio Dino (PSB) concorrendo ao Senado”, aponta ainda o Valor.

“Em Pernambuco, também será reeditada a aliança histórica entre PT e PSB – o objetivo principal é contar com a sigla do governador Paulo Câmara na coligação nacional encabeçada por Lula. Na Bahia, o senador Jaques Wagner (PT) encabeça a chapa estadual e Otto Alencar (PSD) tentará a reeleição ao Senado.”

terça-feira, 31 de agosto de 2021

Lula diz a Flávio Dino que deseja ver PDT, PSB e PT juntos no Maranhão


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador Flávio Dino (PSB) reuniram-se, na semana passada, para tratar de uma agenda política na cidade de Natal.

O encontro ocorreu em um dos intervalos da reunião dos governadores do Consórcio Nordeste, do qual Dino participou.

Na oportunidade, por coincidência, Lula realizava atos de pré-campanha na capital do Rio Grande do Norte.

O petista, de acordo com informações obtidas pelo editor do Blog, confirmou o seu desejo de ter no Maranhão uma aliança entre PT, PSB e PDT – este último, partido do senador Weverton Rocha, pré-candidato ao Palácio dos Leões.

Quando esteve no Maranhão, Lula deu demonstração cristalinas de preferência pelo nome de Weverton como candidato à sucessão de Dino.

Também deixou claro que prefere ter o socialista como senador, apoiando um futuro governo seu a partir de 2023.

Lula, na conversa que teve com Dino, mais uma vez disse ao mesmo que quer vê-lo na Câmara Alta.

E, mais uma vez, externou sua preferência por Weverton, descartando aliança com o PSDB, do vice-governador Carlos Brandão, ou apoio a um projeto de terceira via encabeçado pelo secretário estadual de Educação, Felipe Camarão, recém convertido ao petismo.

Gláucio Ericeira

sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Flávio Dino: Toparia ser vice de Lula em 2022; sou torcedor da 3ª via, mas falta união


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), disse, em entrevista ao UOL News, que seria uma honra ser candidato a vice-presidente na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, “se houvesse uma convergência”.

Ele ainda declarou que é “um torcedor da terceira via”, que, para ele, seria positivo para o Brasil: “Isolaria a barbárie, mas [terceira via] tem dificuldade de união”.

“É difícil que haja um crescimento ao ponto de passar do Bolsonaro, mas já foi mais difícil. Hoje não é impossível, é improvável, mas pode acontecer”, avaliou Dino.

Para ele, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode derreter e não estar no 2º turno das eleições de 2022, enquanto Lula é figura garantida na disputa.

“O Lula não estará fora [do pleito] porque esteve, direta ou indiretamente, protagonizando as eleições de 1989 até 2018, enquanto o Bolsonaro, sim, [pode não ir para o 2º turno], com a inflação, combustível e gás, pode ser que derreta mesmo e outro candidato consiga se firmar”, disse.

sábado, 21 de agosto de 2021

Fufuca passa longe do Maranhão durante visita de Lula


Presidente Nacional do Progressistas, o deputado federal maranhense André Fufuca ficou longe de São Luís durante a visita do ex-presidente Lula à cidade, encerrada nesta sexta-feira (20/8).

A quem o perguntava se estaria na capital maranhense no período, Fufuca respondia que estava “cheio de compromissos” em Brasília e que só pretendia ir a São Luís, onde mora, na segunda-feira (23/8).

O deputado assumiu o comando do Progressistas no início de agosto deste ano, após o então presidente da sigla, senador Ciro Nogueira (PI), ser nomeado ministro da Casa Civil do governo Bolsonaro.

No Maranhão, o Progressistas e Fufuca são aliados de primeira hora do governador do estado, Flávio Dino (PSB), que é adversário ferrenho do presidente Jair Bolsonaro.

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Lula diz a Roseana que quer PT e MDB juntos no Maranhão


O ex-presidente Lula (PT) disse à ex-governadora Roseana Sarney (MDB) que pretende ter PT e MDB no mesmo palanque, tanto na corrida presidencial quanto nas eleições estaduais.

Lula jantou com Roseana e com o também ex-presidente José Sarney – em petit comitè, nesta quinta-feira, 19 – e mostrou-se entusiasmado com os números da ex-governadora nas pesquisas.

Embora tenha reafirmado que ainda não se decidiu a concorrer nas eleições de 2022, Lula frisou que o PT pretende formar a aliança de centro-esquerda que inclua também o MDB, o PDT, o PSB, o PCdoB e o PSOL.

Segundo informações, Lula não se manifestou em momento algum sobre suas preferências nas eleições maranhenses; mas sondou os Sarney sobre “as possibilidades do senador Weverton Rocha (PDT)”.

Ao ouvir, tanto de Roseana quanto de José Sarney que ela não pretende disputar as eleições majoritárias – embora lidere as pesquisas -, Lula reforçou que quer PT e o MDB novamente juntos no mesmo palanque.

E disse ser fundamental que a centro-esquerda se una em todo o Brasil contra “o risco autoritário que representam os candidatos da direita”.

quinta-feira, 19 de agosto de 2021

A difícil equação de Carlos Brandão com PSDB e PT


O vice-governador Carlos Brandão (PSDB) conseguiu estar na agenda do ex-presidente Lula (PT) com o governador Flávio Dino (PSB), em um ambiente absolutamente de esquerda e no qual se mostrou totalmente desambientado.

E para piorar a situação do tucano maranhense, o também ex-presidente Fernando Henrique Cardoso declarou apoio ao governador João Dória (SP) para presidente, no mesmo dia em que Brandão tirava foto com Lula.

Dória foi o responsável por avalizar a volta de Brandão ao PSDB, no mês de março, como garantia de um palanque no estado à sua candidatura presidencial.

Para completar, o próprio Lula deu uma alfinetada no PSDB na manhã desta quinta-feira, 19, na visita ao Hospital São Luís, acusando os tucanos de prejudicar o SUS em seu governo, segundo revelou o blog do jornalista Martin Varão.

No mesmo evento, era possível perceber claramente a intimidade do ex-presidente com o senador Weverton Rocha (PDT), diante de um Brandão pouco à vontade, como mostra o vídeo acima.

A aliança com que sonha o tucano maranhense – e até mesmo alguns petistas empregados no Palácio dos Leões – é, portanto, uma equação de difícil solução.

O que fica evidente pelas próprias imagens deste post….