Mostrando postagens com marcador Senado. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Senado. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Fracasso no combate à miséria, Flávio Dino quer evitar falar o tema na campanha


Dono da campanha do governador-tampão Carlos Brandão (PSB) e candidato a senador, o ex-governador Flávio Dino (PSB) que jogar para debaixo do tapete o debate sobre a miséria do Maranhão.

Fracassado no combate à pobreza, Dino tenta nacionalizar a campanha para evitar que o assunto fome seja tratado na campanha; para isso, conta com a ajuda do poderoso Grupo Mirante, a quem tem feito gestos desde que deixou.

Foi exatamente na Mirante que Flávio Dino desmentiu a si mesmo, negando, em 2018, que havia prometido, no palanque de posse, varrer a miséria do Maranhão.

Os índices sociais do estado, porém, são os priores da história, após quase oito anos de mandato do comuno-socialista.

Por isso, ele prefere evitar o assunto; e acha que se a Mirante não falar disto, o maranhense não saberá.

Ocorre que na era das redes sociais, a população tem informação para além das redes de TVs e rádio; a internet, por mais precária que seja, chega a todos os lugares.

E um fato Flávio Dino não pode negar: a miséria no maranhão piorou em seu governo.

Com informações do Blog do Marco D'eça

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Roberto Rocha demonstra habilidade e impõem dura derrota a Flávio Dino


O ex-governador Flávio Dino tinha um sonho: disputar o Senado Federal no pleito de outubro sendo o único postulante de uma ampla frente de concorrentes ao Governo do Estado. Isso garantiria ao ególatra comuno-socialista um voo tranquilo para seu projeto personalista: se eleger senador, depois se tornar ministro em um eventual Governo Lula e, por fim, ser indicado a uma das vagas que se abrirão no STF.

Porém, a postura desagregadora – do próprio e das principais figuras que o cercam – terminaram por transformar o sonho em pesadelo. Um a um, aliados importantes foram cerceados e obrigados a bater em retirada, simplesmente por não dizerem “amém” a tudo aquilo que era imposto por Dino.

Agora, veio o golpe de misericórdia: em coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (2), com a presença de representantes das pré-candidaturas ao Palácio dos Leões de Edivaldo Holanda Júnior (PSD), Josimar de Maranhãozinho (PL), Lahesio Bonfim (PSC) e Weverton (PDT), além de partidos que orbitam em torno destas, como Republicanos, Agir36 e PROS, Roberto Rocha (PTB) anunciou que disputará a reeleição ao Senado Federal.

Além disso, veio o anúncio do apoio da ampla frente citada acima. Em paralelo ao projeto estadual de cada um, estas forças políticas de diferentes grandezas se unem em torno de uma candidatura única ao Senado Federal. Uma derrota que será difícil de digerir para quem possui uma realeza inteira na barriga.

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Flávio Dino não será apoiado pelo grupo de Weverton para o Senado

Em entrevista, nesta sexta-feira (29), ao podcast “Sai da Lama”, apresentado pelo jornalista Jonas Filho, da cidade de Caxias-MA, o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato a governador do Maranhão, descartou qualquer apoio do seu grupo à candidatura do ex-governador Flavio Dino (PSB) a senador.

“Uma coisa o nosso grupo já tomou a decisão política. Nós não vamos votar no Flávio Dino depois de tudo que ele e a forma agressiva, dura, difícil e tudo que vocês viram e não precisa eu falar!”, disse o senador Weverton.

Segundo o senador, seu grupo político tem até as convenções para escolher qual nome irá apoiar como candidato ao Senado.

Desde o anúncio de Carlos Brandão como escolha pessoal de Flavio Dino para ser candidato a governador, Weverton Rocha mantinha postura de simpatia à candidatura de Dino, seu agora ex-aliado. Entretanto, os mais atentos observadores da cena política já esperavam que em algum momento Weverton e seu grupo fariam a declaração de descarte do apoio ao nome de Flávio, em razão do clima hostil patrocinado pelo grupo em torno do ex-governador ao senador.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

Flávio Dino não tem nem a metade da preferência para o Senado


“Governador mais bem avaliado do Brasil” e “o que mais cumpriu promessas de campanha”, Flávio Dino (PSB) não conseguiu, até agora, cativar a preferência de metade do eleitorado maranhense na disputa pelo Senado Federal.

E quem apontou isso foi a pesquisa da Escutec divulgada na terça-feira, 22, que mostra o comuno-socialista com 47% das intenções de voto. Nesse cenário estimulado, em que são apontados os nomes dos pré-candidatos, Dino é seguido pelo senador Roberto Rocha (PSDB), com 23% das intenções de voto, e pelo deputado Othelino Neto (PCdoB), que tem 9% das intenções.

Na pesquisa do Instituto Data ilha, divulgada no dia 15 deste mês, Flávio Dino obteve 46,2% das intenções de votos em um cenário onde ele disputa a vaga no Senado apenas contra o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahésio Bonfim, que teve 20,3% de preferência.

Já na disputa somente entre Dino e o atual senador Roberto Rocha, o governador ficou com 46% das intenções de voto, enquanto que o tucano, mesmo sendo insuflado pelo próprio governo a concorrer ao Palácio dos Leões e não tentar uma reeleição ao cargo, obteve 30% das intenções de voto.

Por diversas vez, o governador teve o ego inflado por levantamentos que mostravam que a sua aprovação no comando do Palácio dos Leões beirava os 70%. Mas nada disso foi suficiente para convencer o eleitorado de que Dino merece ser premiado com a cadeira de Roberto Rocha na Câmara Alta.

Com informações do Blog do Marrapá

quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

Dino pode ter Dilma Rousseff como suplente em sua chapa ao Senado


Começa a ganhar força nos bastidores políticos a possibilidade real da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) vir a ser 1ª suplente na chapa a ser encabeçada pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), para as eleições de outubro. Como Dino pode vir a ser ministro, num eventual novo governo Lula, Dilma assumiria o mandato de bandeja na Câmara Alta.

Na última segunda-feira, 24, Dino esteve reunido com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e a própria ex-presidente Dilma para discutir "cenários políticos".

Vale lembrar que na eleição passada, Dilma trocou o domicílio eleitoral do Rio Grande do Sul para Minas Gerais, quase chegou a mudar também para o Ceará e ainda recebeu convite para se domiciliar no Maranhão.

Não está descartada a possibilidade do convite de Dino para ter a ex-presidente como suplente para uma nova legislatura no Congresso Nacional, a partir de 2023.

A transferência de domicílio eleitoral deve ocorrer num prazo de até seis meses antes da data das eleições, que este ano acontecerá no dia 2 de outubro. 

domingo, 23 de janeiro de 2022

Após humilhar Dória, Flávio Dino manobra para ter PSDB


Em novembro de 2021 o governador Flávio Dino (PSB) operou para impedir que João Dória viesse ao Maranhão fazer campanha para as prévias do seu partido, o PSDB. Ocorre que mesmo assim, o comunista opera para colocar um calo de tróia na direção do partido que assegure a legenda em seu palanque nas eleições deste ano.

Durante as prévias do PSDB, disputadas pelos governadores João Dória e Eduardo Leite, o tucano paulista foi impedido de fazer campanha no Maranhão. Com a logística estar pronta para fazer campanha no estado, Dória foi avisado pelo vice-governador Carlos Brandão (na época líder da legenda no estado) que não poderia recebê-lo e que sua viagem seria fadada ao fracasso. Com toda a logística pronta, a equipe de Dória foi obrigada a desistir do evento. Toda a situação aconteceu a mando de Flávio Dino, desafeto de João Dória.

Poucos dias trás o ex-presidiário Lula comunicou que a permanência de Brandão no PSDB impossibilitaria oi apoio do PT a uma chapa encabeçada por ele. Com a estratégia, Flávio Dino articula a migração do vice do PSDB para o seu partido, o PSB. Com isso a aliança com o PT seria mantida.

Dessa forma, o PSDB ficaria livre do julgo de Brandão e poderia deixar de orbitar a lista de legendas de aluguel do governador. Ocorre que a manutenção do controle da legenda ainda é pretendida por Flávio Dino. Aí que entra em cena ex-prefeito de Imperatriz. Sebastião Madeira postula o cargo de líder na legenda e apresenta o currículo de tempos jurássicos como atestado de competência.

Acontece que hoje em dia o ex-prefeito é apaniguado do governo de Flávio Dino (o mesmo que escorraçou João Dória, candidato do partido à Presidência, do Maranhão semanas atrás). Madeira ocupa o cargo de presidente da Companhia Maranhense de Gás (GASMAR).

Sua condução ao cargo de presidente da legenda seria uma vitória para Flávio Dino que, após humilhar João Dória, teria a legenda do desafeto ajudando no seu projeto de eleição para o Senado.

Resta saber se o PSDB já atingiu um nível de decadência tão grande nacionalmente que permitirá até a inimigos o controle de suas executivas estaduais.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

Com Weverton e Eliziane, Maranhão passou a saber de fato o que é ter senadores


O senador Roberto Rocha (PSDB) já está no seu último ano de mandato e não mostrou mesmo a que veio na Câmara alta. Rocha foi eleito senador pelo Maranhão nas eleições de 2014, pelo PSB, na chapa do governador Flávio Dino, prometendo que os maranhenses iriam saber para que serve um senador. Uma promessa que não se cumpriu. Uma produção abaixo da crítica e se perguntar a qualquer maranhense sobre alguma ação do ainda tucano, ninguém saberá responder.

Ao contrário dele, os senadores Weverton (PDT) e Eliziane (Cidadania), eleitos em 2018, fizeram com que o Maranhão finalmente soubesse que existe representantes no senado.

Em menos de 3 anos, Weverton já fez quase 100 propostas de Emenda à Constituição (PEC), quase 300 requerimentos e quase 60 projetos de lei (PL), além de outras proposições. Graças à aprovação do seu projeto, hoje milhares de famílias não podem mais ter sua energia elétrica cortadas às sextas-feiras e em vésperas de feriado.

Além disso, já destinou inúmeras emendas parlamentares para os municípios maranhenses, em destaque para a Saúde, garantiu unidades do Hospital do Amor, destinou equipamentos para os conselhos tutelares de dezenas de cidades do Maranhão possam dar assistência às crianças e adolescentes e acompanha in loco os problemas do estado, como no caso das enchentes em Imperatriz mais recentemente.

A atuação política de Weverton também é destaque. Ele foi líder da bancada do PDT no Senado e participa de inúmeras comissões, incluindo, a mais importante: de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Já a senadora Eliziane propôs 101 PEC’s, 31 projetos de lei, mais de 330 requerimentos, além de outras proposições.

Ela participa de inúmeras comissões, entre elas, a de Constituição, Justiça e Cidadania, Frente Parlamentar da Covid-19 e a CPMI das FakeNews.

A atuação de Elizane na CPI da Covid deu a ela grande destaque nacional, mudando os rumos daquela comissão.

Com informações do Blog do Clodoaldo Corrêa


quarta-feira, 10 de novembro de 2021

Flávio Dino é o segundo candidato a senador mais rejeitado, conforme pesquisa Econométrica


São cada vez mais reais as chances do governador Flávio Dino não sair candidato ao Senado Federal. Por um simples motivo: ele vem derretendo cada vez mais nas pesquisas e assim que sair do trono para se desincompatibilizar do cargo, a queda vai ser bruta.

Pesquisa Escutec feita em outubro, apontou que Dino só vem caindo tipo o Vasco da Gama. Em julho do ano passado chegou a ter mais de 70%, liderando com ampla vantagem. Já em novembro baixou para 60% e em março deste ano ficou com 51% e em outubro despencou para 44%.

O Instituto Econométrica comprovou a queda do governador e o apontou no seu recente levantamento que ele figura como o segundo candidato ao Senado mais rejeitado pelo eleitorado maranhense. A pesquisa foi realizada entre os dias 3 a 6 de novembro.

Ainda assim, Dino continua liderando, mas vendo pelo retrovisor o senador Roberto Rocha, que foi quem mais cresceu nas últimas pesquisas dos dois institutos. Confira abaixo o cenário pesquisado pela Econométrica:


Com informações do Blog do Luís Cardoso


terça-feira, 26 de outubro de 2021

Disputa pelo Senado deve ser acirrada


O cenário dos sonhos de Flávio Dino de ser candidato único ao Senado Federal se desfaz à medida que o debate pré-eleitoral se intensifica.

Hoje, meia dúzia de nomes avaliam concorrer à cadeira ocupada atualmente pelo senador Roberto Rocha. Isso sem considerar o próprio ‘Asa de Avião’, que tem legitimidade para optar pela reeleição.

Segundo colocado das pesquisas no confronto direto com o mandatário do Palácio dos Leões, Roberto teme o vexame eleitoral de 2018 e aguarda as definições eleitorais do governador para se colocar ou não como postulante à reeleição.

Outro que se coloca à disposição para a disputa é o petista Paulo Romão, que encontrou na pré-candidatura de Felipe Camarão a governador a chance de percorrer o interior do estado e defender dentro do PT o debate da construção de uma ‘chapa pura’ para a sucessão majoritária do ano que vem.

No PSD, de Edilázio Junior, o pré-candidato é o ex-prefeito de Arari, Djalma Melo. Contudo, há quem veja em Edivaldo Holanda Junior, ex-prefeito de São Luís, o candidato ideal para ‘bater’ Flávio Dino na disputa de senador.

A depender da conjuntura, a ex-senadora Roseana Sarney, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho, o prefeito Erlanio Xavier, o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto, e o ex-governador José Reinaldo Tavares também são considerados ‘players’ da corrida senatorial.

Todos aguardando ansiosamente pelo resultado da reunião que escolherá entre o vice Carlos Brandão, o senador Weverton Rocha e o secretário Simplício Araújo o pré-candidato ao governo a ser apoiado por Dino e toda a base em 2022.

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Roseana e as contradições em apoiar Flávio Dino para o Senado


O MDB, com anuência de Roseana Sarney, pode vir a apoiar Flávio Dino para o Senado. A afirmação soa contraditória e até confusa, mas veio do deputado estadual e vice-presidente da legenda no Maranhão, Roberto Costa. A fala foi dada em entrevista à rádio local, na quarta-feira. Em tom apaziguador, Costa falou, várias vezes, em “diálogo com todas as correntes partidárias”, inclusive com adversários declarados, a exemplo do governador Flávio Dino. Um tom ameno e pouco comum na política, considerando o cenário, que o deputado estadual atribuiu a um “amadurecimento do MDB”.

Segundo Costa, essa possibilidade de o MDB aliar-se à Dino vem da própria conjuntura estadual da política. Os quatro principais pré-candidatos ao Governo são ligados a Flávio Dino e têm alguma relação com o MDB ou com o próprio Roberto Costa. Felipe Camarão, por exemplo, é amigo particular de Costa e foi secretário no governo Roseana; o vice-governador Carlos Brandão já foi do MDB; e por fim, Weverton Rocha e Edivaldo Holanda Junior, que ele classificou com o “nomes do diálogo” e aos quais teceu largos elogios pelos “avanços na política”.

Outra questão é o fato de, talvez, o MDB não lançar candidatura própria ao Senado. “Então, porque não conversar com o governador Flávio Dino, se os principais candidatos são ligados a ele? Por isso, defendo uma discussão muito mais ampla, com ele. Ele é parte do processo político”, frisou.

Ainda na linha do amadurecimento do partido, Roberto Costa afirmou que “ela também [Roseana] já descartou essa possibilidade de ser senadora, então, não teremos candidatura interna, por isso, sou a favor de defender o nome de Flávio Dino. Inclusive, sinto esse amadurecimento da própria ‘governadora’ Roseana, em discutir esse processo político de 2022 com Flávio Dino. Sinto que o partido está amadurecido para isso”.

E foi mais além, afirmando, no tom de paz que reina no MDB, que “não há sentimento de ódio que impeça um diálogo com o governador Flávio Dino ao Senado”. Deve ser a sequela da pandemia…

Na contramão do discurso paz e amor de Roberto Costa, hoje, em sua conta no Twitter, a ex-governadora Roseana Sarney, utilizando pesquisa do IBGE com tabelinha e tudo, criticou o governo Dino, lembrando a situação de extrema pobreza do Maranhão. “Volto ao tema da Extrema Pobreza com novos dados extraídos da PNAD/IBGE, incluindo o período 2012/2014, além do período 2015/2019, já publicado. Os números mostram queda acentuada no primeiro (pouco mais de 200 mil) e aumento significativo no segundo (mais 400 mil)”, escreveu.

Parece que o ‘clima de união’ só existe na cabeça de Roberto Costa.




Com informações do Blog Marrapá

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Com Dino em queda, Roberto Rocha parte pra cima


A revelação da pesquisa Escutec/O Estado de que o governador Flávio Dino (PSB) está em queda (saiba mais aqui e aqui) parece ter animado o senador Roberto Rocha (sem partido).

Nas redes sociais, o parlamentar tem aumentado o tom contra o socialista.

Abaixo, o mais recente texto de Rocha contra o governador.

Um indício de que ele deve mesmo ser candidato à reeleição, num embate direto contra o próprio Dino.

“De repente o Maranhão tomou um susto. Os dados mostram que 400 mil maranhenses entraram na faixa de extrema pobreza nos primeiros cinco anos do governo Flavio Dino.

Simplesmente um a cada 5 maranhenses vive na total indigência, segundo o IBGE e a ONU;

Cerca de metade da população vive abaixo do limite de um dólar por dia, o pior cenário do Brasil;

Mais de 65% continuam vivendo na informalidade, sem garantias trabalhistas, sem carteira assinada, sem o mínimo de segurança no trabalho;

Sem contar ainda que o Maranhão está entre os três piores estados quando se trata de acesso a saúde com 93% da população dependente da saúde pública;

E a esmagadora maioria não tem saneamento básico.

Então, o que fazer?”.

terça-feira, 5 de outubro de 2021

Rejeição de Flávio Dino para o Senado cresce, diz pesquisa


É de 21% o índice de rejeição do governador Flávio Dino, para a eleição ao Senado. O psdebista fica atrás apenas de Josimar de Maranhãozinho, que teve 25% de rejeição do eleitorado. Ou seja, uma diferença pífia, se comparado o aparato que o governador do Maranhão possui, para marcar seu nome na mente do eleitor. Os números são da Escutec, que realizou terceira pesquisa sobre o cenário para as eleições 2022 no Maranhão.

No ranking da rejeição, segundo a pesquisa, vêm ainda Roberto Rocha, que alcançou 11% e Othelino Neto, 8%. Concorrendo com a ex-governadora Roseana Sarney no quesito, Flávio Dino, que poderia estar a largos passos distante, só consegue empatar. Os dois ficam com 8%. Seguem Roberto Rocha (6%) e Weverton Rocha e Josimar de Maranhãozinho, 1% cada.

Os números mostram que, apesar do que está sendo mostrado ao eleitor, Flávio Dino não é o preferido absoluto para estas eleições e tem que ficar atento a nomes que parecem não ter força. A cabeça do eleitor mudou e as novas e amplas ferramentas têm ajudado a forma os conceitos e moldar opiniões. O que hoje é, pode não ser amanhã.

A pesquisa Escutec ouviu 1,4 mil eleitores nos dias 23 a 30 de setembro. O intervalo de confiança é de 90% e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Erlanio Xavier é cotado para disputar o Senado pelo PDT


O nome do prefeito de Igarapé Grande e presidente da Federação dos Municípios Maranhenses (Famem), Erlanio Xavier (PDT), vem ganhando força, nos municípios, como um possível pré-candidato ao Senado Federal em 2022.

Municipalista, bem articulado com os prefeitos maranhenses, com bom trânsito em Brasília pelas causas dos gestores municipais e agregador, Erlanio Xavier vem sendo incentivado por diversos setores a entrar na disputa.

A possibilidade vem ganhando força diante das recentes movimentações do cenário político. Na carta assinada pelas lideranças do grupo governista em julho último, todos acordaram que o pré-candidato de consenso seria o governador Flávio Dino, mas, se houver uma divisão, Erlanio é a “carta na manga” e o nome forte do partido para a disputa pelo Senado.

Não está descartada também a possibilidade do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) vir para a chapa do senador Weverton Rocha como pré-candidato a senador, diante das últimas movimentações de bastidores.

É, parece que um novo “tsunami político” está em curso.

Silvia Tereza

sábado, 11 de setembro de 2021

Josimar articula chapa com Edivaldo para o Senado


Não é segredo para ninguém que o deputado federal Josimar (PL) percorre o Maranhão apresentando-se como pré-candidato ao governo do estado. O peelista tenta se viabilizar e emplacar uma parceria que lhe dê possibilidades de chegar ao segundo turno e, inclusive, com chances de vencer a disputa eleitoral de 2022.

Encostado na parede, Bolsonaro não esquece as eleições nos estados e conversa sobre alianças com aliados. No tiroteio contra os outros poderes, o presidente olha para o mapa do Maranhão e aposta numa vitória de adversários do governador Flávio Dino (PSB) nas eleições do próximo ano. Ele estimula a montagem de um palanque com Josimar e Edivaldo Júnior para revolucionar o processo político no Estado.

O encontro de prefeitos realizado pelo Diretório Estadual do PL, partido com uma das maiores bancadas no Congresso e importantes ministérios no Governo Federal, teria animado o presidente, que aposta num acordo entre os dois políticos maranhenses. O ex-prefeito ludovicense tem força na capital maranhense enquanto o deputado federal hoje conta com um apoio de pelo menos 56 prefeitos.

Com a entrada do Planalto no pleito, a eleição de 2022 poderia se transformar numa disputa das máquinas: estadual versus federal. Quem não tem curtido essa movimentação é o senador Weverton Rocha (PDT), mas esse é um tema para nossa próxima abordagem.

Isaías Rocha

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

O jogo mudou: Flávio Dino terá fortes concorrentes para o Senado


Acabou-se o que era doce. A situação cômoda na disputa ao Senado Federal em 2022 começa a virar pesadelo. Duas fortes pré-candidaturas estão prestes a aparecer no cenário político maranhense.

Do lado do senador Weverton Rocha, o primeiro colocado na pesquisas, considerando que Roseana Sarney deve mesmo disputar a eleição para a Câmara Federal, já existe uma movimentação para lançar o nome do presidente da Famem, Erlânio Xavier, na disputa a uma vaga de senador.

O grupo que segue Rocha tem mais de 70 prefeitos, a maioria dos deputados federais, estaduais, vice-prefeitos, vereadores e dois senadores, incluindo Eliziane Gama. Uma força capaz de jogar por terras o plano de Dino, tão logo ele deixe o cargo de governador em janeiro e anuncie seu apoio ao vice Carlos Brandão.

Do outro lado outro grupo não menos poderoso liderado pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho, com 60 prefeitos, bom número de deputado estaduais, federais, vice-prefeitos, ex-prefeitos e vereadores. Com certeza o bloco de Josimar já entrará no carnaval com um nome ao Senado, diminuindo as forças do governador de plantão.

O senador Roberto Rocha é hoje o maior adversário do governo estadual e deve sair candidato ao Governo do Estado, sem descartar a possibilidade de também chegar em 2022 optando mesmo como postulante ao Senado, o que vai piorar a vida de Flávio Dino.

Um documento assinado por líderes de partidos, espertamente elaborado por Dino no Palácio dos Leões, consiste no apoio a ele como candidato único ao Senado, mas já foi jogado aos ventos, caindo e sumindo nas águas da baia de São Marcos.

A briga será feia e promete. O que mostra a inabilidade política de Flávio Dino na condução da sua própria sucessão.

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

Márcio Jerry de olho na suplência de Flávio Dino

O secretário estadual de Cidades e deputado federal, Márcio Jerry (PCdoB), que já fez anunciar, em todos os cantos, sua pretensão de concorrer à reeleição, vem se movimentando, nos bastidores do Palácio dos Leões, para se efetivar na primeira suplência de senador, caso o governador Flávio Dino (PSB) saia mesmo para disputar uma vaga no Senado em 2022.

Há rumores de que um dos planos do governador seria, após quatro anos, fazer de Márcio Jerry um senador, retornando para o governo do Maranhão, uma vez eleito para mais um mandato, ou disputando e vencendo a Presidência da República, abrindo assim o caminho no Senado para o deputado federal e secretário preferido. Neste caso, o candidato dinista teria que ser o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), que só poderá ficar, no comando do Palácio dos Leões, por um mandato, pois vai assumir o governo, no ano que vem, e já concorreria à reeleição.

Márcio Jerry é hoje o secretário mais forte e o conselheiro número 01 do governador Flávio Dino. Além da pasta de Cidades, ele mantém o controle sobre outras secretarias também. Um outro plano, mais futurístico ainda, contemplaria o deputado federal como candidato a governador, mais para frente, após oito anos.

Há alguns meses, Jerry já havia se movimentado também para tentar emplacar seu nome como vice-governador na chapa que deverá ser encabeçada pelo senador Weverton Rocha (PDT). Mas, pelo menos por enquanto, com esse plano ele já não trabalha mais. O Senado e outras perspectivas futuras seriam mais oportunas.

Flávio Dino já teria também “batido o martelo” quanto às eleições de 2022. Vai mesmo partir para concorrer ao Senado. Resta saber se terá um candidato a governador ou se ficará neutro para contar com o apoio de, pelo menos, três pré-candidatos à cadeira número 01 do Palácio dos Leões.

Apesar das últimas especulações sobre ser candidato a vice do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, Flávio Dino deve permanecer mesmo com foco no Maranhão para fortalecer seu grupo político, visando às eleições futuras.

domingo, 29 de agosto de 2021

Pelo 7º ano consecutivo, Weverton é um dos mais influentes no Congresso Nacional


O senador Weverton Rocha (PDT) voltou a estar entre os mais influentes agora, em 2021, como parlamentar articulador. De acordo com o Diap, parlamentares articuladores são aqueles com excelente trânsito nas diversas correntes políticas, cuja facilidade de interpretar o pensamento da maioria os credencia a ordenar e criar as condições para o consenso. Ele está entre aqueles que conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício de todas ou algumas das qualidades e habilidades que caracterizam um protagonista do processo legislativo como, por exemplo, a capacidade de conduzir debates, negociações, votações e articulações.

Para fazer a classificação, o Diap adotou critérios qualitativos e quantitativos, que incluem aspectos institucionais, de reputação e de decisão, a partir de postos ocupados, capacidade de negociação e liderança. Com base nesses critérios, a equipe do departamento faz entrevistas com parlamentares, assessores legislativos, cientistas e analistas políticos e jornalistas, além de levantamentos relacionados a projetos apresentados e a discursos proferidos. São considerados também resultados de votações, relatorias, intervenções nos debates, frequência de citações na imprensa, análise dos perfis e grupos de atuação.

A primeira vez que o parlamentar apareceu na lista foi em 2015, como deputado federal em ascensão. Em 2016, 2017 e 2018 voltou a figurar como negociador, destacado por qualidades como liderança e capacidade de diálogo e de manter coeso o grupo ao qual pertence. Em 2017 e 2018, Weverton foi líder da bancada do PDT na Câmara. Em 2018, ele foi líder da Minoria, partidos que faziam oposição ao governo do presidente Michel Temer.

sábado, 28 de agosto de 2021

Prefeitos insatisfeitos com Dino querem lançar candidato ao Senado


Cresceu silenciosamente o movimento encabeçado por alguns prefeitos, vereadores, deputados estadual e federal, e outras lideranças, para a escolha de um nome que possa disputar contra Flávio Dino o mandato ao Senado Federal em 2022.

Nos últimos dias tem sido bastante badalado o nome do presidente da Famem e prefeito de Igarapé Grande, Erlânio Xavier, para ser a alternativa ao nome de Flávio Dino.

A manifestação decorre do péssimo tratamento dispensado pelo atual governador aos gestores e aos políticos aliados. São prefeitos que não são atendidos em suas demandas para os municípios, tanto que Dino não tem o apoio da atual maioria e ainda perdeu com seus candidatos nos principais colégios eleitorais em 2020.

Na Assembleia Legislativa, embora vote nas matérias governamentais, a insatisfação é nítida por causa da ausência das liberações das emendas e das promessas não cumpridas.

O presidente da Famem ainda não se pronunciou oficialmente se recusa ou aceita a missão, mas o movimento vem ganhando corpo. Por isso, Dino já não descarta a ideia de ficar até o final do mandato (reveja aqui) ou aceitar ser o vice de Lula, o que é pouco provável.

Nos últimos tempos, a pré-candidatura do governador ao Senado vem enfraquecendo. Circula uma pesquisa interna que mostra cenários nada animadores para Flávio Dino.

Em São Luís, o nome de Edivaldo Holanda ao Senado tem o triplo do que foi levantado para Dino. Na região Sul do Maranhão, o governador perde feio até para o senador Roberto Rocha.

Caso fique até o final do mandato, a esperança de Flávio é Lula ganhar a presidência da República para que ele possa ser ministro.

sábado, 21 de agosto de 2021

Roberto Rocha demonstra decepção com o governo Bolsonaro


O senador Roberto Rocha (PSDB-MA), relator da reforma tributária no Senado (PEC 110/19), se irritou em um debate mediado por ele com a participação do ministro Paulo Guedes e do secretário especial da Receita Federal, José Tostes, na nesta sexta-feira (20/8). O debate em questão foi marcado para se discutir uma reforma ampla, desejo da indústria e de vários setores empresariais.

Durante a fala de Tostes, no entanto, o secretário limitou-se a falar sobre os detalhes envolvendo a reforma tributária faseada, que o governo tenta aprovar. Tostes fez comentários sobre a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), projeto que já está na Câmara e que não avançou desde o ano passado, apesar de ter um relator definido. Para Roberto Rocha, a insistência de Tostes em falar sobre o PL da CBS na Câmara é um sinal de que o governo desistiu de fazer uma reforma tributária ampla.

“Lamento muito ter que dizer, mas parece que estamos num faz de conta. Como se vê, o secretário Tostes discutiu o PL que está na Câmara, que cria a CBS. A CBS, em verdade, é uma demonstração de que desistiram da PEC da reforma ampla. Nós estamos tentando levá-la adiante. Percebo que há um bom ambiente no Senado para a aprovação desta matéria”, argumentou.

E continuou: “Uma CBS sem operações, como defende o governo, não pode ser chamado de Imposto sobre Valor Agregado (IVA), porque é absolutamente incompatível com o IVA. E se tiver operações, é flagrantemente inconstitucional porque se choca com o artigo 195 da Constituição Federal. Logo, a CBS para ter eficácia, teria que ser feita por emenda constitucional, que é o que se propõe o debate hoje. O debate de hoje não é para falar sobre o PL da Câmara, é para discutir a PEC 110”, disparou.

O senador afirmou, então, que “claramente” há pouca vontade, por parte do governo, de realizar a discussão de uma reforma ampla, que inclua todos os impostos sobre consumo — que oneram mais as classes mais pobres. O que se vê, segundo ele, é uma tentativa de votar projetos isolados, na Câmara, onde se tem encontrado dificuldades, tanto no caso da CBS quanto no PL 2337/21, que altera o imposto de renda.

“Esse é um desabafo de quem está carregando esse piano quase sozinho durante três anos. E eu aprendi que brigar não é bom, e sabendo que vai perder, é burrice. Então, nós vamos concluir essa sessão hoje e vou convidar outro senador para, daqui em diante, seguir esse trabalho”, disse ele, referindo-se aos debates do tema no Senado.

Relatório final

O senador prometeu apresentar o relatório final, “de forma impreterível, na próxima semana, cumprindo meu papel como relator da PEC 110 aqui no Senado Federal para alterar, de fato, a base de consumo que é onde está a maioria ou quase a totalidade das pessoas mais pobres do país”.

O senador disse, ainda, que os esforços para tentar fazer as pazes com a economia têm se mostrado ser em vão. Rocha trabalha em uma nova versão do seu relatório com a ajuda de tributaristas como Melina Rocha, há alguns meses. Havia conversas com o governo e com a presidência do Senado Federal para colocar a PEC 110 para andar, em vez do modelo faseado proposto pelo Executivo.

Na semana passada, após se encontrar com representantes da indústria, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), chegou a dizer que a vontade da presidência do Senado era dar continuidade ao projeto de reforma ampla. Do Correio Braziliense

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Flávio Dino caminha para o Senado sem adversários


Mesmo levando em conta que a contagem regressiva para as eleições vai durar ainda 14 meses, que o calendário eleitoral propriamente dito ainda não foi iniciado, e ainda não haver martelo batido a respeito das candidaturas para o Palácio dos Leões, um fato já está praticamente desenhado no cenário da guerra eleitoral que se aproxima: o governador Flávio Dino (PSB) caminha com segurança a trilha do favoritismo para a única vaga de senador a ser colocada em disputa em 2022.

Isso porque no horizonte dessa disputa não existe, até aqui, dentro ou fora da aliança governista, nenhum nome – político militante ou outsider – com estatura política e potencial eleitoral para se posicionar como concorrente do atual chefe do Governo do Maranhão, que, na semana passada, em entrevista a uma emissora de rádio, confirmou sua pré-candidatura ao Senado. O seu adversário possível seria o senador Roberto Rocha (sem partido), ocupante da cadeira a ser colocada em disputa, mas ele, ao que tudo indica, não pretende não tentar a reeleição, optando por disputar o Governo do Estado ou entrar na guerra por uma cadeira na Câmara Federal.

Isso não significa dizer que o governador Flávio Dino será candidato único ao Senado. Isso não existe na democracia representativa, na qual o conceito de unanimidade não é nem deve ser visto com bons olhos. O que vale mesmo é o conceito de maioria, porque respeita também o de minoria. Outros nomes deverão se apresentar ao eleitorado para brigar pelo mandato senatorial. Até agora, no entanto, nenhum aspirante com estatura política e potencial eleitoral entrou no tabuleiro da política estadual com essa pretensão. Todos os nomes especulados para essa caminhada já anunciaram outros rumos nessa corrida eleitoral.

O espaço natural de surgimento de um candidato a senador com viabilidade seria o Grupo Sarney. Mas ali ninguém parece disposto a assumir o desafio. A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) chegou a cogitar o projeto, mas mudou de ideia, preferindo ser temporariamente lembrada para o Governo, mas focando na Câmara Federal. O empresário Lobão Filho (MDB) e o ex-deputado federal Sarney Filho (PV) passaram a bola para a frente. Hoje, parte do MDB se inclina para a candidatura de Flávio Dino, enquanto outros segmentos sarneysistas, como o PSD, que acatou a decisão do seu candidato a governador, Edivaldo Holanda Jr., de não lançar candidato a senador.

É provável que, mantida sua candidatura, o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim (PSL), lance um candidato a senador, sem que haja qualquer sinal de que o nome mais importante da legenda no Maranhão, deputado federal Pedro Lucas Fernandes, queira entrar nessa aventura.

Flávio Dino não chegou a essa posição por acaso nem pela via do populismo barato. Sua estatura política, hoje de alcance nacional, e seu potencial eleitoral, mostrado por pesquisas, são o resultado de uma construção politicamente correta, iniciada ainda no movimento estudantil, nos anos 80, solidificada por uma bem-sucedida carreira como juiz federal, e, finalmente, o desembarque na seara político-partidária. Começou como deputado federal (2006), tropeçou na eleição para a Prefeitura de São Luís em 2008 e para o Governo do Estado em 2010. Nos anos seguintes criou as condições políticas necessárias para vencer a eleição de governador em 2014 e se reeleger em 2018.

Em seis anos e meio de Governo, Flávio Dino alcançou dois êxitos indiscutíveis. Primeiro: realiza um governo inovador, voltado para o plano social e desmontando a velha cultura do “mando, quero, faço”, e sem registro de derrapagens éticas. Segundo: comanda uma guinada política radical no Maranhão, desbancando a máquina política do sarneysismo, sem perseguir adversários nem caçar bruxas, realizando uma transição só vista no estado quando o próprio José Sarney desbancou a máquina vitorinista no final dos anos 60 do século passado. Foram sua eficiência como governante e a sua saudável ação política, principalmente de oposição ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que lhe deram a estatura política e a viabilidade eleitoral que o tornou o grande favorito para o Senado no ano que vem.

Político militante e movido pelo realismo que determina a dinâmica da política, o governador Flávio Dino admite sua posição de favorito, mas não endossa a tese do “já ganhou”, lembrando sempre de que cada eleição é uma eleição, e que independentemente da condição de favorito, vai mergulhar de cabeça na campanha eleitoral.