Mostrando postagens com marcador PSB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador PSB. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2022

Brandão pode não ter legenda para concorrer à reeleição, diz ex-presidente do PSB


O ex-presidente do PSB no Maranhão, Luciano Leitoa, se manifestou contrário à filiação do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) no seu partido, afirmando também que o ainda tucano pode ficar sem legenda para concorrer à reeleição em outubro.

Por meio das redes sociais, o ex-prefeito de Timon e ex-deputado federal frisou que a filiação de Brandão ao PSB não passa de oportunismo, pois o objetivo do vice é garantir tão somente o apoio de Lula (PT) para as eleições.

“A provável filiação de Brandão ao PSB é um afronto a história de nosso partido, por puro casuísmo e oportunismo. Por mais que eu compreenda que ele filiado no PSB pode ficar dependente do partido para ser candidato e assim ficar na rédea, podendo a qualquer momento não ter a legenda, como já aconteceu em alguns estados em outros momentos, a exemplo de Minas Gerais, o perfil dele não condiz com tudo aquilo que o partido que estou filiado e presidi durante 10 anos sempre pregou”, disse Luciano Leitoa.

Com informações do Blog Marrapá

quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

Eliziane Gama pode assumir o comando do PSDB com a saída de Brandão


A senadora Eliziane Gama (Cidadania) é o principal nome na lista do PSDB nacional para assumir o comando do partido no estado, caso o vice-governador Carlos Brandão confirme sua saída da legenda.

Eliziane já havia sido cotada pelo tucanato nacional ainda no início de 2021 – quando Brandão ainda nem cogitava deixar o PRB.

A senadora é uma das mais importantes parlamentares da atual bancada de senadores brasileiros e é cobiçada por várias legendas.

Carlos Brandão passou a avaliar saída do PSDB após o governador Flávio Dino ser informado pelo ex-presidente Lula sobre a impossibilidade de o PT apoiar um tucano no Maranhão.

O vice-governador está estudando a transferência para o PSB, partido de Dino, que pode fazer federação partidária com o PT.

Mas tenta manter o controle do ninho tucano, o que é rechaçado pela cúpula nacional.

A possível entrada de Eliziane Gama, aliada do senador Weverton Rocha (PDT), dará novos rumos ao ninho no Maranhão.


Com informações do Blog do Marco D`eça

domingo, 2 de janeiro de 2022

Brandão avalia filiação ao PSB


Da Revista Crusoé – Vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão (na foto, à esquerda), do PSDB, foi convidado a se filiar ao PSB para disputar o governo do estado em 2022 com o apoio do governador Flávio Dino. Como Dino já foi reeleito para comandar o estado em 2018 e tentará uma vaga no Senado no ano que vem, Brandão passou a ser o principal nome do grupo político para a sucessão estadual. O vice-governador pediu tempo para pensar.

Dino já manifestou publicamente a intenção de apoiar Brandão para o governo do estado, mas o fato de estarem em partidos diferentes poderia atrapalhar a aliança. Isso porque o PSB deverá apoiar Lula à Presidência em 2022, ao passo que o PSDB planeja lançar a candidatura do atual governador de São Paulo, João Doria. Seria inviável, portanto, Brandão receber o apoio de Dino, que é muito aliado de Lula, e dar palanque a Doria.

Caso confirme o movimento, Brandão poderá seguir os passos de um ex-tucano ilustre que também mira em 2022: o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que deixou o PSDB e ensaia se filiar ao PSB para ser vice na chapa de Lula

sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

PSB se irrita com Lula e abre negociação com PDT de Ciro


O Estadão – Diante do impasse para fechar aliança com o PT em Estados definidos como “joias da coroa”, a cúpula do PSB decidiu fazer um movimento paralelo. Quer filiar o ex-governador Geraldo Alckmin, mas pode agora oferecê-lo como “dote” ao PDT de Ciro Gomes. Dirigentes do PSB procuraram o comando pedetista e marcaram um almoço para a próxima semana, em São Paulo, na tentativa de abrir novo canal de negociação.

Sem partido desde que deixou as fileiras tucanas, no último dia 15, Alckmin prefere entrar no PSB e ser vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto, em 2022. Mas, como a cada semana surge um problema, tanto ele como os líderes da sigla saíram em busca de alternativas.

A ideia é dar um ultimato ao PT e mostrar que os socialistas não estão dispostos a abrir mão de candidaturas próprias em Estados como São Paulo e Rio Grande do Sul, por exemplo. Nas conversas, acenam com a hipótese de montar uma federação e casar de papel passado com o PDT, o PV e a Rede até as eleições de 2026. Fundadora da Rede, a ex-ministra Marina Silva, que amargou derrotas na últimas três disputas presidenciais, tem se aproximado de Ciro, embora deteste o marqueteiro da campanha, João Santana, autor de agressiva estratégia contra ela em um passado não muito distante.

O movimento do PSB é visto com ceticismo pelos petistas, para quem tudo não passa de um jogo de cena do grupo do presidente do partido, Carlos Siqueira, para valorizar o passe. Siqueira tem dado declarações duras desde o último encontro com Lula, há 11 dias. Disse, por exemplo, que o PT precisa decidir se seu objetivo é “formar uma frente ampla” para derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) e eleger Lula ou se é “disputar os governos nos Estados” e tratar como adversário quem pode ser seu principal aliado.

“Esse negócio do PSB com o PT não tem como dar certo, mesmo porque Lula, com 46% (das intenções de voto), acha que já está com a mão na taça”, disse ao Estadão o presidente do PDT, Carlos Lupi. “Nós vamos conversar. Acho que o PSB tem muito mais afinidades com o PDT.”

Não está claro, ainda, qual papel Alckmin desempenharia em um arranjo assim. Motivo: há, nos bastidores, forte pressão da bancada de deputados federais do PDT para que Ciro desista da candidatura à sucessão de Bolsonaro, caso não consiga decolar até março. O ex-ministro enfrenta dificuldades para se mostrar competitivo no pelotão da terceira via, principalmente depois da entrada do ex-juiz Sérgio Moro (Podemos) no páreo presidencial.

‘INDESISTÍVEL’. A portas fechadas, parlamentares do PDT observam que, ao invés de ter candidato próprio ao Planalto, o partido deveria privilegiar a distribuição de recursos para os concorrentes à Câmara. O tamanho da bancada influencia na divisão do fundo eleitoral entre as legendas.

“Eu não sei o que o PSB vai querer, mas Ciro não desiste e eu também sou ‘indesistível’. Para não ter mais esse tititi, quero deixar claro: não estamos gastando esse dinheiro todo com o João Santana para nada”, afirmou Lupi.

Para frear o aumento das especulações sobre a retirada de Ciro, principalmente após a operação da Polícia Federal que o alvejou, a cúpula do PDT decidiu criar um fato político.

Em uma estratégia antecipada, o partido fará o pré-lançamento da candidatura de Ciro, em Brasília, no dia 21 de janeiro de 2022. No ato, o PDT vai apresentar a nova marca da campanha, que pretende transformar o estilo brigão e explosivo do ex-ministro em ativo eleitoral. Um dia depois, em 22 de janeiro, o partido homenageará o ex-governador Leonel Brizola, que completaria 100 anos na data.

PALANQUE. O PDT precisa de um palanque forte para Ciro em São Paulo e também está conversando com Guilherme Boulos, do PSOL, partido que sempre se opôs a Alckmin. Pode apoiá-lo na disputa ao Palácio dos Bandeirantes. O ex-governador e Ciro, por sua vez, se dão muito bem e têm uma afinidade regional: os dois são de Pindamonhangaba, cidade do interior paulista. Uma aliança para que Alckmin seja vice nessa chapa, porém, é considerada difícil.

O ex-tucano também já foi convidado para se filiar ao Solidariedade, ao PSD do ex-ministro Gilberto Kassab, ao União Brasil e ao próprio PDT, mas continua preferindo o PSB. Só que os embaraços para a formação da federação de partidos com o PT – um casamento que precisa durar no mínimo quatro anos – têm atrapalhado o avanço das negociações.

Ao oferecer Alckmin como vice de Lula, o PSB exigiu o apoio do PT a seus candidatos aos governos de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Acre. Os petistas não aceitam esse acordo. Avaliam que, pela primeira vez, o PT tem chances de derrotar o PSDB na corrida ao Bandeirantes, com Fernando Haddad. Irritada com as exigências do grupo de Siqueira, a direção petista também decidiu esticar a corda e lançar o senador Humberto Costa ao governo de Pernambuco.

“O Brasil não pode ficar submisso a vontades pessoais”, argumentou o ex-governador de São Paulo Márcio França, amigo de Alckmin e pré-candidato do PSB ao Bandeirantes. Na prática, a aliança entre o PT e o PSB para montar a dobradinha dos sonhos de Lula tem sido comparada agora a um jogo de estratégia. Trata-se de uma batalha na qual todos querem conquistar territórios. “Mas precisamos encaixar as engrenagens partidárias”, avisou França. Como se vê, 2022 bate à porta e a nova temporada, na política, ainda é de muitas incertezas.

domingo, 12 de dezembro de 2021

Carlos Brandão não terá o apoio do PT no Maranhão


Foi noticiado ontem, com exclusividade, decisão da executiva nacional do PT, partido do ex-presidente Lula, determinando que, a partir do 01 de janeiro, o vice-presidente regional da sigla, Francimar Melo, assuma o comando da legenda no Maranhão.

A batida de martelo não apenas destituiu e enfraqueceu o ainda presidente Augusto Lobato, apoiador da pré-candidatura do vice-governador Carlos Brandão, do PSDB, como também pôs “água no chopp” do governador Flávio Dino (PSB); do secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão; e do próprio Brandão.

Dino trabalha nos bastidores, de todas as formas, para levar o PT para a base de apoio do tucano, oferecendo a ele não apenas o tempo da legenda na propaganda eleitoral e recursos do fundo partidário, como também atrelá-lo à figura de Lula, a quem o vice-governador já se dirigiu como estelionatário eleitoral.

Ensaia, por exemplo, filiar Brandão ao PSB vislumbrando um cenário no qual o dispositivo da federação partidária junte, no plano nacional, o seu partido, o PT e outras siglas do campo da esquerda, como o PC do B e PSOL.

Flávio Dino também tenta seduzir o petismo oferecendo aos seus líderes Felipe Camarão, que já desistiu da pré-candidatura ao Palácio dos Leões (reveja) e sonha em figurar como companheiro de chapa do tucano.

Ocorre que a nova direção do PT no Estado, segundo o editor do Blog apurou, seguirá posicionamento da nacional e manterá oficialmente o partido neutro até segunda ordem, o que ocorrerá somente após o mês de março.

Carlos Brandão, portanto, no encontro do dia 31 de janeiro nos Leões, na qual Dino reunirá novamente o seu grupo político, não receberá o tão aguardado apoio do petismo.

E Camarão teve reduzida a zero a chance de concorrer ao cargo de vice-governador.

Com informações do blog do Gláucio Ericeira

quinta-feira, 9 de dezembro de 2021

Cassação de Duarte Júnior entra na pauta do TSE


O ministro Carlos Horbach, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), incluiu na pauta do plenário virtual do dia 10 de dezembro uma ação da Procuradoria Regional Eleitoral no Maranhão (PRE-MA) contra o deputado estadual Duarte Júnior (PSB) por abuso de poder nas eleições de 2018, quando ele se elegeu para uma cadeira na Assembleia Legislativa.

O parlamentar foi absolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão, em maio, mas a PRE recorreu. Duarte foi alvo de uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije).

Segundo a denúncia, ele usou a estrutura do Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor do Maranhão (Procon-MA), órgão que dirigiu até antes do pleito, para obter a vitória nas urnas.

No processo, o então procurador eleitoral no estado, Pedro Henrique Castelo Branco, apontou abuso da promoção pessoal do comunista via Procon-MA.

A manifestação da Procuradoria Geral Eleitoral, órgão do Ministério Público Federal (MPF) com atuação no TSE, é pela cassação do diploma de deputado.

No parecer aos ministros da corte, o Vice-Procurador-Geral Eleitoral, Renato Brill de Góes, que assina a peça, pede, ainda, que seja declarada a inelegibilidade do parlamentar.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Brandão articula mudança para o PSB


Frustrado na reunião que deveria decidir por seu nome como candidato único da base, o vice-governador Carlos Brandão deve seguir a orientação do governador Flávio Dino e trocar o PSDB pelo PSB.

A articulação, que deve ser efetivada até o início de janeiro, visa dois objetivos básicos:

1 – livrar-se da pecha de tucano e da tutela do agora candidato a presidente João Dória Júnior, após ter apoiado Eduardo Leite nas prévias;

2 – ampliar as chances de ter aliança com o PT, numa articulação nacional que poria o partido do presidente Lula longe do palanque do senador Weverton Rocha (PDT)

Essa troca do PSDB pelo PSB já havia, inclusive, sido anunciada, em julho, no blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Brandão pode trocar PSDB pelo PSB…”

O problema para Brandão é o destino do PSDB no Maranhão.

Nem ele, nem seu principal apoiador, Flávio Dino, querem perder o ninho tucano no estado, apesar de terem interesse no PT; deixar a legenda acéfala atrairia interesse de adversários, como o próprio Weverton Rocha.

Com sua entrada surpresa no PSDB, Brandão cometeu um erro estratégico, analisado no blog Marco Aurélio D’Eça ainda em março, no post “Brandão ganhou ou perdeu com o PSDB?”

Essa articulação tirou dele dois apoiadores de peso: o deputado federal Cléber Verde, a quem sequer foi comunicada sua saída do Republicanos, e a senadora Eliziane Gama (Cidadania), que vinha cotada para assumir o PSDB no Maranhão.

Agora, o vice-governador tenta consertar o equívoco fazendo novo gesto, dessa vez em direção às esquerdas; tanto que já ate trocou suas cores de campanha do azul e amarelo para o azul e vermelho. 


Com informações do Blog do Marco D`eça

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Flávio Dino ainda sonha em ser vice de Lula


Ao que tudo indica, parece que o governador Flávio Dino (PSB) pensa que ainda tem chance de montar uma chapa com Lula para disputar as eleições presidenciais de 2022. O comuno-socialista maranhense segue plantando, via aliados da imprensa em veículos nacionais, que pode ser vice do petista. Não passa de mais um delírio.

Isso porque Dino está cada vez mais sendo esvaziado do debate nacional. Se antes, no PCdoB, ele tinha todos os holofotes, principalmente quando rebatia os discursos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), hoje ele tem que disputar o palco com outros nomes com grande destaque nacional dentro do próprio PSB, como o Paulo Câmara, governador de Pernambuco; o deputado federal Marcelo Freixo; e o ex-governador de São Paulo, Márcio França.

E agora ainda surge a possibilidade de Geraldo Alckmin (PSDB) se filiar ao PSB e compor a chapa com Lula em 2022, fato esse que coloca ainda mais na sombra as pretensões nacionais do comuno-socialista.

No Maranhão, a “Era Dino” está chegando ao fim com mais de 60% dos maranhenses passando fome (veja aqui). Enquanto isso, Lula, ao término do seu mandato, retirou cerca de 40 milhões de brasileiros da pobreza. Dessa forma, faltam resultados que credenciem Dino para a formação da chapa com o petista.

Em agosto deste ano, Lula descartou a possibilidade de ter Flávio Dino como vice e deixou claro que, se chegar ao Planalto, quer o comuna-socialista no Senado Federal.


Com informações do Blog Marrapá

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Lula firma alianças com PSD, MDB, PSB e PDT no Nordeste


A recente viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi bem-sucedida para a formação de alianças regionais visando as eleições de 2022. Um balanço feito pela jornalista Andréa Jubé, do Valor, aponta que Lula costurou alianças com PDT, MDB e PSD na região. “Ele fez uma rede de arrasto”, disse o vice-presidente nacional do PT, deputado José Guimarães (CE).

“No Ceará, o PT vai reeditar a aliança de 16 anos com o PDT no Ceará. O palanque articulado entre as duas siglas destina a cabeça de chapa ao PDT. O ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio deve ser o candidato ao governo cearense, mas não se descartou ainda o nome da atual vice-governadora Izolda Cela (PDT)”, informa a repórter. “Em paralelo, o PT tem palanques avançados com o MDB no Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas. No Piauí, a cabeça de chapa e a vaga ao Senado ficam com o PT. O candidato à sucessão do governador Wellington dias (PT) é o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles (PT). Por sua vez, Dias tentará voltar ao Senado. O candidato a vice-governador será um nome escolhido pelo grupo do senador Marcelo Castro, presidente do MDB local”, prossegue.

“No Maranhão, Lula terá o apoio do grupo político do ex-presidente José Sarney, com quem se reuniu em um jantar no dia 19 de agosto em São Luís. A ex-governadora Roseana Sarney vai disputar uma vaga de deputada federal. Lula tenta construir um palanque único no Estado tendo o senador Weverton Rocha (PDT) na cabeça de chapa e o governador Flávio Dino (PSB) concorrendo ao Senado”, aponta ainda o Valor.

“Em Pernambuco, também será reeditada a aliança histórica entre PT e PSB – o objetivo principal é contar com a sigla do governador Paulo Câmara na coligação nacional encabeçada por Lula. Na Bahia, o senador Jaques Wagner (PT) encabeça a chapa estadual e Otto Alencar (PSD) tentará a reeleição ao Senado.”

terça-feira, 31 de agosto de 2021

Lula diz a Flávio Dino que deseja ver PDT, PSB e PT juntos no Maranhão


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador Flávio Dino (PSB) reuniram-se, na semana passada, para tratar de uma agenda política na cidade de Natal.

O encontro ocorreu em um dos intervalos da reunião dos governadores do Consórcio Nordeste, do qual Dino participou.

Na oportunidade, por coincidência, Lula realizava atos de pré-campanha na capital do Rio Grande do Norte.

O petista, de acordo com informações obtidas pelo editor do Blog, confirmou o seu desejo de ter no Maranhão uma aliança entre PT, PSB e PDT – este último, partido do senador Weverton Rocha, pré-candidato ao Palácio dos Leões.

Quando esteve no Maranhão, Lula deu demonstração cristalinas de preferência pelo nome de Weverton como candidato à sucessão de Dino.

Também deixou claro que prefere ter o socialista como senador, apoiando um futuro governo seu a partir de 2023.

Lula, na conversa que teve com Dino, mais uma vez disse ao mesmo que quer vê-lo na Câmara Alta.

E, mais uma vez, externou sua preferência por Weverton, descartando aliança com o PSDB, do vice-governador Carlos Brandão, ou apoio a um projeto de terceira via encabeçado pelo secretário estadual de Educação, Felipe Camarão, recém convertido ao petismo.

Gláucio Ericeira

segunda-feira, 16 de agosto de 2021

Indefinição de Flávio Dino pode prejudicar sua candidatura ao Senado


A indecisão do governador Flávio Dino PSB) parece lhe afetar mais uma vez. Depois de esconder-se em cima do muro durante as eleições municipais em 2020, Flávio Dino se encaminha para perder outro grande aliado de seu governo.

Neste final de semana, o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato ao governo do Maranhão, parece que cansou de esperar por um posicionamento de Flávio Dino.

Em Imperatriz, Weverton fez questão de deixar bem claro que é amigo de Flávio Dino, mas que sua candidatura é uma vontade do povo. Segundo Weverton, não existe a possibilidade de um recuou de sua candidatura ao governo.

O forte posicionamento de Weverton, vem logo após Flávio Dino se reunir com Edivaldo Holanda Jr (PSD), outro pré-candidato declaro ao governo, e ver o impulsionamento do secretário de Educação, Felipe Camarão (PT), que nos últimos dias tem feito agendas casadas com o governador, além de expor fortemente sua imagem em outdoors em São Luís.

Flávio Dino chegou a realizar uma reunião com os principais nomes de seu grupo, no qual idealizou uma “carta compromisso”, onde afirmou que seu grupo teria somente uma candidatura ao governo e apenas uma candidatura ao Senado, no caso, a dele. Todos presentes na reunião, ao menos o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), assinaram a tal carta se comprometendo a obedecer as regras impostas pelo governador.

Diante dos fatos, Flávio Dino pode perder o apoio dos dois partidos com o maior número de prefeitos. 

É aguardar para conferir.

terça-feira, 10 de agosto de 2021

Delúbio Soares diz que PT sonha em ter Flávio Dino como vice de Lula


Apontado como um dos líderes da maior quadrilha de corruptos da história da política nacional, o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, diz que o grande sonho do seu partido é ter um vice do PSB na chapa encabeçada por Lula no ano que vem. Atualmente o governador maranhense, Flávio Dino (PSB), é o maior nome da legenda no país. Sendo, inclusive, filiado ao partido com a possibilidade de ser o presidenciável do partido.

A declaração foi dada em entrevista à Rádio Folha FM 96,7, nesta segunda (9).

“Um grande sonho chamar uma pessoa do PSB para ser vice, aí o PSB tem que resolver quem pode indicar. Já temos três pessoas do PSB que se colocaram à disposição de ser vice como o companheiro Flávio Dino, o governador do Espírito Santo, o ex-governador de São Paulo, Márcio França, mas o vice de Lula não vai ser uma escolha do PT, vai depender dos partidos que o querem como presidente”, disse.

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Roberto Rocha ainda não sabe em qual partido vai se filiar

Senador maranhense mostra dificuldade em encontrar uma nova legenda depois que saiu do ninho tucano; situação complica ainda mais o futuro político no MA


Correram ontem no bastidores políticos mais especulações sobre mudança de partido envolvendo o senador Roberto Rocha. Filho do saudoso governador Luiz Rocha, Roberto já arrumou as malas para sair do PSDB, após perder o comando do partido para o vice-governador Carlos Brandão, em março.

No entanto, cinco meses se passaram e o senador ainda não tem noção onde desembarcará para disputar a reeleição ou buscar novos voos no pleito do próximo ano. Em sua mesa de trabalho, ele analisa os convites, mas sem nenhuma opção capaz de lhe agradar.

O caminho poderá ser o PTB, PP, Patriotas ou até mesmo voltar ao PSDB, caso Brandão venha migrar para o PSB, mas esse é um assunto para nossa próxima abordagem.

sábado, 31 de julho de 2021

Brandão pode se filiar ao PSB


Na semana passada, o blog publicou o post sobre a negativa de Lula do PT do Maranhão coligar-se com o PSDB. ”Tratava-se de uma apuração de bastidores da última conversa do ex-presidente com o governador maranhense sobre a sucessão de 2022, para qual o PT tem preferência em uma aliança com o PDT.

O Palácio dos Leões não desmentiu a declaração atribuída a Lula, mas a reação de bastidores começou a ser operada: segundo também apurou este blog, o vice-governador Carlos Brandão já cogita deixar novamente o PSDB para entrar no PSB, com a anuência do próprio Dino.

“Seria uma forma de convencer Lula a apoiá-lo”, justificaram lideranças do governo ouvidas nesta quinta-feira, 29.

A tese ganhou ainda mais força após conversa de Dino com o ex-ministro José Dirceu, que reafirmou as palavras de Lula e deixou claro a preferência pelo senador Weverton Rocha (PDT), “mais identificado com as lutas do PT”.

terça-feira, 27 de julho de 2021

Dino é descartado por Lula para compor chapa na disputa pelo Planalto


Lula sondou Márcio França para ser seu vice em 2022 e ouviu do ex-governador de São Paulo que seria necessário um aval do PSB para formalizar a parceria. A informação foi confirmada por O Antagonista junto a um interlocutor muito próximo do pessebista.

Segundo essa fonte, França não vê problema em uma aliança com Lula, mas a chance de o ex-governador disputar as eleições do ano que vem como vice do petista “é muito remota”.

Como já mostramos, França disputará o governo de São Paulo com o também ex-governador do estado Geraldo Alckmin. Assim, a chapa seria formada por PSD e PSB — isso sem contar eventuais apoios.

Porém, o candidato só será definido após uma pesquisa de imagem que será feita pelas siglas.

Já a relação entre Lula e PSB não é nova. O petista tem levado todos os ‘seus candidatos’ para a sigla, pois sabe-se que o PT não tem nem de longe uma boa imagem junto a muitas parcelas da população.

Dois exemplos disso são o governador do Maranhão, Flávio Dino, que deixou o PC do B e o deputado federal Marcelo Freixo, que largou o Psol para tentar vencer a eleição de 2022 ao governo do Rio de Janeiro.

quinta-feira, 15 de julho de 2021

Lupi vem ao Maranhão para articular em prol de Weverton e Ciro


O presidente do PDT, Carlos Lupi, viajará ao Maranhão na semana que vem para uma visita ao governador Flávio Dino (PSB).

O PDT articula para que Dino apoie o senador Weverton Rocha ao cargo de governador do Maranhão.

No mês passado, Lupi esteve no Piauí e em entrevista a TV Meio Norte, e afirmou que a candidatura de Weverton é irreversível e que ele será candidato ao governo com ou sem o apoio de Flávio Dino. Nos bastidores, circula a informação de que alianças entre o PDT e PSB em outros estados dependerá do desfecho no Maranhão.

A vinda de Carlos Lupi ao Maranhão tem o objetivo de manter o nome de Ciro Gomes forte no campo da esquerda para as eleições do ano que vem, apesar de o presidenciável marcar cada vez mais sua posição ao centro, com ataques tanto a Lula quanto a Bolsonaro.

Outra parte desse plano é fortalecer o PDT nos estados do Nordeste antes mesmo das alianças nacionais serem sacramentadas. Lupi já viajou a pelo menos cinco estados da região para que Ciro possa “ter campo por lá”, segundo o presidente da legenda relatou a interlocutores.

Dino, Lupi e Ciro têm uma relação de proximidade. Em 2015, por exemplo, os três lançaram juntos um manifesto contra o impeachment de Dilma Rousseff.

Apesar da possibilidade de aliança entre o PDT e o PSB em vários estados, ainda não está definido como os partidos e os atores regionais vão se relacionar na disputa pela presidência. Nesse momento, Dino está mais alinhado a Lula do que a Ciro.

O governador disse em junho que Ciro desempenharia papel mais importante na eleição se ficasse na esquerda e que sua posição no centro “é roupa que não lhe cabe”. A fala ocorreu justamente por ocasião da filiação de Dino ao PSB com a perspectiva da formação de uma aliança em torno da candidatura de Lula. O PDT desde o início marcou posição distante desse movimento.

Lupi tem dito a alguns interlocutores que, a despeito das pesquisas mostrarem pouca chance para a terceira via no ano que vem, Bolsonaro irá desidratar ainda mais até o pleito de outubro, o que alimenta a esperança dentro do partido de um possível embate entre Lula e Ciro Gomes no segundo turno, cenário que, de tão remoto, não foi simulado na pesquisa Datafolha da última sexta. O PDT acredita que as chances de Ciro no segundo turno são maiores contra Lula do que contra Bolsonaro.

sábado, 10 de julho de 2021

Dino reforça PSB enquanto PSDB de Brandão permanece nanico


Desde que assumiu a presidência regional do PSB, no fim do mês passado, o governador Flávio Dino vem realizando movimentos com o objetivo de reforçar a legenda para o pleito de 2022, quando o ex-comunista concorrerá ao cargo de Senador.

Já mirando na eleição para prefeito de São Luís, em 2024, Dino filiou ao partido o deputado estadual Duarte Júnior, que disputará uma das 18 vagas para deputado federal.

Na última quinta, o governador comandou ato no qual ingressaram no ninho socialista seis secretários estaduais, quais sejam Jefferson Portela (Segurança Pública), Carlos Lula (Saúde), Rogério Cafeteira (Esporte e Lazer), Marcos Pacheco (Políticas Públicas), Catulé Júnior (Turismo) e Karen Barros (presidente do Procon/Viva).

Com exceção de Portela, que tentará eleger-se para Câmara Federal, os demais deverão concorrer a uma das 42 vagas para Assembleia Legislativa.

Na contramão do agora socialista, o vice-governador Carlos Brandão continua apático e o seu partido, o PSDB, permanece nanico.

Em 2020, presidido pelo senador Roberto Rocha, o tucanato maranhense conseguiu eleger apenas quatro prefeitos, ficando distante de siglas como PDT e PL, que elegeram 42 e 40 gestores municipais, respectivamente.

quarta-feira, 7 de julho de 2021

Flávio Dino reforça o PSB com mais 04 secretários/candidatos do seu governo


O governador do Maranhão e presidente estadual do PSB, Flávio Dino, está realmente disposto a transformar o seu novo partido num dos maiores no estado.

O novo socialista promete filiar mais quatro secretários do seu governo, na próxima quinta-feira (08), às 18h30. O ato de filiação coletiva será no Espaço Orienta, no Renascença.

Entre os secretários que serão filiados no PSB está o de Esporte e Lazer do Maranhão, Rogério Cafeteira. O ex-deputado estadual, que tentará voltar ao parlamento estadual em 2022, se despediu do DEM, onde esteve filiado e anunciou seu ingresso no PSB.

“Hoje encerro um ciclo na minha vida política com o pedido de desfiliação do DEM. Meu agradecimento ao presidente do partido, deputado federal Juscelino Filho, e demais colegas de partido. Seguirei me dedicando às lutas sociais e políticas pelo povo maranhense em uma nova legenda partidária”, afirmou.

Além de Cafeteira, Dino anunciou a filiação de outros três secretários. Estarão se filiando no PSB: o secretário de Turismo do Maranhão, Catulé Júnior, o secretário de Políticas Públicas, Marcos Pacheco, e a presidente do PROCON, Karen Barros.

“Por um Maranhão mais e mais justo e solidário, que articule crescimento econômico com desenvolvimento social!”, afirmou Pacheco.

quarta-feira, 30 de junho de 2021

Weverton amplia base política para 2022


Com apoio consolidado, declarado e público de sete dos 15 partidos que compõem a base do governo Flávio Dino – PDT, DEM, PSB, PP, PSL, PRB e Cidadania – o senador Weverton Rocha está ampliando também a sua aliança com prefeitos em todo o Maranhão.

Para isso, conta com a articulação direta do presidente da Federação dos Municípios, Erlânio Xavier (PDT); é o prefeito de Igarapé Grande quem faz a ponte entre o senador e os colegas.

Foi assim em Tuntum, São Domingos do Maranhão, Graça Aranha e Coelho Neto, onde participou de inaugurações e fortaleceu alianças.

A articulação de Weverton ganha ainda mais força por que todos os sete partidos que compõem sua aliança, assim como os prefeitos que o apoiam, já declararam votos para o senado em Flávio Dino, o que reforça a unidade da base tão pretendida pelo governador.

Além dos prefeitos articulados por Erlânio Xavier – e aqueles que compõem a base dos partidos que já estão com ele – Weverton tem como cereja do bolo a aliança com gestores dos principais colégios eleitorais.

Já está fechado, por exemplo, com os prefeitos de Imperatriz, Assis Ramos (DEM); de Timon, Dinair Veloso (PSB); de Pinheiro, Luciano Genésio (PP); de Bacabal, Edivan Brandão (PDT); e de Balsas, Dr. Erik (PDT).

E espera consolidar o apoio do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos).

Com informações do Blog do Marco D`eça

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Após saída de Flávio Dino, fantasma da extinção avança no PCdoB


Quando o governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou no último dia 17 sua saída do PCdoB após 15 anos no partido, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) enviou nos grupos de WhatsApp da militância um áudio emocionado e melancólico: “Recebi uma notícia que me deixou muito triste: Flávio Dino deixou o PCdoB. Infelizmente mudou o rumo. (…). Mas nós comunistas estamos voltando para a moda. Teve aquela crise lá na União Soviética, mas a China já é o país mais importante do mundo hoje. Do jeito deles, no rumo do socialismo”.

Segundo dirigentes da legenda, Dino, único governador comunista da história do País, surpreendeu a todos ao não cumprir o combinado de esperar a votação no plenário da Câmara dos Deputados um projeto do Senado, de autoria de Renan Calheiros (MDB-AL), que permite a dois ou mais partidos se reunirem em uma federação para que ela atue como se fosse uma única sigla nas eleições. O mecanismo é visto como a tábua de salvação da legenda.

Se for aprovado, o projeto prevê que depois da eleição esse “casamento” tem de durar pelo menos uma legislatura de quatro anos. Ou seja: os federados serão obrigados a atuar como uma bancada no Congresso, embora possam manter símbolos e programas. Nesse cenário, o PCdoB vislumbra formar uma coalizão com PSB, PSOL, Solidariedade e PDT, ou mesmo se unir a apenas um deles para seguir em frente, mantendo a foice e o martelo na ponta da bandeira vermelha. “O partido é como um trem, tem um destino e vai em uma direção. Mas tem estações no caminho nas quais pessoas entram e saem. O importante é seguir no rumo definido”, concluiu Silva.

Autoproclamado o partido mais antigo do Brasil, o PCdoB planeja comemorar o centenário em março de 2022 sem saber qual será o destino e dividido sobre o que fazer caso não vingue o projeto no Congresso. Líderes de bancadas e parlamentares acham que o texto das federações tem poucas chances de aprovação em um cenário dominado pelo Centrão.

Se isso acontecer, o PCdoB que sobreviveu à ditadura, atuou na clandestinidade e organizou a Guerrilha do Araguaia vai ficar ameaçado de extinção da vida partidária institucional. O motivo é a cláusula de barreira, um mecanismo criado em 2017 que funciona como uma espécie de filtro. Para que as legendas não sejam barradas na Câmara, precisam ter uma votação mínima nas eleições gerais.

Quem passa pela cláusula obtém recursos públicos, tempo de TV e estrutura na Câmara. Na disputa de 2018, a exigência foi para que candidatos à Câmara dos Deputados somassem ao menos 1,5% dos votos válidos em nove Estados, com 1% dos votos em cada um deles. Em 2022, esse piso pulará para 2% (ou eleger 11 deputados) – o piso aumenta de forma progressiva até chegar a 3% na eleição de 2030.

Oficialmente o PCdoB informou que esse assunto ainda não está em pauta no Comitê Central, mas nos bastidores os “cabeças brancas” – ou seja, a ala jovem da legenda – pregam uma fusão partidária, sendo o PSB o partido mais citado. Nesse caso, porém, seria necessário mudar o nome, o programa e a bandeira, que perderia a foice e o martelo. O marxismo-leninismo que norteia a ação do partido certamente teria de ser suavizado ou mesmo excluído do estatuto.

“Se não for aprovada (a federação), vamos fazer um esforço em um processo de unificação que assegure a identidade. O PCdoB não abre mão de manter sua identidade política e ideológica. Se isso também não der certo, estamos discutindo outras alternativas”, disse o advogado e ex-deputado Constituinte Aldo Arantes, de 82 anos , que está no Comitê Central desde 1972. Neta de Luís Carlos Prestes, a cientista política Ana Prestes, de 43, concorda. “Vamos manter independência programática e nossa identidade, sem mudar símbolo e nome. Essa ideia de mudar não teve adesão no partido.”



Certidão e herança

Estigmatizado por Jair Bolsonaro como uma ameaça para o Brasil, o PCdoB tem apenas 9 deputados federais, mas seu símbolo é o mais xingado nas manifestações governistas de extrema-direita. Pelos quadros do partido já passaram nomes que depois foram para o campo oposto do espectro político, como o ex-prefeito César Maia (DEM), o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PR), e até o deputado bolsonarista Osmar Terra (MDB-RS).

O anticomunismo fez quadros formados na escola do PCdoB deixarem o partido para progredirem politicamente. “A luta institucional dos partidos comunistas não é um fenômeno particular do Brasil. O partido nunca passou de 15 deputados federais, mas é influente. Ele elegeu um presidente da Câmara (Aldo Rebelo) mesmo tendo 12 deputados na bancada. Isso faz parte de um estigma que se deu desde a Guerra Fria. Nunca deixou de existir”, disse Luciana Santos, vice-governadora de Pernambuco e presidente nacional do PCdoB.

O projeto de celebrar o centenário do PCdoB reabriu uma disputa histórica sobre a “marca” do partido comunista original. “Isso é uma fraude histórica”, disse Roberto Freire, presidente do Cidadania. O Cidadania veio do antigo PPS, criado em 1992, que por sua vez veio do PCB, em seu 10° Congresso. “O número do Cidadania é o 23, o mesmo pela qual disputei à Presidência em 1989”, afirmou Freire.

“Vamos comemorar enquanto Partido Comunista do Brasil, PCdoB, fundado em 1922, reorganizado em 1962, legalizado em 1985. Somos desta tradição política. Em 1962, nós nos reorganizamos”, disse o historiador Fernando Garcia, da Fundação Maurício Grabois, braço do PCdoB.

Outro ano importante do PCdoB foi 1992, quando o partido rompeu com o stalinismo. “Na época, raspei meu bigode por que estava cheio de fios brancos. A imprensa deu nota que fiz isso por causa da crítica ao Stalin. O PCdoB fez uma crítica de esquerda. Não negamos o papel do Stalin na construção do socialismo, mas achamos que houve uma centralização excessiva do poder”, contou Arantes.