Mostrando postagens com marcador Roberto Rocha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Roberto Rocha. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

Roberto Rocha diz que Maranhão ficou mais vermelho com Dino


O senador Roberto Rocha voltou a criticar, nas redes sociais, o governador Flávio Dino a quem responsabilizou pelo aumento da pobreza no Maranhão.

Utilizando os dados do IBGE, Roberto rocha lembrou que Maranhão e Piauí disputavam os maiores índices de pobreza no país.

E disparou: “Com Flávio Dino, o Maranhão ficou mais vermelho”.


“É de fato surpreendente a capacidade do governador Flávio Dino de fazer o que parecia impossível. Vocês lembram que o Maranhão e o Piauí disputavam os piores resultados do país? Pois é… taí o resultado da pesquisa do IBGE. Com Flávio Dino, o Maranhão ficou mais vermelho˜, escreveu nas redes sociais.

domingo, 28 de novembro de 2021

Se Rocha entrar no PL, Josimar pode ceder a vaga de candidato a governador


A filiação do presidente Jair Bolsonaro ao PL pode mudar os planos do deputado federal Josimar de Maranhãozinho, que preside o partido no Maranhão, de manter sua candidatura ao Governo do Estado. O “X” da questão está no destino partidário do senador Roberto Rocha. 

Se o senador ingressar também no partido, como está previsto, e resolver disputar o Palácio dos Leões com o aval do presidente da República, é provável que a cúpula nacional do partido desencadeie uma operação no sentido de convencer o chefe do PL a ceder a vaga de candidato a governador a Roberto Rocha. 

Um interlocutor habitual e confiável de Josimar de Maranhãozinho garante que, se tal situação vier a se configurar, a cúpula do PL nada imporá ao parlamentar, devendo resolver a situação na base da conversa. 

Isso porque, segundo essa fonte, Josimar de Maranhãozinho é hoje “homem de confiança” do presidente Waldemar Costa Neto, que não tem nenhum interesse em enfraquecê-lo na sua base. E afirma que Roberto Rocha e Josimar de Maranhãozinho são amigos e estão afinados, o que assegura que, se houver a mudança, ela será negociada, sem prejuízo para o chefe do PL. 

Outra hipótese viável, mas um pouco mais distante, será Roberto Rocha disputar a senatória e Josimar de Maranhãozinho manter sua candidatura aos Leões.

terça-feira, 16 de novembro de 2021

Roberto Rocha articulou para tomar PL de Josimar


Teria partido do senador Roberto Rocha a articulação para que o presidente da República, Jair Bolsonaro, a pedir ao presidente nacional do PL, Waldemar da Costa Neto, a substituição do deputado federal Josimar de Maranhãozinho como presidente da sigla no Maranhão.

As informações foram divulgadas por aliados do parlamentar e nacionalmente pele CNN Brasil.É o que dizem aliados do parlamentar.

Como já é de conhecimento público, Roberto Rocha está sem partido e tem buscado sem sucesso uma legenda. Atualmente ele é conhecido por ser da tropa de choque de Bolsonaro, devido ao afinamento com o presidente da República.

Segundo pessoas ligadas a Josimar de Maranhãozinho, foi devido a essa proximidade que ele tentou um “pulo do gato”, para tomar o partido do deputado e atuar como um coordenador da campanha à reeleição de Bolsonaro no Maranhão.

Mas Costa Neto colocou o "pé na parede" e não aceitou a possibilidade de mudança no comando estadual do PL.

quinta-feira, 11 de novembro de 2021

Bolsonaro no PL de Josimar, atrapalha as pré-candidaturas de Lahesio Bonfim e Roberto Rocha


A provável ida do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para o Partido Liberal deve mexer no tabuleiro eleitoral maranhense e implodir as pré-candidaturas de pelo menos dois bolsonaristas ao Palácio dos Leões em 2022.

São eles: o senador Roberto Rocha (PSDB) e o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim (PTB).

Quem manda no PL no estado é o deputado federal Josimar Maranhãozinho, que já foi da base do governador Flávio Dino (PSB), mas virou oposição no meio do ano e busca se viabilizar como terceira via na disputa pelo comando do Poder Executivo do Estado na eleição do ano que vem.

No caso de Rocha, desde que perdeu o comando do PSDB maranhense para o vice-governador Carlos Brandão, tem dito que aguarda uma definição de Bolsonaro para se filiar ao mesmo partido. Se Bolsonaro confirmar a filiação ao PL, a tendência é de que o senador siga o mesmo caminho, mas desde que entre na legenda como liderado e apoiador da pré-candidatura de Josimar, aliado do manda-chuva nacional do PL, Valdemar Costa Neto.

Já Lahesio, que recentemente deixou o PSL para se filiar ao PTB, tem se colocado na disputa apenas sob a expectativa de ser o escolhido de Bolsonaro no Maranhão, possibilidade que se encerrará instantaneamente caso o presidente se filie ao partido de Josimar Maranhãozinho.

Sob esse novo cenário, a tendência é de que Josimar, que já possui musculatura própria, cresça na preferência do eleitorado bolsonarista no estado, inclusive entre evangélicos.

Com informações do Blog Atual 7

quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Flávio Dino aciona Roberto Rocha por crime de transfobia


O Governo Flávio Dino, por intermédio da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, comandada pelo petista Chico Gonçalves, encaminhou Notícia Fato ao Ministério Público Federal, Defensoria Púbica do Estado do Maranhão e Procuradoria Geral do Estado denunciando o senador Roberto Rocha pelo crime de transfobia.

O auxiliar de Dino acusou o parlamentar de ter agido de maneira intolerante, ofensiva e discriminatória contra o adolescente Alex Brito, mais conhecido como Bota Pó, um joven transsexual de 16 anos, residente no município de Bacabal, que protagonizou recentemente um vídeo promocional do Governo maranhense sobre a plataforma Gonçalves Dias, vinculada à Secretaria de Estado da Educação.

Em uma postagem que fez nas redes sociais, que, inclusive, já foi retirada do ar, Rocha criticou o fato do Governo ter escolhido para estrelar o vídeo um jovem homossexual assumido, fazendo papel de menina, ao invés de ter promovido a imagem de um adolescente que tenha se destacado em alguma área.

“Lamentável essa situação na qual passamos. Nada contra a opção sexual de alguém. Agora querer obrigar a aceitação desta opção de alguns como regra e apologia a prática homossexual isso não dá para aceitar”, comentou o senador.

De acordo com a Notícia Fato, LGBTfobia é uma violação contra os direitos humanos que consiste na intolerância, discriminação, ofensa ou qualquer manifestação de repúdio a população lésbica, bissexuais, gays, transexuais e outros, com finalidade atentatória à sua dignidade. A prática é equiparada ao crime de racismo, segundo a denúncia.

Roberto Rocha, em uma nota também publicada nas suas redes sociais, após excluir a postagem sobre Bota Pó, disse que não teve a intenção de ofender a digital influencer.

Afirmou, ainda, que sua crítica foi direcionada exclusivamente ao Governo, que utilizou recursos públicos para divulgar propaganda que pode influenciar pessoas.

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Deputado do MA vai ao STF saber se é investigado por venda de emendas


O deputado federal Pedro Lucas Fernandes (PTB-MA) ingressou no STF (Supremo Tribunal Federal), na última sexta-feira (15), requerimento de acesso à informações com objetivo de saber se é alvo de procedimentos investigatórios que apuram a suspeita de desvio de emendas parlamentares destinados a municípios do Maranhão.

A resposta foi concedida nessa segunda-feira (18), em decisão proferida pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux.

Segundo Fux, em pesquisa fonética realizada nos sistemas informatizados do Supremo, tanto pelo nome completo quanto o CPF do parlamentar, não foram encontrados processos em tramitação em nome do petebista, exceto a própria petição em que buscou a informação.

Contudo, destaca o ministro na decisão, a pesquisa processual realizada não considerou a busca por processos sigilosos. Por esta razão, Fux determinou o arquivamento do processo.

O pedido de informações de Pedro Lucas ao Supremo foi feito pelo escritório Aragão & Tomaz Advogados Associados, dos sócios Eugênio José Guilherme de Arazão e Willer Tomaz de Souza, na mesma data em que reportagem da revista Crusoé citou o parlamentar entre os investigados em um inquérito sigiloso que corre no STF com objetivo de apurar a suspeita de compra e venda de emendas parlamentares.

Horas antes da decisão de Fux, Pedro Lucas disse que não era investigado, e que a citação ao nome dele pela Crusoé relata a destinação de uma emenda de R$ 4 milhões para Arame que, segundo ele, “ainda não foi nem aprovada na CEF [Caixa Econômica Federal]”. O município é comandado pelo ex-deputado federal Pedro Fernandes, também do PTB e pai de Pedro Lucas.

Sobre o pedido feito ao STF, alegou ter feito para garantir “direito de resposta e outros direitos”, e rebateu a informação de que faça parte do grupo político comandado pelo deputado federal Josimar Maranhãozinho (PL-MA).

De acordo com a Súmula Vinculante 14, procedimentos eventualmente sigilosos têm seu acesso garantido exclusivamente às partes e seus advogados. Na decisão sobre o pedido de Pedro Lucas, porém, Fux destaca que esse acesso ocorre “sempre que inexista prejuízo para a realização de diligências, razão pela qual esta Presidência não detém informação sobre feitos desta natureza”.

O inquérito revelado pela Crusoé segue a mesma linha de outra apuração no Supremo, também sigilosa, revelada no último 8, que envolve pelo menos outros quatro congressistas maranhenses em suposto desvio de valores de emendas parlamentares destinadas a municípios maranhenses, inclusive por congressista de outro reduto eleitora.

Os alvos são: os deputados federais Josimar Maranhãozinho, Pastor Gil (PL-MA) e Hildo Rocha (MDB-MA), além do senador Roberto Rocha (PSDB-MA).

A investigação foi instaurada com base em anotações manuscritas e mensagens em aparelhos celulares apreendidas no bojo da Operação Ágio Final, deflagrada pela PF do Maranhão em dezembro de 2020, com objetivo de desarticular suposto esquema de extorsão contra prefeituras maranhenses que foram beneficiadas com emendas destinadas por diversos congressistas.

A citação aos parlamentares e o fato dos valores discriminados nas anotações serem idênticos aos valores das emendas destinadas não configuram prova do envolvimento deles nos crimes apurados, mas os indícios levaram a PF a investigar a suposta conexão.

Procurados, apenas Roberto Rocha e Hildo Rocha retornaram o contato.

“Eu investigado?? Por quem e por que??? Então estão investigando 81 senadores e 513 deputados. A menos que alguém tenha colocado meu nome em algum desses inquéritos. Eu até imagino quem seja”, respondeu o senador tucano, sem entrar em detalhes a respeito da suspeita apurada pela PF nem sobre quem teria “colocado” o nome dele na apuração.

Já o emedebista, em nota enviada por sua assessoria, ressaltou haver presidido nesta semana audiência pública da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados, na qual teve a participação do ministro da CGU (Controladoria-Geral da União), Wagner Rosário. Durante a apresentação de relatórios de auditorias feitas em convênios e aquisições de equipamentos com recursos federais, Rosário revelou a possibilidade de haver negociatas com emendas parlamentares.

“Segundo ele, a CGU em conjunto com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal estão apurando possíveis irregularidades realizadas com emendas. Entretanto, não foram apontados nomes de investigados”, disse Hildo Rocha.

O Blog apurou que o inquérito foi originalmente instaurado pela Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros da Polícia Federal no Maranhão, quando buscava apurar suposta prática de associação criminosa e tráfico de influência que seriam encabeçadas pelo agiota Josival Cavalcante da Silva, mais conhecido como Pacovan.

No curso das investigações, foi identificada a possível relação dos parlamentares com os delitos apurados, com isso os autos foram remetidos para o STF, em razão do foro por prerrogativa de função dos deputados e do senador da República. A suspeita é de que o grupo tenha recebido até 25% do valor total das emendas destinadas aos municípios maranhenses, como suposto pagamento de propina, mediante comissão de Pacovan, supostamente obtido por meio de contratos com empresas de fachada.

O relator do caso no Supremo é o ministro Ricardo Lewandowski.

Em publicação nas redes sociais, o deputado Josimar Maranhãozinho classificou a suspeita levantada pela PF como perseguição de adversários políticos na disputa de 2022, por estar postulando concorrer ao Palácio dos Leões em oposição ao grupo político controlado pelo governador Flávio Dino (PSB).

“Sinceramente, nem me surpreendo com tamanha perseguição e má fé, por parte de alguns indivíduos. Não são capazes de superarem meus trabalhos e partem para a difamação. Nessa ‘selva", algumas ratazanas se escondem em alcovas de leões. Mas, às vezes, caem em sua própria armadilha”, escreveu.

Por Atual 7

terça-feira, 19 de outubro de 2021

“Filhote de ditador”, diz Roberto Rocha sobre Flávio Dino


O senador maranhense Roberto Rocha, durante o fim de semana, nas redes sociais, voltou a subir o tom das críticas a postura do governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB).

Rocha repudiou a atitude do governador, que durante seu discurso na cidade de Caxias teria ofendido o vice-prefeito do município, Paulo Marinho Júnior. O senador destacou que Dino segue fazendo campanha antecipada.

“O governador Flávio Dino segue fazendo campanha pelo interior do Maranhão ofendendo e agredindo quem não lhe beija a mão. Agora, em Caxias, terra do poeta Gonçalves Dias, desnecessariamente agrediu covardemente o jovem empresário e vice prefeito da cidade, Paulo Marinho Júnior, na sua ausência”, afirmou Roberto Rocha, que já havia lamentado atitude semelhante contra a prefeita de Chapadinha.

O senador disse que Dino seria carreirista e um filhote de ditador. Roberto Rocha ainda disse que o governador não deixará o cargo em abril para disputar o Senado, estaria apenas enganando aliados sobre as eleições de 2022.

“O governador carreirista comunista, filhote de ditador, deveria respeitar pelo menos a história de Caxias, lugar que ele chegou em 2006 de paraquedas. Atualmente, seu projeto é de manutenção de poder. Só isso!! Por isso mesmo está enganando todos os seus “aliados”, porque ficará no governo e não será candidato ao Senado”, disse.

Roberto Rocha ainda classificou Dino de dissimulado e que teria vontade de lhe enfrentar numa disputa pelo Senado. O senador encerrou dizendo que se arrepende de ter ajudado Flávio Dino a chegar ao Palácio dos Leões, nas eleições de 2014, quando ainda eram aliados.

“Eu, pessoalmente, gostaria muito de enfrentar Flávio Dino para o Senado, mas isso não depende de mim. Dependerá das circunstâncias!! Como ele é dissimulado, mais falso que uma nota de 17 reais, não posso me posicionar ainda. Ao governador Flávio Dino, meu desprezo e arrependimento, por ter viabilizado sua candidatura ao governo do Estado em 2014.”, finalizou.

Flávio Dino, como de costume, fez cara de paisagem e não respondeu as duras críticas do senador maranhense.

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Senador diz que Flávio Dino fará com ele o que fez com Josimar de Maranhãozinho


Em entrevista concedida a TV Cidade, nesta segunda-feira, o senador Roberto Rocha (sem partido) afirmou que o governador Flávio Dino (PSB) fará com ele o que fez com o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL).

O parlamentar referiu-se à Operação Maranhão Nostrum, deflagrada na semana passada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público, e que cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do deputado federal, em São Luís.

Josimar, em vários momentos nos quais se pronunciou sobre o ocorrido (reveja e reveja), afirmou ter sido vítima de uma perseguição ordenada por Dino pelo fato de ter rompido politicamente com o governador e sustentar sua pré-candidatura ao Palácio dos Leões.

“Eu sei que o governador, utilizando de sua influência no Judiciário, no Ministério Público, vai querer fazer comigo o que fez agora com o deputado Josimar de Maranhãozinho. Uma investigação de 2015 a 2018, no tempo que ele [Josimar] era deputado estadual. Ele [Josimar] quando foi apoiar Flávio Dino esse processo foi pra uma gaveta no Palácio. Bastou o Josimar dizer que gostaria de ser candidato, se descolou do Governo, ele [Dino] soltou uma operação policial, na casa do Josimar, em São Luís, enquanto ele estava em Brasília. Esperaram ele ir para Brasília para fazer uma violência dessa contra a mulher do Josimar, que é deputada. Pelo fato de ser deputada, jamais um juiz de base poderia dar ordem de invasão na casa dela. Teria que ser obrigatoriamente do Tribunal de Justiça. Mas esse é o Maranhão que a gente vive. Um Maranhão policialesco, que o governador utiliza as forças do Estado, as forças policiais para atender o seu interesse pessoal”, disse.

“Quando é para perseguir um político, ele [Dino] usa a polícia. É claro que vai usar contra mim. Eu só dou um recado pra ele: usa contra mim, viu governador. No dia que você usar contra um filho meu, contra um parente meu, você vai se entender comigo é de homem pra homem, não é de político pra político”, completou.

Flávio Dino ainda não se manifestou sobre as declarações do senador.

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

PF investiga Roberto Rocha, Josimar Maranhãozinho, Pastor Gil e Hildo Rocha em desvio de emendas


A Polícia Federal investiga a suspeita de envolvimento de pelo menos quatro deputados federais e um senador em suposto desvio de valores de emendas parlamentares destinadas a municípios maranhenses, inclusive por congressista de outro reduto eleitoral.

Documentação obtida com exclusividade, mostra que os investigados são os maranhenses Josimar Maranhãozinho (PL-MA), Pastor Gil (PL-MA) e Hildo Rocha (MDB-MA), além do senador Roberto Rocha (PSDB-MA). Embora eleito pelo estado de Sergipe, o deputado federal Bosco Costa (PL) também é alvo da investigação.

Sigiloso, o inquérito foi aberto com base em anotações manuscritas e mensagens em aparelhos celulares apreendidas no bojo da Operação Ágio Final, deflagrada pela PF do Maranhão em dezembro de 2020, com objetivo de desarticular suposto esquema de extorsão contra prefeituras maranhenses que foram beneficiadas com emendas destinadas por diversos congressistas.

A citação aos parlamentares e o fato dos valores discriminados nas anotações serem idênticos aos valores das emendas destinadas não configuram prova do envolvimento deles nos crimes apurados, mas os indícios levaram a PF a investigar a suposta conexão.

Procurados, apenas Roberto Rocha e Hildo Rocha retornaram o contato.

“Eu investigado?? Por quem e por que??? Então estão investigando 81 senadores e 513 deputados. A menos que alguém tenha colocado meu nome em algum desses inquéritos. Eu até imagino quem seja”, respondeu o senador tucano, sem entrar em detalhes a respeito da suspeita apurada pela PF nem sobre quem teria “colocado” o nome dele na apuração.

Já o emedebista, em nota enviada por sua assessoria, ressaltou haver presidido nesta semana audiência pública da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados, na qual teve a participação do ministro da CGU (Controladoria-Geral da União), Wagner Rosário. Durante a apresentação de relatórios de auditorias feitas em convênios e aquisições de equipamentos com recursos federais, Rosário revelou a possibilidade de haver negociatas com emendas parlamentares.

“Segundo ele, a CGU em conjunto com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal estão apurando possíveis irregularidades realizadas com emendas. Entretanto, não foram apontados nomes de investigados”, disse Hildo Rocha.

De acordo com a documentação, o inquérito que apura os fatos foi originalmente instaurado pela Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros da Polícia Federal no Maranhão, quando buscava apurar suposta prática de associação criminosa e tráfico de influência que seriam encabeçadas pelo agiota Josival Cavalcante da Silva. Conhecido como Pacovan, ele dono de postos de gasolina no estado que seriam usados para lavagem de dinheiro.

No curso das investigações, foi identificada a possível relação dos parlamentares com os delitos apurados, e os autos remetidos para o STF (Supremo Tribunal Federal), em razão do foro por prerrogativa de função dos deputados e do senador da República. A suspeita é de que o grupo tenha recebido até 25% do valor total das emendas destinadas aos municípios maranhenses, como suposto pagamento de propina, mediante comissão de Pacovan, supostamente obtido por meio de contratos com empresas de fachada.

O relator do caso no Supremo é o ministro Ricardo Lewandowski.

Em publicação nas redes sociais, o deputado Josimar Maranhãozinho classificou a suspeita levantada pela PF como perseguição de adversários políticos na disputa de 2022, por estar postulando concorrer ao Palácio dos Leões em oposição ao grupo político controlado pelo governador Flávio Dino (PSB).

“Sinceramente, nem me surpreendo com tamanha perseguição e má fé, por parte de alguns indivíduos. Não são capazes de superarem meus trabalhos e partem para a difamação. Nessa ‘selva", algumas ratazanas se escondem em alcovas de leões. Mas, às vezes, caem em sua própria armadilha”, escreveu.






Com informações do Blog Atual 7

domingo, 10 de outubro de 2021

‘Bandido vê bandidagem’, diz Roberto Rocha para Flávio Dino


O senador Roberto Rocha (sem partido) reagiu ao mais novo ataque proferido pelo governador Flávio Dino (PSB).

Nas redes sociais, o chefe do Executivo do Maranhão partiu para cima do parlamentar – e também do deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) – depois de a Petrobras anunciar mais um aumento dos preços da gasolina e do gás de cozinha nas refinarias.

Os dois parlamentares são os que mais cobram do socialista que ele reduza alíquota de ICMS como forma de conter maiores altas dos preços dos combustíveis.

“E os bandidos que dizem que a ‘culpa é dos governadores’? O que dirão ?”, questionou o governador.

Para Rocha, quem vê bandidagem em tudo o que olha é porque é bandido.

“Quando um dentista olha alguém, a primeira coisa que ele vê é o dente, o sapateiro é o sapato, o cabelereiro é o cabelo e o bandido é bandidagem”, rebateu.

sábado, 9 de outubro de 2021

Flávio Dino se pronuncia sobre o aumento do preço dos combustíveis


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), voltou a alfinetar o senador Roberto Rocha (sem partido) e o deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) depois de a Petrobras anunciar mais um aumento dos preços da gasolina e do gás de cozinha nas refinarias.

Os dois parlamentares são os que mais cobram do socialista que ele reduza alíquota de ICMS como forma de conter maiores altas dos preços dos combustíveis.

“E os bandidos que dizem que a ‘culpa é dos governadores’? O que dirão ?”, questionou o governador.

Esta é a segunda vez que Dino se refere aos que o criticam por não mexer no ICMS – ou por aumentar o preco médio de referência para cobrança do tributo – como bandidos.

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Com Dino em queda, Roberto Rocha parte pra cima


A revelação da pesquisa Escutec/O Estado de que o governador Flávio Dino (PSB) está em queda (saiba mais aqui e aqui) parece ter animado o senador Roberto Rocha (sem partido).

Nas redes sociais, o parlamentar tem aumentado o tom contra o socialista.

Abaixo, o mais recente texto de Rocha contra o governador.

Um indício de que ele deve mesmo ser candidato à reeleição, num embate direto contra o próprio Dino.

“De repente o Maranhão tomou um susto. Os dados mostram que 400 mil maranhenses entraram na faixa de extrema pobreza nos primeiros cinco anos do governo Flavio Dino.

Simplesmente um a cada 5 maranhenses vive na total indigência, segundo o IBGE e a ONU;

Cerca de metade da população vive abaixo do limite de um dólar por dia, o pior cenário do Brasil;

Mais de 65% continuam vivendo na informalidade, sem garantias trabalhistas, sem carteira assinada, sem o mínimo de segurança no trabalho;

Sem contar ainda que o Maranhão está entre os três piores estados quando se trata de acesso a saúde com 93% da população dependente da saúde pública;

E a esmagadora maioria não tem saneamento básico.

Então, o que fazer?”.

domingo, 3 de outubro de 2021

Flávio Dino já experimenta riscos para o Senado

Indefinição quanto ao seu candidato ao governo, dificuldade de unificar sua base de apoio e problemas graves em sua gestão – como o “Mais Impostos”, o aumento da miséria e a falência da Caema – acendem luz amarela na campanha do governador, que pode ter dificuldade contra outros candidatos.


Mesmo disputando praticamente sozinho a vaga de senador nas eleições de 2022 – e mesmo após oito anos de mandato de governador, o socialista Flávio Dino enfrenta momento delicado em sua pré-campanha.

Os números da pesquisa Escutec divulgados neste sábado, 2, pelo jornal O EstadoMaranhão mostram que a situação do governador não é das melhores e pode ser claramente ameaçada por outro candidato que consiga uma chapa de peso.

De acordo com a Escutec, Dino tem apenas 44% das intenções de votos em um cenário em que aparecem apenas ele, o senador Roberto Rocha (23%), e o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (7%).

Neste cenário, os indecisos e os que não votam em nenhum destes somam 26%, suficientes para agregar a outros adversários e dificultar ainda mais a vida do socialista.

Essa possibilidade se confirma com o cenário sem Flávio Dino; neste caso, Roberto Rocha vai a 42%, praticamente o mesmo percentual de governador, seguido por Josimar, com 11%, e pelo presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto, com 9%.

Faltando seis meses para deixar o posto, Flávio Dino enfrenta o pior momento do seu mandato, com fracassos retubantes na gestão – a exemplo do aumento da miséria no Maranhão – e problemas estruturais graves, como o aumento de impostos e a falência da Caema.

Somados aos erros políticos estratégicos, a incapacidade de unificar sua base e a insistência em debates nacionais, seus índices para senador correm riscos de minguar.

E é preciso acrescentar que outros nomes ainda nem foram pesquisados nesta disputa, como o a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) e o do presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT).

Marco D'eça

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

Roberto Rocha desafia Flávio Dino a baixar ICMS


“Se sua preocupação fosse o povo maranhense, aceitaria meu desafio e congelaria o ICMS”, alfinetou o senador Roberto Rocha, em uma rede social, respondendo à crítica do governador Flávio Dino, sobre o índice do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no país.

Na avaliação de Rocha, Dino foge da responsabilidade e ataca quem critica o que chamou de ‘(des)governo do Maranhão’. O senador lembrou que, o governador do Espírito Santo, que é do PCdoB, baixou o imposto em seu estado. Rocha disparou que Flávio Dino “apenas terceiriza a culpa e lava suas mãos. Vindo de quem vem, não me surpreende”.

Na postagem, o governador é bem enfático ao afirmar que “já apareceram os bandidos”, apontando o Governo Federal como vilão. Dino continua questionando: “O que dizem da política federal da ‘paridade internacional’ para combustíveis?? Nada. Não querem resolver o problema do povo. Só fazer demagogia e aparecer”.

Cenário nacional

O projeto de lei complementar (PLP) que estabelece alíquota uniforme do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) para combustíveis e lubrificantes, foi enviado ao Congresso em fevereiro.

A proposta do governo diz que o imposto caberá ao estado de destino, ou seja, onde ocorrer o consumo.

Jair Bolsonaro se manifestou, na terça-feira (27), sobre a alta no preço da gasolina e do dólar, afirmando que ‘nada é tão ruim que não possa piorar’ e que não é ‘maldade do governo, mas uma realidade do país’.

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Ministra do STF manda Flávio Dino pagar advogado de Roberto Rocha


A ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), negou seguimento a uma queixa-crime do governador Flávio Dino (PSB) contra o senador Roberto Rocha (PSDB) após o tucano haver repercutido em uma rede social uma notícia do site Diário do Poder em que o chefe do Executivo estadual é apelidado de “governador dos motéis”.

A magistrada acolheu entendimento da PGR (Procuradoria-Geral da República), de que não há “tipicidade penal dos fatos narrados na inicial acusatória”, em razão do fato ter ocorrido sob o âmbito da proteção da imunidade parlamentar do senador maranhense.

Na decisão, Rosa Weber ainda condenou Flávio Dino ao pagamento de R$ 2 mil a título de honorários ao advogado Alex Borralho, que fez a defesa de Roberto Rocha.

A publicação que afetou os brios do governador maranhense foi feita pelo senador no Instagram em fevereiro, sugerindo que Dino estaria construído motéis para os apenados do estado em detrimento de investimentos na saúde e contra a pandemia da Covid-19.

“No auge da 2ª onda da pandemia, o Governador do Estado do Maranhão assina contrato milionário para construir ‘motel’ dentro das penitenciárias!”, escreveu Rocha.

sábado, 21 de agosto de 2021

Roberto Rocha demonstra decepção com o governo Bolsonaro


O senador Roberto Rocha (PSDB-MA), relator da reforma tributária no Senado (PEC 110/19), se irritou em um debate mediado por ele com a participação do ministro Paulo Guedes e do secretário especial da Receita Federal, José Tostes, na nesta sexta-feira (20/8). O debate em questão foi marcado para se discutir uma reforma ampla, desejo da indústria e de vários setores empresariais.

Durante a fala de Tostes, no entanto, o secretário limitou-se a falar sobre os detalhes envolvendo a reforma tributária faseada, que o governo tenta aprovar. Tostes fez comentários sobre a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), projeto que já está na Câmara e que não avançou desde o ano passado, apesar de ter um relator definido. Para Roberto Rocha, a insistência de Tostes em falar sobre o PL da CBS na Câmara é um sinal de que o governo desistiu de fazer uma reforma tributária ampla.

“Lamento muito ter que dizer, mas parece que estamos num faz de conta. Como se vê, o secretário Tostes discutiu o PL que está na Câmara, que cria a CBS. A CBS, em verdade, é uma demonstração de que desistiram da PEC da reforma ampla. Nós estamos tentando levá-la adiante. Percebo que há um bom ambiente no Senado para a aprovação desta matéria”, argumentou.

E continuou: “Uma CBS sem operações, como defende o governo, não pode ser chamado de Imposto sobre Valor Agregado (IVA), porque é absolutamente incompatível com o IVA. E se tiver operações, é flagrantemente inconstitucional porque se choca com o artigo 195 da Constituição Federal. Logo, a CBS para ter eficácia, teria que ser feita por emenda constitucional, que é o que se propõe o debate hoje. O debate de hoje não é para falar sobre o PL da Câmara, é para discutir a PEC 110”, disparou.

O senador afirmou, então, que “claramente” há pouca vontade, por parte do governo, de realizar a discussão de uma reforma ampla, que inclua todos os impostos sobre consumo — que oneram mais as classes mais pobres. O que se vê, segundo ele, é uma tentativa de votar projetos isolados, na Câmara, onde se tem encontrado dificuldades, tanto no caso da CBS quanto no PL 2337/21, que altera o imposto de renda.

“Esse é um desabafo de quem está carregando esse piano quase sozinho durante três anos. E eu aprendi que brigar não é bom, e sabendo que vai perder, é burrice. Então, nós vamos concluir essa sessão hoje e vou convidar outro senador para, daqui em diante, seguir esse trabalho”, disse ele, referindo-se aos debates do tema no Senado.

Relatório final

O senador prometeu apresentar o relatório final, “de forma impreterível, na próxima semana, cumprindo meu papel como relator da PEC 110 aqui no Senado Federal para alterar, de fato, a base de consumo que é onde está a maioria ou quase a totalidade das pessoas mais pobres do país”.

O senador disse, ainda, que os esforços para tentar fazer as pazes com a economia têm se mostrado ser em vão. Rocha trabalha em uma nova versão do seu relatório com a ajuda de tributaristas como Melina Rocha, há alguns meses. Havia conversas com o governo e com a presidência do Senado Federal para colocar a PEC 110 para andar, em vez do modelo faseado proposto pelo Executivo.

Na semana passada, após se encontrar com representantes da indústria, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), chegou a dizer que a vontade da presidência do Senado era dar continuidade ao projeto de reforma ampla. Do Correio Braziliense

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Roberto Rocha ainda não sabe em qual partido vai se filiar

Senador maranhense mostra dificuldade em encontrar uma nova legenda depois que saiu do ninho tucano; situação complica ainda mais o futuro político no MA


Correram ontem no bastidores políticos mais especulações sobre mudança de partido envolvendo o senador Roberto Rocha. Filho do saudoso governador Luiz Rocha, Roberto já arrumou as malas para sair do PSDB, após perder o comando do partido para o vice-governador Carlos Brandão, em março.

No entanto, cinco meses se passaram e o senador ainda não tem noção onde desembarcará para disputar a reeleição ou buscar novos voos no pleito do próximo ano. Em sua mesa de trabalho, ele analisa os convites, mas sem nenhuma opção capaz de lhe agradar.

O caminho poderá ser o PTB, PP, Patriotas ou até mesmo voltar ao PSDB, caso Brandão venha migrar para o PSB, mas esse é um assunto para nossa próxima abordagem.

sexta-feira, 6 de agosto de 2021

Indicação de Roberto Rocha envolvido com pagamentos suspeitos na Codevasf


Reportagem do jornalista Rubens Valente, colunista da UOL traz denúncia que destaca o maranhense Antônio Rosendo Neto Júnior como pivô de pagamentos suspeitos na Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba), onde ocupa cargo de Diretoria da Área de Desenvolvimento e Infraestrutura (AD), indicado para a função pelo seu compadre, senador Roberto Rocha (PSDB).

Natural de Codó, mesma terra da esposa de Roberto Rocha, Antônio Rosendo é uma espécie de “faz tudo” do senador. Antes de assumir a AD da Codevasf em Brasília, ele ocupou outros cargos de destaques também por indicação de seu compadre, como por exemplo, secretário-adjunto na Secretaria de Meio Ambiente do Maranhão e diretor de Negócios do Banco do Nordeste.

De acordo com a reportagem do UOL, Antônio Rosendo contrariou duas decisões dos servidores responsáveis pela fiscalização dos contratos da Codevasf e mandou liberar pagamentos que estavam retidos de dois consórcios de empresas responsáveis por manutenção da infraestrutura da transposição do Rio São Francisco.

Os fiscais da Codevasf tinham determinado a retenção, tecnicamente chamada de “glosa”, de uma série de pagamentos solicitados pelas empreiteiras de 2020 a 2021. A fiscalização detectou uma discrepância entre os valores dos salários registrados pelas empresas na folha de pessoal e o que estava previsto em cláusula nos contratos. Os fiscais apontaram “pagamento de salário abaixo da planilha orçamentária final”.

A glosa, uma medida adotada pela fiscalização de contratos da Codevasf, é uma forma de garantir um certo nível salarial dos operários, engenheiros e outros funcionários das empresas contratadas pela companhia.

As glosas foram determinadas pelos fiscais e coordenadores dos contratos mantidos pela Codevasf com os consórcios TEQ (formado pelas empresas Techne, Engevix e Quanta), referentes aos meses de julho de 2020 a abril de 2021, e COP (Manga/Vector/JPW), de agosto de 2020 a março de 2021. Os fiscais bloquearam cerca de R$ 2 milhões do consórcio COP e cerca de R$ 200 mil do TEQ.

Para continuar lendo sobre o caso clique AQUI

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Polarização entre esquerda e direita enterra Brandão


Os dados da pesquisa Econométrica para o governo do Estado divulgada ontem, pelo programa Ponto e Vírgula, da Rádio 92 FM, demonstram que a eleição no Maranhão vai seguir o caminho de polarização entre a esquerda e o bolsonarismo que deve marcar o pleito nacional.

Em primeiro lugar – sem contar a ex-governadora Roseana que não deve disputar a vaga para o Palácio dos Leões –, o senador Weverton (PDT), que tem o apoio de Lula, começa a polarizar a disputa com seu companheiro de Senado Roberto Rocha (sem partido), o candidato do bolsonarismo no Maranhão.

Em terceiro lugar aparece o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Júnior (sem partido), que também deve ter apoio da ala bolsonarista para o pleito.

Com isso, Weverton é o único candidato da esquerda com chances reais de vitória nas eleições do ano que vem.

Com esse cenário cristalizado pelas últimas pesquisas, quem deve ficar pelo caminho é o vice-governador Carlos Brandão (PSDB). A polarização entre a esquerda e o bolsonarismo enterra as pretensões do tucano, que deverá ser apoiado pelo governador de São Paulo João Dória (PSDB).

Dória até tenta se vender como um candidato competitivo e uma alternativa à Lula e Bolsonaro, mas, pelo menos no Maranhão, as pesquisas demonstram que ele é inexistente. O que atrapalha o seu candidato no estado.

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Econométrica: Roseana 24,6%, Weverton 19,9%, Edivaldo 10,8%; Veja os números


A Pesquisa Econométrica, divulgada pelo programa Ponto e Vírgula, nesta quinta-feira (29), a qual o blog teve acesso, mostra a liderança de Roseana Sarney para o Governo do Maranhão. No cenário estimulado, ela pontua com 24,6%, seguida do senador Weverton Rocha, que tem 19,9%. O ex-prefeito Edivaldo Jr. é o terceiro com 10,8%. Em quarto lugar está o senador Roberto Rocha, com 10,1%. 

O vice-governador Carlos Brandão alcança 10%. O prefeito Dr. Lahesio Bonfim tem 8,3%, o deputado Josimar Maranhaozinho 4,5% e o secretário Simplício Araújo 1%. Nenhum/Branco/Nulo somou 4,1% e Não sabe/Não Respondeu 6,7%.



Rejeição
A maior rejeição é da ex-governadora Roseana Sarney. 42,8% dos entrevistados disseram que não votariam de jeito nenhum nela. Em seguida vem o deputado Josimar Maranhaozinho, que tem 34,2% de rejeição.


Aprovação
Pesquisa do instituto Econométrica mostra que o governo Flávio Dino é aprovado por ampla maioria dos maranhenses.

De acordo com o levantamento, 74,4% dos entrevistados disseram aprovar o governo Flávio Dino. Enquanto 24,3% disseram não aprovar o governador. Não sabe somou 1,3%.

Em relação a gestão do governador no combate à pandemia de Covid-19, 15,5% dos entrevistados disseram que é ótima, 40,3% classificaram como boa. 31,3% acham regular. 7,6% consideram ruim e 4,3% disseram ser péssima. ‘Não sabe/não respondeu somou 1,1%’.


Cenários Weverton x Roberto Rocha/Weverton x Edivaldo



Disputa presidencial
O instituto Econométrica também avaliou a disputa presidencial no Maranhão. Lula lidera com 59,5%, enquanto Bolsonaro tem apenas 23,4%. Ciro Gomes soma 6,5%, Sérgio Moro aparece com 1,3%, João Dória com 1,2% e Mandetta apenas 0,7%.

‘Nenhum/BrandoNulo’ somou 3,6% e ‘não sabe/não respondeu’ 3,9%.

O mais rejeitado é o presidente Bolsonaro, com 68,5%. João Doria tem 28,5% de rejeição, Lula 27,8%, Ciro Gomes 25,6%, Moro 23,5%, Mandetta 14,3%.

Contratada pelo Programa Ponto e Vírgula, a pesquisa ouviu 1.616 pessoas, entre 22 e 25 de julho, com margem de erro de 2,4 pontos percentuais, para mais ou para menos, e nível de confiabilidade de 95%.