Mostrando postagens com marcador PSDB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador PSDB. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Brandão articula mudança para o PSB


Frustrado na reunião que deveria decidir por seu nome como candidato único da base, o vice-governador Carlos Brandão deve seguir a orientação do governador Flávio Dino e trocar o PSDB pelo PSB.

A articulação, que deve ser efetivada até o início de janeiro, visa dois objetivos básicos:

1 – livrar-se da pecha de tucano e da tutela do agora candidato a presidente João Dória Júnior, após ter apoiado Eduardo Leite nas prévias;

2 – ampliar as chances de ter aliança com o PT, numa articulação nacional que poria o partido do presidente Lula longe do palanque do senador Weverton Rocha (PDT)

Essa troca do PSDB pelo PSB já havia, inclusive, sido anunciada, em julho, no blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Brandão pode trocar PSDB pelo PSB…”

O problema para Brandão é o destino do PSDB no Maranhão.

Nem ele, nem seu principal apoiador, Flávio Dino, querem perder o ninho tucano no estado, apesar de terem interesse no PT; deixar a legenda acéfala atrairia interesse de adversários, como o próprio Weverton Rocha.

Com sua entrada surpresa no PSDB, Brandão cometeu um erro estratégico, analisado no blog Marco Aurélio D’Eça ainda em março, no post “Brandão ganhou ou perdeu com o PSDB?”

Essa articulação tirou dele dois apoiadores de peso: o deputado federal Cléber Verde, a quem sequer foi comunicada sua saída do Republicanos, e a senadora Eliziane Gama (Cidadania), que vinha cotada para assumir o PSDB no Maranhão.

Agora, o vice-governador tenta consertar o equívoco fazendo novo gesto, dessa vez em direção às esquerdas; tanto que já ate trocou suas cores de campanha do azul e amarelo para o azul e vermelho. 


Com informações do Blog do Marco D`eça

sábado, 16 de outubro de 2021

Carlos Brandão continua sem força no governo de Flávio Dino


Depois do rompimento do deputado federal Josimar do Maranhãozinho com o governador Flávio Dino, o secretário de Estado da Agricultura (Sagrima), Sérgio Delmiro, que foi indicado por Josimar, procurou o vice-governador Carlos Brandão para se manter no cargo. E obteve a garantia.

Para isso, gravou um vídeo de elogios e apoio a Brandão. Seria um gesto de Dino de prestígio ao seu candidato em 2022. Aí veio o que muitos não esperavam e poucos não sabe: Brandão vem sendo refiado aos poucos da preferência do atual governador.

O secretário da Sagrima foi exonerado e em seu lugar a vaga foi entregue ao PT, e passou a ser ocupado pelo suplente de deputado estadual Zé Henrique Sousa, ligado ao pré-candidato a governador Felipe Camarão.

O não atendimento ao pedido de Brandão caiu como uma bomba entre os aliados do atual vice. Além disso, fortalece o projeto de Dino de permanecer até o final do mandato para apoiar o nome de Camarão.

Quem não viver, não verá. É só aguardar!

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

Brandão conversa com Adriano Sarney e quer ter o apoio do PV em 2022


As articulações para a composição de aliança na eleição para o governo do Estado continuam a todo vapor nos bastidores da sucessão e são cada vez mais estreitos os laços que podem unir o PSDB do vice-governador Carlos Brandão ao PV do deputado Adriano Sarney.

Pré-candidato ao governo, Brandão tem dedicado parte de sua agenda para reuniões políticas visando as eleições do ano que vem e tem conversado muito com Adriano, um único reprsentante da família Sarney com mandato, sobre a possibilidade de contar com Partio Verde em seu palanque.

Segundo fonte segura ao blog, o presidente estadual do PV estaria praticamente decidido a abrçar o projeto Brandão 2022, abrindo assim a possibilidade do que restou do chamado grupo Sarney aderir à candidatura do vice, que estará no comando do estado a partir de abril do ano vindouro.

Com a aproximação de Brandão do PV, outro partido que pode ser atraído para uma composição com o vice é o MDB da ex-governadora Roseana Sarney. Ela aguarda apenas o resultado de um estudo qualitativo que está sendo realizado para decidir se será ou não candidata ao governo. Alguns políticos acreditam que ela esteja apenas querendo encontrar um motivo para justificar sua desistência.

A ex-governadora, que lidera nas pesquisas de intenção de voto, conforme fontes que já coversaram com ela sobre o assunto, não demonstra motivação para enfrentar uma disputa majorotária e deverá ser confirmada mesmo com candidata a deputada federal, deixando o MDB livre para compor aliança para o governo.

A proposta de reforma eleitoral (PEC 125/11) aprovada pela Câmara dos Deputados em 17 de agosto e que foi parcialmente aprovada pelo Senado nesta quarta-feira (22) manteve a proibição das coligações partidárias nas eleições proporcionais (deputados federais, estaduais, distritais e vereadores), mas deixou aberto para a eleição majortária.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Braide transforma a Prefeitura em cabide de empregos para aliados derrotados nas eleições


A facilidade de demissão e a ocupação geral de cargos por apadrinhados políticos se transformou em uma triste realidade na gestão do prefeito Eduardo Braide (Podemos).

A máquina pública virou um verdadeiro “cabide de emprego” para abrigar candidatos derrotados nas últimas eleições, em 2020, na folha de pagamento da Prefeitura de São Luís-MA.

A denúncia, publicada no Blog do Domingos Costa, mostra que 42 suplentes de vereadores foram nomeados por Braide. Foi publicado também o nome de todos, quanto cada um ganha e onde estão lotados na prefeitura. Veja aqui.

Foram empregados pessoas de dez partidos políticos: PMN, Podemos, PSDB, PDT, PSC, PSD, DEM, MDB, PSL e PTB.

Vale ressaltar que o presidente estadual do PMN, Fernando Salim Braide, é irmão do prefeito. Nos bastidores comentam que Fernando é pré-candidato a deputado estadual e terá o apoio desses políticos que foram nomeados.

O Ministério Público precisa tomar as medidas cabíveis.

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Roberto Rocha ainda não sabe em qual partido vai se filiar

Senador maranhense mostra dificuldade em encontrar uma nova legenda depois que saiu do ninho tucano; situação complica ainda mais o futuro político no MA


Correram ontem no bastidores políticos mais especulações sobre mudança de partido envolvendo o senador Roberto Rocha. Filho do saudoso governador Luiz Rocha, Roberto já arrumou as malas para sair do PSDB, após perder o comando do partido para o vice-governador Carlos Brandão, em março.

No entanto, cinco meses se passaram e o senador ainda não tem noção onde desembarcará para disputar a reeleição ou buscar novos voos no pleito do próximo ano. Em sua mesa de trabalho, ele analisa os convites, mas sem nenhuma opção capaz de lhe agradar.

O caminho poderá ser o PTB, PP, Patriotas ou até mesmo voltar ao PSDB, caso Brandão venha migrar para o PSB, mas esse é um assunto para nossa próxima abordagem.

sábado, 31 de julho de 2021

Brandão pode se filiar ao PSB


Na semana passada, o blog publicou o post sobre a negativa de Lula do PT do Maranhão coligar-se com o PSDB. ”Tratava-se de uma apuração de bastidores da última conversa do ex-presidente com o governador maranhense sobre a sucessão de 2022, para qual o PT tem preferência em uma aliança com o PDT.

O Palácio dos Leões não desmentiu a declaração atribuída a Lula, mas a reação de bastidores começou a ser operada: segundo também apurou este blog, o vice-governador Carlos Brandão já cogita deixar novamente o PSDB para entrar no PSB, com a anuência do próprio Dino.

“Seria uma forma de convencer Lula a apoiá-lo”, justificaram lideranças do governo ouvidas nesta quinta-feira, 29.

A tese ganhou ainda mais força após conversa de Dino com o ex-ministro José Dirceu, que reafirmou as palavras de Lula e deixou claro a preferência pelo senador Weverton Rocha (PDT), “mais identificado com as lutas do PT”.

sábado, 24 de julho de 2021

Lula diz a Dino que o PT não apoiará o PSDB no MA


Estaria em uma conversa do ex-presidente Lula (PT) com o governador Flávio Dino (PSB), semana passada, as explicações para uma forte pressão midiática de setores do PT e do Palácio dos Leões nos últimos dias.

Desde a segunda-feira, 19, membros do PT empregados no governo e setores da mídia alinhados ao projeto de candidatura do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) vêm tentando construir uma narrativa de apoio do PT ao PSDB no Maranhão.

Essa possibilidade não é cogitada nem por Lula, nem pela cúpula petista.

A conversa de Dino com Lula ocorreu na sexta-feira, 16, e foi tratada nas redes sociais pelo próprio Dino, que minimizou os aspectos políticos do encontro.

Porém, o ex-presidente deixou claro ao governador que a aliança nacional do PT – a se repetir nos estados – é com os partidos da esquerda: PDT, PSB, PCdoB e PSOL, preferencialmente.

– PSDB não! – disse textualmente Lula, fala testificada pelo próprio ex-presidente a pelo menos três interlocutores dele e do governador nos dias que seguiram ao encontro.

O próprio PSDB também rechaça aliança com o PT; e defende uma alternativa a Lula e Bolsonaro, como pregam os governadores João Dória (SP) e Eduardo Leite (RS), pré-candidatos tucanos à presidência.

O apoio do PT à candidatura do vice-governador Carlos Brandão, que é o candidato tucano no estado, vem sendo defendida apenas por petistas que têm cargo no governo Flávio Dino, a exemplo do presidente estadual Augusto Lobato.

Nesta narrativa, eles tentam desqualificar, inclusive, vozes mais autorizadas do PT, como o ex-ministro José Dirceu, que está no Maranhão desde o final de semana passada.

A decisão petista, porém, passa pelo comando nacional, atendendo aos interesses nacionais, e com a posição pessoal do próprio Lula.

Marco Aurélio D'eça

quarta-feira, 14 de julho de 2021

Rubens Júnior, Fábio Macedo e Amanda Gentil a caminho do PSDB

Rubens Júnior, Fábio Macedo e Amanda Gentil de malas prontas para o PSDB

Embora publicamente o deputado federal licenciado e atual secretário de Estado de Articulação Política, Rubens Jr (PCdoB) afirme que tomará a decisão sobre seu futuro partidário apenas mais adiante, fontes asseguram que ele vai se filiar ao PSDB.

Quem também irá para o nino tucano é a jovem Amanda Gentil, filha do prefeito de Caxias, Fábio Gentil (Republicanos). Além deles, o deputado estadual Fábio Macedo (Republicanos) é outro que deve se filiar no PSDB para disputar as eleições 2022.

As tratativas para filiação do trio estão avançadas junto ao presidente estadual da legenda e vice-governador, Carlos Brandão.

Vale destacar que Rubens Pereira, o “Rubão”, por exemplo, é um dos políticos maranhenses mais próximos de Brandão. Já Fábio Gentil é aliado inconteste do vice-governador, assim como a família Macedo.

Rubens Jr, Fábio Macedo, Amanda Gentil entrarão na disputa à Câmara Federal nas eleições do próximo ano.

sábado, 10 de julho de 2021

Dino reforça PSB enquanto PSDB de Brandão permanece nanico


Desde que assumiu a presidência regional do PSB, no fim do mês passado, o governador Flávio Dino vem realizando movimentos com o objetivo de reforçar a legenda para o pleito de 2022, quando o ex-comunista concorrerá ao cargo de Senador.

Já mirando na eleição para prefeito de São Luís, em 2024, Dino filiou ao partido o deputado estadual Duarte Júnior, que disputará uma das 18 vagas para deputado federal.

Na última quinta, o governador comandou ato no qual ingressaram no ninho socialista seis secretários estaduais, quais sejam Jefferson Portela (Segurança Pública), Carlos Lula (Saúde), Rogério Cafeteira (Esporte e Lazer), Marcos Pacheco (Políticas Públicas), Catulé Júnior (Turismo) e Karen Barros (presidente do Procon/Viva).

Com exceção de Portela, que tentará eleger-se para Câmara Federal, os demais deverão concorrer a uma das 42 vagas para Assembleia Legislativa.

Na contramão do agora socialista, o vice-governador Carlos Brandão continua apático e o seu partido, o PSDB, permanece nanico.

Em 2020, presidido pelo senador Roberto Rocha, o tucanato maranhense conseguiu eleger apenas quatro prefeitos, ficando distante de siglas como PDT e PL, que elegeram 42 e 40 gestores municipais, respectivamente.

sábado, 3 de julho de 2021

EXCLUSIVO! Estratégia de Eduardo Leite pode tirar Dória da disputa presidencial


A estratégia adotada pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, de inserir a temática LGBT no discurso político durante entrevista ao jornalista Pedro Bial foi um sucesso, mostra relatório elaborado pelo PSDB. Eduardo Leite disse que é gay e tem orgulho.

Comparando com o desempenho recente do governador de São Paulo João Dória, a avaliação sugere que a abordagem do assunto foi premeditada e se provou um verdadeiro sucesso, ao menos nas redes sociais.

De acordo com o documento, 40,8% das reações contabilizadas foram positivas, 20,01% foram negativas e 39,19% foram consideradas neutras.

O grande ganho, entretanto, foi observado no volume de notícias sobre o gaúcho, que disparou de praticamente zero para mais de 100 em apenas 48h, enquanto Dória se manteve grudado no zero.

Outro aspecto mensurado no relatório avalia o engajamento em notícias e nos perfis dos dois tucanos. Novamente, Leite pulou de praticamente zero para quase 20 mil, enquanto Dória teve pico de 5 mil, mas caiu para pouco mais de 2 mil.

Leite ganhou mais de 100 mil seguidores nas redes sociais e teve retweets e comentários de postagens subindo 7.299,4% e 4.845,6%, respectivamente, nos últimos dois dias.

Se o efeito for duradouro, a estratégia de Leite pode ter sido o sepultamento precoce das pretensões nacionais de João Dória, mas só o tempo irá confirmar ou não a condição do governador gaúcho como novo expoente do PSDB.

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Presidente do PT diz que ideologia aproxima partido de Weverton


Em entrevista a uma emissora de rádio, o presidente municipal do PT, Honorato Fernandes, falou sobre a posição do partido para as eleições estaduais do Maranhão em 2022.

De acordo com ele, a sigla deve se definir entre as pré-candidaturas do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e do senador Weverton (PDT).

Para Honorato, as posições ideológicas do PT aproximam o partido do pedetista, a que classificou como “lulista de carteirinha”

Se depender apenas da ideologia, a escolha do PT deve ser pelo nome de Weverton para o governo do Estado em 2022.

quinta-feira, 22 de abril de 2021

PT pode firmar aliança com PSDB no Maranhão


Vice-líder do governo Flávio Dino, o deputado Zé Inácio Lula afirmou que o PT apoiará o nome que Dino indicar para sucedê-lo.

“Vamos com o candidato que vier a ser apoiado pelo governador”, disse o petista.

Caso o escolhido de Flávio Dino seja o vice-governador Carlos Brandão, do PSDB, petistas e tucanos estariam, em 2022, no mesmo palanque no estado.

Inácio disse que não é o momento dessa discussão. “Falo isso com a posição de defensor da unidade do grupo. Ainda não está no momento de defender candidatura A ou B. O governador Flávio Dino está se dedicando é na construção da unidade”, afirmou o deputado.

Em entrevista ao programa Ponto e Vírgula (Difusora FM), o petista Márcio Jardim, membro da executiva nacional do PT, entende que o partido deve apoiar o senador Weverton Rocha, que, segundo ele, sempre defendeu o ex-presidente Lula e está mais alinhado ao campo da esquerda.

A decisão em torno dessa união no estado teria que ter o aval da direção nacional, tendo em vista a rivalidade nacional do PT com o PSDB.

Com informações do Bolg do John Cutrim

quarta-feira, 21 de abril de 2021

Bruno Covas piora e é diagnosticado com água nos pulmões e abdômen


Bruno Covas (PSDB), prefeito de São Paulo, teve uma piora em seu quadro de saúde. Ele foi diagnosticado com líquido nos pulmões e no abdômen. Ele está internado no Hospital Sírio-Libanês desde 5ª feira (15.abr.2021), quando deu entrada para realizar exames de controle.

De acordo com especialistas, a presença do líquido se deu por causa de uma inflamação provocada pelo câncer que ele enfrenta na região da cárdia, localizada na transição entre o estômago e o esôfago, com metástase em outras áreas do corpo.

A informação é da equipe médica de Covas, coordenada por David Uip, Artur Katz, Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e Roberto Kalil Filho. Os médicos concederam entrevista coletiva na tarde desta 4ª feira (21.abr.2021).

O médico David Uip afirmou que “o prefeito veio fazer uma avaliação rotineira e os exames de imagem mostraram avanço da doença, tanto nos ossos, quanto no fígado. Isso fez com que os oncologistas adotassem uma nova proposta terapêutica” .
“Havia previsão de alta para o início da semana, mas houve este fato novo. A inflamação do tumor causou acúmulo de líquido no abdômen e nos pulmões, entre as pleuras”, disse. A alta médica só deve acontecer depois da retirada dos drenos usados para a remoção do líquido.

Nas redes sociais, em comunicado feito na 3ª (20.abr), Bruno Covas agradeceu o apoio que vem recebendo e disse que “a luta e o trabalho não podem parar”.

“A luta continua e o trabalho não pode parar. O apoio e o carinho que recebo todos os dias me dão cada vez mais força. Seguirei como sempre: de cabeça erguida e cumprindo, junto com minha equipe, nossos compromissos com São Paulo”

sábado, 17 de abril de 2021

Dino descartou pesquisa como ‘critério de escolha’ de candidato em 2022


Não procede a informação disparada por aliados do senador Weverton Rocha (PDT) de que o governador Flávio Dino (PCdoB) teria decidido, na reunião com o pedetista e Brandão, no Palácio dos Leões, que pesquisas seriam realizadas para a definição do candidato do grupo em 2022.

Na verdade o comunista mostrou insatisfação com a antecipação do debate eleitoral, e reafirmou que ele conduzirá o processo.

E sobre a escolha do candidato, o governador usou o exemplo do próprio Rocha – além da também senadora Eliziane Gama (Cidadania) – para expor seu pensamento.

Segundo Dino, se fosse depender de pesquisa um ano antes da eleição, nenhum dos dois teria sido sequer candidato, uma vez que pontuavam bem baixo meses antes do pleito – situação parecida, ainda, com a do ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que tinha menos de 5% quando foi escolhido candidato do grupo em São Luís em 2012.

Ou seja: pelo visto, Flávio Dino há decidiu mesmo seu candidato no ano que vem. E, a jugar pelos recentes sinais, não será Weverton.

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Os prazos de Brandão e os prazos de Weverton


O fim e semana produziu mais uma enxurrada de interpretações das declarações do governador Flávio Dino (PCdoB) sobre seu candidato em 2022.

E mais uma vez os aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) precipitaram-se em ver as afirmações de Dino como uma garantia de que seu candidato será o tucano.

É natural a pressa de Brandão em ter o apoio declarado de Dino; É a partir deste apoio que ele pode construir seu projeto.

Brandão tem até abril de 2022 para negociar com partidos e lideranças políticas sua candidatura; e não há dúvida de que, quanto mais cedo puder anunciar-se como “candidato de Dino”, melhor para ele.

A partir de abril do ano que vem, o vice tera que se virar sozinho para conseguir o maior número de partidos e lideranças em sua campanha.

E so terá dois meses para atrair estas legendas e lideranças.

Só com a chancela dinista, o vice-governador terá condições de atrair partidos e líderes políticos no interior, coisa que o senador Weverton Rocha (PDT), o outro nome do grupo, já faz desde agora.

Por isso o tempo de Weverton e diferente do de Brandão.

Embora também querendo o apoio de Flávio Dino, Weverton se movimenta com estrutura própria, evitando o papel de poste do governador e construindo por si só sua aliança partidária e política.

O pedetista já tem o apoio de seis partidos – PDT, DEM, PSL, PRB, PSB e Cidadania – e pode chegar a 10 até o início da campanha, se confirmar o apoio do PTB, MDB, PP e PT.

Além disso, tem o apoio da senadora Eliziane Gama (Cidadania), dos presidentes da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB), da Camara Municipal, Osmar Filho (PDT), da Famem, Erlanio Xavier (PDT), além de alianças encaminhadas com os prefeitos de Sao Luís, Imperatriz, Timon, Bacabal e Pinheiro.

Weverton quer o apoio de Flávio Dino e deixa publicamente claro o eu desejo.

Mas, diferente de Brandão, pode esperar e lutar por isso até junho do ano que vem, ao mesmo tempo em que constrói suas próprias alianças e monta sua estrutura de campanha.

Quando chegar a época das convenções, caberá a Dino decidir quem apóia, levando em consideração – além da força eleitoral de cada um – também, de que lado estão os 14 partidos que formam a base do seu governo.

E essa decisão influenciará tambem sua própria candidatura ao Senado.

E simples assim…