Mostrando postagens com marcador PTB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador PTB. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 1 de abril de 2022

Roberto Rocha omite participação de Roberto Jefferson no “convite” ao PTB


Em nova nota divulgada em suas redes sociais, o senador Roberto Rocha (PSDB) omitiu a participação de Roberto Jefferson no “convite” que recebeu do ex-deputado para ingressar no PTB.

Foi por meio desse “convite” que Rocha deu uma rasteira em Lahesio Bonfim.

Acontece que Roberto Jefferson está cumprindo prisão domiciliar e afastado de todas as atividades partidárias por 180 dias, conforme decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes.

No entanto, a postagem do senador tucano mostra que o ex-deputado continua a frente das ações do PTB, configurando assim um desrespeito à decisão de Moraes.

Ao perceber que expôs a irregularidade cometida por Jefferson, Roberto Rocha imediatamente apagou a postagem das suas redes sociais e colocou outra com a informação de que recebeu o convite para ingressar no PTB da Executiva Nacional do partido.

E culpou a sua assessoria pelo “equívoco”.

Com informações do Blog Marrapá

domingo, 13 de fevereiro de 2022

Retomada do PTB por Jefferson pode colocar em risco posição de JP


Não está garantida a permanência do deputado federal Josivaldo JP no comando do PTB no Maranhão. A reviravolta na disputa do comando nacional pelo grupo liderado pelo ex-deputado federal e atual presidente de honra do partido, Roberto Jefferson, que numa série de golpes e contragolpes derrubou a presidente Graciela Nienov, pode complicar a situação de Josivaldo JP.

Isso porque ele foi alçado à presidência do PTB no Maranhão por Graciela Nienov, antes da crise que acabou na sua derrubada. Não está claro se Roberto Jefferson concorda com a mudança que tirou a deputada estadual Mical Damasceno da presidência regional e a transferiu para a presidência do PTB Mulher.

Com a queda de Graciela Nienov, a deputada Mical Damasceno se reconciliou rapidamente com Roberto Jefferson, devendo continuar onde está. Já o deputado Josivaldo JP poderá continuar ou não no comando do partido no Maranhão. Contra ele está o fato de ter sido turbinado por Graciela Nienov; a seu favor pesa o fato de ele ser deputado federal e bolsonarista de primeira hora.

E a julgar pelo empenho com que os partidos bolsonaristas estão se preparando para tentar sobreviver nas urnas, não será surpresa se o deputado federal Josivaldo JP for mantido no chamando do PTB no Maranhão. Mas ele corre o risco de ser despachado se não jurar lealdade a Roberto Jefferson.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Mical Damasceno perde o comando do PTB para Josivaldo JP


A deputada bolsonarista e negacionista, Mical Damasceno (PTB), acabou perdendo o comando do PTB no estado do Maranhão. A deputada Mical acabou se envolvendo na polemica onde ficou impedida de entrar na Assembleia Legislativa do Maranhão por se recusar a se vacinar contra o Covid-19.

O comando do PTB no Maranhão acabou indo para o deputado federal Josivaldo JP (PTB). O convite foi feito pelo partido e anunciado pelo presidente nacional do partido, Graciela Nienov.

A deputada Mical Damasceno acabou sendo deixada de escanteio e foi transferida para a presidência do PTB Mulher, com a justificativa que a escolha foi “pela defesa aguerrida que ela (Mical Damasceno) faz das bandeiras do conservadorismo”.

Josivaldo JP havia ficado na primeira suplência da coligação em 2018, assumindo o mandato de deputado federal após Eduardo Braide sair do cargo para concorrer a Prefeitura de São Luís em 2020, tendo como sua maior pauta a defesa do conservadorismo na Câmara Federal.

O cargo que Mical recebeu do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson (está licenciado enquanto cumpre cadeia por agredir ministros do Supremo Tribunal Federal e estimular violência contra os mesmos) foi maior que a parlamentar. Segundo informações publicadas no site do partido, foi ela que convidou Josivaldo para assumir o controle do partido no Estado.

Com informações do Blog de Jorge Vieira

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Lahésio Bonfim será candidato ao governo pelo PTB


O prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim, que foi eleito pelo PSL, é o mais novo filiado do Partido Trabalhista Brasileiro, PTB, legenda que é presidida no estado pela deputada estadual Mical Damasceno. Lahesio pretende disputar o cargo de governador nas eleições do ano que vem.

A informação foi divulgada pelo seu vice-prefeito, Romulo Arruda, que é primo de Dalton Arruda, pré-candidato a deputado estadual pelo PSD.

Lahesio Bonfim tem se destacado em todas as pesquisas, sempre aparecendo entre os primeiros, principalmente na região Sul do Maranhão e até na capital. O pré-candidato terá um bom tempo até o próximo ano para montar sua chapa.

Recentemente, Lahesio declarou que, por justiça, o presidente da República, Jair Bolsonaro, deveria apoiá-lo em 2022.

domingo, 31 de outubro de 2021

Roberto Jefferson constrange Mical Damasceno


O partido da deputada estadual, Mical Damasceno, PTB caminha para um possível rompimento com o atual presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

O ex-deputado federal Roberto Jefferson, que tirou o partido no Maranhão do deputado federal Pedro Lucas por criticar Bolsonaro, emitiu uma nota contra o mesmo.

Em uma carta escrita do complexo penitenciário de Bangu, na Zona Oeste do Rio, o ex-deputado federal Roberto Jefferson criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) pelo que ele descreve como “vício nas facilidades do dinheiro público”. Ele diz que ao se aproximar de figuras do Centrão, como o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e Valdemar da Costa Neto (PL), Bolsonaro cercou-se de “viciados” e, consequentemente, se tornou um deles: “Quem anda com lobo, lobo vira, lobo é. Vide Flávio”.

“O presidente tentou uma convivência impossível entre o bem e o mal. Acreditou nas facilidades do dinheiro público. Esse vício é pior que o vício em êxtase. Quem faz sexo com êxtase tem o maior orgasmo ou ejaculação que o corpo humano de Deus pode proporcionar. Gozou com êxtase, para sempre dependente dele. Desfrutou do prazer decorrente do dinheiro público, ganho com facilidade, nunca mais se abdica desse gozo paroxístico que ele proporciona. Bolsonaro cercou-se com viciados em êxtase com dinheiro público; Farias, Valdemar, Ciro Nogueira, não voltará aos trilhos da austeridade de comportamento. Quem anda com lobo, lobo vira, lobo é. Vide Flávio”, escreveu.

Jefferson diz ainda que o PTB deve ter candidatura própria no ano que vem, e orienta as lideranças do partido a convidarem o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) para disputar a presidência da República, contra o atual mandatário.

“Vamos convidar o Mourão. O PTB terá candidatura própria, quem sabe apoiamos o Bolsonaro no segundo turno”.

Agora a atual presidente estadual, Mical Damasceno, ver o seu tão adorado partido indo contra o seu presidente, e fica numa situação constrangedora. Ela seguirá a posição do seu partido ou seguirá o presidente?

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

Irmão de Mical Damasceno continua recebendo R$ 10 mil no governo Dino


Spurgeon Costa Damasceno, filho do pastor Pedro Aldi Damasceno, ex-presidente da CEADEMA – Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Maranhão, continua desfrutando de um “gordo” cargo no governo do Maranhão mesmo após sua irmã, a deputada estadual Mical Damasceno ter anunciado rompimento com o governo Flávio Dino (PSB).

Spurgeon Damasceno, que também é pastor da IEAD, ocupa o cargo de adjunto da Secretaria de Relações Institucionais do Maranhão (SRI), cujo titular da pasta é o também pastor assembleiano Enos Henrique Nogueira Ferreira, filho do ex-deputado federal Costa Ferreira.

O salário do irmão da deputada gira em torno de R$ 10 mil reais. Ele não foi exonerado do cargo depois que Mical Damasceno disse, no dia 07 de junho deste ano, que estava rompida com o Palácio dos Leões.

“Não fazemos mais parte do grupo do governador e ele já tinha ciência”, externou a parlamentar em entrevista ao jornalista Marco D’Eça, logo após limpar durante aquela madrugada a ponte do São Francisco que tinha sido pinchada com os dizeres ‘Fora Bolsonaro’.

De lá pra cá, já se passaram mais de quatro meses, e nesse tempo, a deputada participou de inúmeros movimentos de ruas em favor do presidente da República, Jair Bolsonaro, desafeto político do governador do Maranhão.

E de forma simultânea, Mical que é presidente estadual do PTB, coleciona afagos nas redes sociais em favor do presidente nacional da sigla, o mensaleiro Roberto Jefferson, atualmente preso por incentivar a destituição do STF.

E depois ainda aparecem loroteiros para afirmar que o governo Flávio Dino é perseguidor, o que na prática, é uma tremenda mentira!

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Para se filiar ao PTB, Bolsonaro exige definir candidatos ao Senado nos estados

Exigência foi feita por Flávio Bolsonaro em reunião com Otávio Fakhoury, que comanda o PTB em SP. Partido de Roberto Jefferson é uma das poucas opções de Bolsonaro para 2022.


Por meio do filho, Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), Jair Bolsonaro (Sem partido) determinou uma de suas condições para se filiar ao PTB, de Roberto Jefferson: escolher os candidatos ao Senado do partido em todas os estados.

Segundo Guilherme Amado, no site Metrópoles, Flávio levou o recado do pai a Otávio Fakhoury, presidente do PTB em São Paulo, na última segunda-feira (20), quando a sigla oficializou o convite a Bolsonaro para filiação.

Segundo o jornalista, “Bolsonaro poderia indicar até ex-ministros para disputar o Senado, como Ricardo Salles, ex-ministro do Meio Ambiente, Ernesto Araújo, ex-chanceler, e Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação.

Disputa interna

Em carta divulgada neste sábado (25), Roberto Jefferson volta a atacar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e faz ameaças para tentar amenizar uma disputa internado no PTB.

“Vejo numa rebelião doméstica pelo poder dentro do PTB. Há um pequeno grupo, que identifico, vozes mexicanas, paulistanas e alagoanas, tentando desestabilizar a Graci visando o meu lugar”, relata, referindo-se à presidenta em exercício do partido Graciela Nievov.

“Preparei a Graciela Nievov desde de sua meninice para me substituir. Ela galgou desde a base, nos movimentos, jovens e da mulher as posições da hierarquia partidária. Ela é cristã, honrada, correta, leal e comprometida com o nosso ideário. Ela está pronta para maiores desafios. Saibam: Brigou com a Graci brigou comigo”, ameaçou Jefferson aos membros do partido que comanda com mão de ferro.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Braide transforma a Prefeitura em cabide de empregos para aliados derrotados nas eleições


A facilidade de demissão e a ocupação geral de cargos por apadrinhados políticos se transformou em uma triste realidade na gestão do prefeito Eduardo Braide (Podemos).

A máquina pública virou um verdadeiro “cabide de emprego” para abrigar candidatos derrotados nas últimas eleições, em 2020, na folha de pagamento da Prefeitura de São Luís-MA.

A denúncia, publicada no Blog do Domingos Costa, mostra que 42 suplentes de vereadores foram nomeados por Braide. Foi publicado também o nome de todos, quanto cada um ganha e onde estão lotados na prefeitura. Veja aqui.

Foram empregados pessoas de dez partidos políticos: PMN, Podemos, PSDB, PDT, PSC, PSD, DEM, MDB, PSL e PTB.

Vale ressaltar que o presidente estadual do PMN, Fernando Salim Braide, é irmão do prefeito. Nos bastidores comentam que Fernando é pré-candidato a deputado estadual e terá o apoio desses políticos que foram nomeados.

O Ministério Público precisa tomar as medidas cabíveis.

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

Deputada Mical mais uma vez vai contra os “ensinamentos” de Jair Bolsonaro


Mais uma vez a deputada Mical Damasceno – presidente estadual do PTB, contraria os “ensinamentos” do seu líder maior e desvia dos caminhos da política adotada pelo presidente da República Jair Bolsonaro.

Nos últimos dias, Mical esteve no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no setor da UPSL4, onde segundo ela foi levar a Palavra de Deus.

Ocorre que a deputada estadual bolsonarista destoa completamente do que prega Bolsonaro. Ele sempre deixou claro sua posição em relação a bandido, pois durante um evento realizado em 2016, Jair Bolsonaro diz que a polícia serve para matar e que bandido bom era bandido morto.

Portanto, a deputada que afaga detentos de Pedrinhas é a mesma que vai de contra o presidente da República.

Com essa, soma-se outras contradições de Mical na política maranhense, como não acreditar na vacina contra a Covid-19, mas fazer campanha para pedir a população prevenir contra as hepatites virais.

E, também, a incoerência no posicionamento quando afirma rompimento com o governador Flávio Dino, mas indica membro da sua família para ocupar cargo numa regional de Viana no governo estadual “comunista”.

Mical esteve na Penitenciária de Pedrinhas, da Ala PSL4, em visita a internos, onde foi levar a palavra de Deus.

domingo, 15 de agosto de 2021

Prisão de Roberto Jefferson mergulha o PTB do MA num mar de incertezas


A prisão, nesta sexta-feira, 13, do ex-deputado federal e presidente do Partido Trabalhista Brasileiro, Roberto Jefferson sob a acusação de tramar contra as instituições republicanas, a começar pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mergulhou de vez o PTB, fundado por Getúlio Vargas, no limbo da história. A derrocada do partido no plano nacional está sendo refletida no Maranhão, onde, depois de se tornar a referência do trabalhismo getulista e atuado como um fantasma incômodo durante a ditadura que o extinguira, renasceu no estado, nos anos 80, pelas mãos politicamente honestas de líderes como o médico Cesário Coimbra e o jornalista Vera Cruz Marques.

Com eles, o PTB recuperou parte da identidade e da  destruídas pela ditadura. Essa geração foi sucedida pelo comando, primeiro do deputado estadual Manoel Ribeiro, e depois do deputado federal Pedro Fernandes, sucedido pelo filho, o deputado federal Pedro Lucas Fernandes. Mais recentemente, foi entregue à líder evangélica e deputada estadual Mical Damasceno, consumando no Maranhão a guinada para a extrema-direita.

Mesmo enfrentando a pressão do PDT fundado por Leonel Brizola, que o reivindicou, sem sucesso, o PTB acabou entregue pelo regime militar a Ivete Vargas, sobrinha-neta de Getúlio Vargas, mas sem qualquer afinidade com o trabalhismo imaginada pelo avô. No Maranhão, getulistas autênticos como Cesário Coimbra e Vera Cruz Marques, que junto com outros militantes fizeram do PTB um partido forte no contexto da redemocratização. Eles não viveram para presenciar a guinada que, sob o comando de Roberto Jefferson, o partido, que nasceu com um ideário de centro-esquerda, guindou para a extrema-direita, desembocando no que há de pior do bolsonarismo, que é a política do ódio e de vocação golpista. Antes disso, Roberto Jefferson foi advogado brilhante, um parlamentar atuante e líder do PTB, e que brilhou na Câmara Federal, dando suporte aos Governos comandados por Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Lula da Silva (PT). Sua derrocada começou com o Mensalão, por ele denunciado, mas que o levou à prisão por desvio de recursos do partido.

Nesse período, o braço maranhense foi comandado pelos Ribeiro, primeiro sob a presidência do vereador e depois deputado estadual Manoel Ribeiro, que comandou a Assembleia Legislativa por uma década. Depois, teve o depois deputado federal Pedro Fernandes como um líder sensato e seguro, que honrou os cinco mandatos que cumpriu sem faltar a uma única sessão na Câmara Federal. Ali, Pedro Fernandes foi braço direito de Roberto Jefferson, atuando como voz moderadora, colocando freio – nem sempre com sucesso – nos rompantes do chefe, tornando-se um dos nomes de proa do PTB no plano nacional. Quando em 2018 cedeu sua vaga de candidato a deputado federal ao filho, o então vereador de São Luís Pedro Lucas Fernandes entregou-lhe também o comando do partido no Maranhão. O deputado federal Pedro Lucas Fernandes seguiu os passos do pai e logo se transformou numa das referências do PTB, de cuja bancada foi líder duas vezes.

A inclinação rápida e incontrolável de Roberto Jefferson para a extrema-direita, levando o até então independente PTB para a base de apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), abraçando “causas” antidemocráticas e irracionais como a política para armar a população civil, inclusive insuflando-a ao confronto, e “bandeiras” como o fechamento o Supremo Tribunal Federal e a instauração de um regime de força. Tal situação colocou o deputado Pedro Lucas Fernandes, um democrata convicto, na contramão dentro do partido. O rompimento ocorreu quando o parlamentar votou para confirmar a prisão do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL) por pregar agressão a ministros do STF e a volta da ditadura. Por causa do voto, Roberto Jefferson o destituiu da liderança do PTB e da presidência do partido no Maranhão. O deputado Pedro Lucas deixou o partido.

A grande surpresa veio a seguir. Roberto Jefferson entregou o comando do PTB no Maranhão à deputada Mical Damasceno, bolsonarista de carteirinha e militante evangélica que costuma entoar louvores na tribuna da Assembleia Legislativa, cometendo a grave distorção de misturar política com religião.

Com a prisão de Roberto Jefferson, o PTB tem dois caminhos: se afastar da extrema direita e voltar ao centro com uma visão renovada de trabalhismo, ou cair de vez nas mãos do presidente Jair Bolsonaro, que pode assumir o seu controle. E nesse contexto, o futuro do PTB no Maranhão é rigorosamente incerto.

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Roberto Rocha ainda não sabe em qual partido vai se filiar

Senador maranhense mostra dificuldade em encontrar uma nova legenda depois que saiu do ninho tucano; situação complica ainda mais o futuro político no MA


Correram ontem no bastidores políticos mais especulações sobre mudança de partido envolvendo o senador Roberto Rocha. Filho do saudoso governador Luiz Rocha, Roberto já arrumou as malas para sair do PSDB, após perder o comando do partido para o vice-governador Carlos Brandão, em março.

No entanto, cinco meses se passaram e o senador ainda não tem noção onde desembarcará para disputar a reeleição ou buscar novos voos no pleito do próximo ano. Em sua mesa de trabalho, ele analisa os convites, mas sem nenhuma opção capaz de lhe agradar.

O caminho poderá ser o PTB, PP, Patriotas ou até mesmo voltar ao PSDB, caso Brandão venha migrar para o PSB, mas esse é um assunto para nossa próxima abordagem.

domingo, 8 de agosto de 2021

Mical confirma voto em Bolsonaro e aguarda PTB decidir para o Governo e Senado


Indagada sobre a posição quanto ao candidato a governador no próximo ano, Mical Damasceno informou que as eleições para o governador é casada com a de senador, mas que seu partido ainda não tomou decisão.

A parlamentar disse que tem respeito e admiração pelo governador Flávio Dino, mas que a decisão de votar para senador em 2022 caberá ao PTB, partido que ela dirige no Maranhão.

A única certeza é a votação e a luta pela reeleição de Jair Bolsonaro, que terá o apoio nacional e local do PTB. “Não mediremos esforços para reeleger nosso presidente para que o Brasil continue dando certo”, afirmou.

sábado, 17 de julho de 2021

Deputada sem máscara, sem ter vacinado ao lado do pai, um idoso de 81 anos

Após morte de vários pastores, Deputada Mical coloca vida de fiéis em risco

Atitude deplorável da deputada estadual Mical Damasceno (PTB) nesta quinta-feira (15) na cidade de Viana, durante o culto de ação de graça pela passagem do aniversário de 81 anos do Pastor Pedro Aldir Damasceno, seu pai e ex-presidente da CEADEMA – Convenção Estadual das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Maranhão.

É que a parlamentar anunciou no último dia 07 deste mês durante participação no programa Questão de Ordem da rádio Nova FM (LEMBRE), que embora já tenha contraído o novo Coronavírus (Covid-19) não vai tomar vacina contra a doença que continua mandando milhares em todo o Maranhão, Brasil e no mundo.

Para piorar, além de não tomar a vacina, a deputada aparece em aglomeração sem usar máscara ao lado de inúmeros fiéis idosos, como exemplo, o próprio pai.

A atitude irresponsável e negacionista de Mical coloca não apenas a vida dela em risco, como de todas as pessoas nas quais ela mantém contato.

Isso sem contar, os próprios deputados estaduais maranhenses os quais ela convive na ALEMA. Ainda bem que a Assembleia Legislativa entrou em recesso.

Se a deputada tivesse empatia pelo irmãos na fé e não tivesse infectada pelo vírus do bolsonarismo, ela saberia que na pagina da CEADEMA nas redes sociais (VEJA) está publicado mais de 20 (vinte) notas de pesar resultantes de morte de pastores, missionários e obreiros das Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus espalhadas pelo Maranhão, vítimas exatamente da Covid-19.

Portanto, a postura irresponsável de Mical não é apenas na descrença da vacina contra o Coronavírus é contra a vida dos maranhense.

quinta-feira, 8 de julho de 2021

Eleições 2022: PTB se afasta de Flávio Dino


Tem repercutido no meio político a não participação da deputada estadual Mical Damasceno (PTB), promovida pelo governador Flávio Dino (PSB), com a sua base política no Palácio dos Leões na última segunda-feira (05).

Ao ser questionada sobre o assunto a parlamentar foi taxativa ¨Como a gente não vai mais andar junto com o governo eu não tinha o que fazer na reunião; Não fazemos mais parte do grupo do governador; e ele já tinha ciência¨, afirmou.

Por outro lado, desde que assumiu o comando do PTB, Mical tem fortalecido o projeto bolsonarista no Maranhão e chegou a dar como certa a filiação do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior, para concorrer ao governo do estado. Mas diante do anúncio de sua filiação ao PSD ela informou que a prioridade neste momento será a montagem da chapa proporcional.

¨Encerramos a conversa com Edivaldo. Por enquanto não temos mais pressa de sentar com ninguém sobre o governo. A prioridade vai ser a proporcional¨ descartou a parlamentar.

Mical disse que está se dedicando agora à montagem da nova sede do PTB, na Rua do Arizirial, que deve ser inaugurada até o mês de agosto.

Segundo ela, é possível a presença do presidente nacional petebista, Roberto Jefferson, na festa de inauguração.

Marco D`eça

segunda-feira, 19 de abril de 2021

Oposição pode reunir até 7 partidos contra grupo dinista em 2022

Os deputados Adriano Sarney, Dr. Yglésio, Wellington do Curso e César Pires iniciaram diálogo com grupos não-alinhado ao dinismo ou pelo menos mais independente.

Enquanto o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) ainda bate cabeça para definir um candidato ao Governo do Estado, a oposição ao governo comunista vem aos poucos se alinhando em torno de um projeto comum: chegar, de forma decisiva, ao segundo turno em 2022.

Com este foco, já há lideranças de pelo menos sete partidos, como MDB, PV, PTB, PL e PSD, além de partidos de média estrutura, como PSC e Podemos.

Para efeito de comparação, se houver composição em torno de um único candidato, o grupo já reúne mais partidos que o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato mais bem viabilizado no grupo dinista.

As conversas já envolve ao menos quatro pré-candidatos a governador: a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), o senador Roberto Rocha (sem partido), deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e o prefeito Lahésio Bonfim (sem partido).

Além deles, a oposição pode reunir em torno de um candidato lideranças do porte da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), deputados federais como Edilázio Júnior (PSD), Aluísio Mendes (PSC), Hildo Rocha (MDB) e prefeitos com repercussão estadual, do porte de Maura Jorge.

Na Assembleia, um bom grupo de parlamentares – com nomes do peso de Adriano Sarney (PV) César Pires (PV), Wellington do Curso (PSDB) e Dr. Yglesio (PROS) – sonha com a consistência de um grupo não-alinhado ao dinismo; ou pelo menos mais independente.

Para forçar um segundo turno, a reunião de sarneysistas e bolsonaristas em torno de um projeto único tem um objetivo claro: aproveitar-se do racha – ou da falta de consistência do candidato dinista.

Nesta hipótese, poderão disputar efetivamente contra o legado do atual mandatário.

Ou influenciar de forma decisiva a disputa entre dois oriundos do dinismo.