Mostrando postagens com marcador Jair Bolsonaro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jair Bolsonaro. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Para se filiar ao PTB, Bolsonaro exige definir candidatos ao Senado nos estados

Exigência foi feita por Flávio Bolsonaro em reunião com Otávio Fakhoury, que comanda o PTB em SP. Partido de Roberto Jefferson é uma das poucas opções de Bolsonaro para 2022.


Por meio do filho, Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), Jair Bolsonaro (Sem partido) determinou uma de suas condições para se filiar ao PTB, de Roberto Jefferson: escolher os candidatos ao Senado do partido em todas os estados.

Segundo Guilherme Amado, no site Metrópoles, Flávio levou o recado do pai a Otávio Fakhoury, presidente do PTB em São Paulo, na última segunda-feira (20), quando a sigla oficializou o convite a Bolsonaro para filiação.

Segundo o jornalista, “Bolsonaro poderia indicar até ex-ministros para disputar o Senado, como Ricardo Salles, ex-ministro do Meio Ambiente, Ernesto Araújo, ex-chanceler, e Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação.

Disputa interna

Em carta divulgada neste sábado (25), Roberto Jefferson volta a atacar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e faz ameaças para tentar amenizar uma disputa internado no PTB.

“Vejo numa rebelião doméstica pelo poder dentro do PTB. Há um pequeno grupo, que identifico, vozes mexicanas, paulistanas e alagoanas, tentando desestabilizar a Graci visando o meu lugar”, relata, referindo-se à presidenta em exercício do partido Graciela Nievov.

“Preparei a Graciela Nievov desde de sua meninice para me substituir. Ela galgou desde a base, nos movimentos, jovens e da mulher as posições da hierarquia partidária. Ela é cristã, honrada, correta, leal e comprometida com o nosso ideário. Ela está pronta para maiores desafios. Saibam: Brigou com a Graci brigou comigo”, ameaçou Jefferson aos membros do partido que comanda com mão de ferro.

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Deputado denuncia sabotagem dos governadores para aumentar preço dos combustíveis


Em entrevista à equipe da TV JCO, em Brasília, o deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ) falou algumas verdades sobre o cenário político nacional e não poupou ninguém! Ele denunciou o golpe de alguns governadores para aumentar o preço dos combustíveis e sabotar o governo Bolsonaro.

“O presidente Bolsonaro não tem culpa alguma nisso. No início do ano, ele zerou os tributos federais sobre os combustíveis. Quando ele zerou, os governadores aumentaram ainda mais o ICMS para ter mais arrecadação”, explicou.Continua depois da publicidade. Ele também criticou a implantação do passaporte sanitário, segundo ele, um verdadeiro atentado aos direitos individuais. “Muitos prefeitos totalitários, como Eduardo Paes, começam a tomar atitudes para forçar os cidadãos a se vacinar. Eu soube que o prefeito de Nitéroi, Axel Grael, que envergonha o nome da família Grael, que é uma família renomada de esportistas, está querendo implantar o passaporte sanitário em Niterói, minha cidade”, desabafou.

A culpa é do Bolsonaro?

Em análise certeira, o deputado Carlos Jordy mostrou como o velho sistema sente-se livre para agir.

“Os ministros do Supremo, sabendo que nada cai na conta deles, dobram a aposta. Eles fazem essa disputa pública de poder e, no final das contas, se a economia for mal, vai cair na conta do presidente Bolsonaro”, ressaltou.

Se eles infligem sofrimento ao povo para atingir o presidente, não merecem nossa confiança...

De forma corajosa, o deputado Carlos Jordy falou ainda sobre os crimes de Lula, a terceira via que tenta pavimentar caminho para os velhos caciques de esquerda, censura no Brasil e muito mais!

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Ingratidão faz Braide “esconder” Bolsonaro da vacinação em São Luís


Nesta semana foi registrada a aplicação da segunda dose em mais de meio milhão de pessoas em São Luís. Apesar da marca ter sido atingida após o Governo Federal priorizar a vacinação na capital maranhense temendo a disseminação da cepa indiana, o prefeito Eduardo Braide aproveitou a situação para assumir a marca e “esconder” o presidente Jair Bolsonaro e Marcelo Queiroga do feito. Braide tratou a vacinação na cidade como “exemplo para o resto do país”.

“Nosso propósito, desde o início da nossa gestão, é promover a saúde e o bem-estar da nossa população, combatendo a pandemia e a vacina, sem dúvidas, é fundamental neste contexto. Por isso mesmo, estamos muito felizes em saber que já imunizamos contra a Covid-19 mais de meio milhão de pessoas. São Luís é uma cidade comprometida com a saúde do seu povo e minha gestão tem trabalhado diariamente para que a gente possa disponibilizar as doses das vacinas para todos, inclusive as terceiras doses, cujo calendário também avança na capital, que, novamente, dá exemplo para o restante do país”, disse o prefeito.

Braide tem evitado fazer qualquer menção ao Governo Federal em suas falas. O aumento da vacinação em São Luís só foi possível graças a ações do Ministério da Saúde em maio de 2021. Na ocasião, Braide reuniu-se com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que manifestou o reforço da vacinação na cidade para impedir o avanço da cepa indiana.

Apesar de ser sabedor disso, o prefeito prefere esconder que seu principal capital político na atualidade só foi conseguido graças ao Governo Federal.

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Partidos, centrais sindicais e OAB pedirão impeachment de Bolsonaro


A manifestação de hoje pela passagem do 7 de Setembro, Dia da Independência do Brasil, foi a gota d`água para que partidos, centrais sindicais, OAB, provavelmente a ABI e CNBB, além de outras entidades, começarem a pensar no pedido de impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Vários posicionamentos já foram exibidos agora no período da tarde e a maioria convergente para o que eles pensam como afronta à Constituição Federal assim que Bolsonaro exigiu que o presidente do STF, Luiz Fux, enquadre alguns de seus ministros sob pena de que possa acontecer.

Na Câmara Federal existem cerca de 130 pedidos de interrompimento do mandato do presidente, mas agora será diferente pela força que as entidades representam no pais.

O PSDB já anunciou reunião amanhã para se juntar aos partidos de oposição ao governo na Câmara e no Senado. Está sendo esperada uma manifestação do PMDB. O PDT já confirmou apoio irrestrito ao impedimento.

Bolsonaro não está só. Ele tem diversos aliados no Congresso Nacional e em representações de classes patronais sindicais, além de um grande número de apoiadores. O presidente conseguiu dividir o país.

O impeachment dele não é fácil e deve gerar muitos tumultos nas duas Casas Legislativas, além das ruas e avenidas.

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Ministros do TSE avaliam hipótese de Bolsonaro ficar inelegível


Ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) discutem uma estratégia jurídica que pode deixar o presidente da República, Jair Bolsonaro, inelegível para a eleição de 2022.

O cerco judicial está se fechando a partir de um inquérito administrativo instaurado no TSE em resposta a uma transmissão ao vivo realizada pelo presidente, em julho, acusando o tribunal sem provas, de fechar os olhos para evidências de manipulação em urnas eletrônicas.

Na visão desses magistrados, a depender do que acontecer e o tom adotado por Bolsonaro em seus discursos, os atos de 7 de Setembro poderão fornecer ainda mais provas contra o chefe do Executivo. O entendimento prévio é de que, uma vez configurado algum crime, o presidente poderá ter sua candidatura negada pela Justiça Eleitoral no ano que vem.

A estratégia da inelegibilidade é discutida nos bastidores para ser usada apenas em caso extremo, de risco efetivo de ruptura institucional, uma vez que, na avaliação de políticos, iniciar agora um processo de impeachment, a um ano e dois meses das eleições, seria tão traumático quanto inviável.

Na ocasião em que foi aprovada a investigação no TSE, também foi determinado o envio de notícia-crime contra o presidente ao Supremo Tribunal Federal (STF), que foi aceita e incorporada ao inquérito das fake news.

Apesar de a discussão sobre o cerco jurídico avançar nos bastidores, a medida que pode dar base a uma eventual inelegibilidade de Bolsonaro é reconhecida pelos próprios ministros como pouco convencional.

A Justiça Eleitoral nunca havia aberto ação parecida, por isso o discurso adotado é de que a alternativa só seria acionada em caso concreto de risco à ordem constitucional. Por outro lado, um ministro do TSE argumenta, em caráter reservado, que nunca houve um ataque tão frontal ao sistema eleitoral como agora e que, por isso, é preciso reagir.

Ameaçados de forma reincidente por Bolsonaro, essa foi a infantaria que os integrantes das mais altas Cortes da Justiça brasileira encontraram para preparar o contragolpe. "Se você quer paz, se prepare para a guerra", disse Bolsonaro na quarta-feira, em cerimônia da Marinha no Rio.

Na sexta, mantendo o tom de ameaça, o presidente garantiu que os atos de 7 de Setembro serão um "ultimato" a ministros do STF.

Os principais alvos de Bolsonaro são Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, atual presidente do TSE, autores de decisões recentes que desagradaram ao Palácio do Planalto, como a prisão de bolsonaristas.

Em resposta às ameaças de Bolsonaro, o presidente do STF, Luiz Fux, fez um duro discurso na quinta-feira, ao afirmar que a Corte não vai tolerar ataques à democracia, em referência aos atos do dia 7. "Num ambiente democrático, manifestações públicas são pacíficas; por sua vez, a liberdade de expressão não comporta violências e ameaças", disse.

Bolsonaro pretende discursar no feriado pela manhã, em Brasília, e seguir com comitiva para fazer o mesmo em São Paulo, à tarde.

PGR

Diferentemente de investigações criminais contra Bolsonaro em curso no Supremo, o inquérito administrativo no TSE é considerado uma alternativa mais viável por não depender exclusivamente de denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), comandada por Augusto Aras.

Neste caso, além do Ministério Público Federal (MPF), partidos políticos possuem legitimidade para oferecer representação contra a candidatura do presidente; e será o próprio TSE quem julgará esses pedidos. O único requisito é que apresentem provas de que Bolsonaro cometeu crimes eleitorais.

O inquérito administrativo é comandado pelo corregedor-geral da Justiça Eleitoral, Luis Felipe Salomão, e atualmente está na fase da coleta de provas.

Ele é chamado de "Plano C" por aqueles que conhecem o seu teor, justamente por reunir evidências que podem ser usadas por partidos para contestar o registro da candidatura de Bolsonaro.

A apuração compõe o cerco judicial com outras duas ações de cassação da chapa Bolsonaro-Mourão no TSE, além de quatro inquéritos no STF que apuram crimes comuns do presidente.

O foco da investigação eleitoral é constatar se Bolsonaro praticou "abuso do poder econômico e político, uso indevido dos meios de comunicação, corrupção, fraude, condutas vedadas a agentes públicos e propaganda extemporânea".

A lei que regula os registros de candidatura afirma que serão inelegíveis os candidatos que "tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral", com condenação em processo que investigue "abuso de poder econômico e político". Caso o plano seja colocado em prática, Bolsonaro ficaria impedido de disputar eleições por oito anos.

Rubens Beçak, professor de direito constitucional e eleitoral da Universidade de São Paulo (USP), avalia que o teor subjetivo da lei de inelegibilidade ao definir condutas abusivas permite a interpretação formulada por membros do TSE.

Ele pondera que sua aplicação é temerária por não haver precedentes e abrir espaço para contestações. "Dá muito mais higidez ao processo a participação do PGR, mas existe essa outra interpretação e ela parece muito plausível.

Quem está pensando em fazer o inquérito pelo TSE, provavelmente, está pensando em dar uma rapidez maior e afastar a influência política do PGR recém reconduzido", afirmou. "Seria um procedimento completamente heterodoxo, porque isso nunca aconteceu dessa forma. Isso vai criar um precedente tremendo para que possa ser usado contra outros presidentes candidatos à reeleição. Dá um poder desproporcional à Justiça Eleitoral."
Fake news

Parte dos ministros do STF avaliam que o inquérito das fake news também poderia ser um caminho para frear Bolsonaro por possuir amplo potencial incriminatório, mas o entendimento é de que é nula a possibilidade de Aras apresentar denúncia contra o presidente.

O atual PGR já expressou nos bastidores o desejo de ocupar uma vaga no STF e, caso seja mantida a fidelidade a Bolsonaro, poderá ser ele o escolhido para substituir o ministro Gilmar Mendes a partir de 2023, na eventual reeleição do presidente. Na vaga aberta neste ano, Aras foi preterido por André Mendonça, que agora enfrenta a resistência de senadores para tomar posse do cargo.


domingo, 5 de setembro de 2021

Mical Damasceno engana cristãos e os envia para ato em Brasília

A deputada Mical Damasceno (PTB) quase entra em êxtase na tarde deste sábado ao despachar o ônibus double deck (dois andares), com a tal caravana que organizou com vistas aos atos de 7 de setembro em defesa da ‘liberdade de expressão”, em Brasília.

Com lotação em média para 60 pessoas, o aluguel de um ônibus desse porte ida e volta para Brasília não sai por menos do que 30 mil reais. Mical não revelou os custos e quem estava bancando a viagem e a estadia do grupo na capital federal.

No entanto, ouriçada com a partida da ‘caravana’, acabou abrindo o bico sobre outro negócio: a reeleição de Bolsonaro.

“ Olhai aí… o nosso Maranhão…a caravana… vaaii com Deeeuus… É giigaante…Em nome de Jesus vamos lutar pela nossa liberdade de expressão…O negócio é esse…é isso..E também nós votamos, se empenhamos… para a reeleição do nosso presidente Bosolnaro”, vibrava.

Na última quinta-feira, em sessão da Assembleia Legislativa, ela já havia demonstrado o temor com a derrota do mito nas eleições de 22. Ao tentar enganar evangélicos e católicos a saírem às ruas no dia 7, dizendo que não se tratava de uma questão de politicagem, mas de defender a liberdade de expressão de pregar, de falar, que não podia ser tolhida, acabou confessando o motivo por trás da lorota.

“Nós estamos aqui para incentivar para que todas as cidades do Maranhão se manifestem, que as igrejas se organizem, porque nós podemos mudar a situação do nosso Brasil. É essa a nossa preocupação, porque a cada dia mais está ficando mais difícil. E as eleições de 2022 estão bem aí e o povo cristão faz a diferença, muda o resultado da eleição”, discursou.

Devota do bolsonarismo, Mical Damasceno reproduz no Maranhão o mantra da defesa da liberdade de expressão, para encobrir os atos de raiz golpista insuflado pelo presidente para este 7 de setembro. A falsa ameaça às liberdades religiosas é parte da estratégia que busca reunir milhares pessoas na próxima terça-feira, e assim, dá a entender ao resto do mundo, o apoio popular aos anseios autoritários de Bolsonaro e sua tropa.

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

Deputada Mical mais uma vez vai contra os “ensinamentos” de Jair Bolsonaro


Mais uma vez a deputada Mical Damasceno – presidente estadual do PTB, contraria os “ensinamentos” do seu líder maior e desvia dos caminhos da política adotada pelo presidente da República Jair Bolsonaro.

Nos últimos dias, Mical esteve no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no setor da UPSL4, onde segundo ela foi levar a Palavra de Deus.

Ocorre que a deputada estadual bolsonarista destoa completamente do que prega Bolsonaro. Ele sempre deixou claro sua posição em relação a bandido, pois durante um evento realizado em 2016, Jair Bolsonaro diz que a polícia serve para matar e que bandido bom era bandido morto.

Portanto, a deputada que afaga detentos de Pedrinhas é a mesma que vai de contra o presidente da República.

Com essa, soma-se outras contradições de Mical na política maranhense, como não acreditar na vacina contra a Covid-19, mas fazer campanha para pedir a população prevenir contra as hepatites virais.

E, também, a incoerência no posicionamento quando afirma rompimento com o governador Flávio Dino, mas indica membro da sua família para ocupar cargo numa regional de Viana no governo estadual “comunista”.

Mical esteve na Penitenciária de Pedrinhas, da Ala PSL4, em visita a internos, onde foi levar a palavra de Deus.

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Flávio Dino reage com ironia a nova alfinetada de Bolsonaro


Como era esperado, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), reagiu a mais uma alfinetada do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Bolsonaro, em entrevista a TV Piauí, ao se referir ao governador maranhense, destacou que: “Quanto mais pobre é o estado, mais gordo é o governador”

Dino, em tom irônico, disse que Bolsonaro quer ser seu personal trainer, já que não foi a primeira vez que o presidente da República se referiu a forma física do governador. Flávio Dino também aproveitou para cobrar melhoria das estradas federias que cortam o Maranhão.

“Acho que ele está se oferecendo para ser meu personal trainer. Não, obrigado. Que estranha obsessão. Vai trabalhar, presidente. No Maranhão, as rodovias federais estão destruídas”, rebateu Flávio Dino.

O problema que nessa questão de estradas, é o sujo falando do mal lavado, afinal boa parte das estradas estaduais maranhenses seguem em estado deplorável.

terça-feira, 3 de agosto de 2021

Bolsonaro volta a atacar Flávio Dino


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar governadores nesta terça-feira (3/8) e declarou que “quanto mais pobre o estado, mais gordo é o governador”.

A fala do chefe do Executivo teve como alvo Flávio Dino (PSB), governador do Maranhão. Bolsonaro tem trocado farpas com Dino desde 2019.

“Você pode ver, quanto mais pobre o estado, mais gordo é o governador. Por coincidência, é uma realidade lá [no Maranhão]”, disse Bolsonaro, durante entrevista à TV Piauí, ao comentar o envio de recursos federais a estados para o enfrentamento da pandemia de coronavírus.

Em maio, durante uma visita ao Maranhão, Bolsonaro chamou Dino de “gordinho ditador“.

“Lá na Coreia do Sul [do Norte, na verdade] tem uma ditadura, o ditador não é um gordinho? Na Venezuela, também tem uma ditadura, não é um gordinho lá o ditador? E quem é o gordinho ditador aqui do Maranhão?”, provocou o presidente.

No mesmo mês, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, ele insultou o governador, chamando-o de “comunista gordo”.

Na entrevista, o presidente Bolsonaro voltou a afirmar que o Supremo Tribunal Federal (STF) tirou a responsabilidade do governo federal sobre a pandemia, ao decidir que estados e municípios têm poder para impor regras de isolamento, quarentena e restrição de transporte e trânsito em rodovias em razão da Covid-19.

Desde o início da pandemia, Bolsonaro é questionado sobre o papel que vem exercendo no combate ao novo coronavírus. Em resposta, ele costuma alegar que governadores e prefeitos é que devem ser cobrados.

Na semana passada, o Supremo divulgou um vídeo nas redes sociais, no qual diz que “uma mentira repetida mil vezes não vira verdade” e explica que não tirou poderes do presidente, e, sim, decidiu que ele deveria atuar junto a estados e municípios para proteger a população do contágio pelo coronavírus.

Não é a primeira vez que a Corte, institucionalmente, ou ministros, vêm a público rebater as falas do presidente da República ou de seus apoiadores sobre essa questão.

Em janeiro deste ano, o STF publicou nota afirmando que a competência para impor ações para mitigar o impacto do novo coronavírus no Brasil é da União, dos estados, do DF e dos municípios, em conjunto.

No ano passado, o ministro Luiz Fux, do STF, ressaltou que a Corte não eximiu o governo federal de suas responsabilidades, apenas “reforçou a competência dos Executivos”.

“O Supremo não exonerou o Executivo federal das suas incumbências porque a Constituição Federal prevê que, nos casos de calamidade, as normas federais gerais devem existir. Entretanto, como a saúde é direito de todos e dever do estado, num sentido genérico, o estado federativo brasileiro escolheu o estado federado em que os estados têm autonomia política, jurídica e financeira”, destacou Fux. (Metrópoles)

domingo, 1 de agosto de 2021

Após especulações sobre renúncia, Mourão deixa claro: “Sigo neste governo até o fim”


O General Hamilton Mourão (PRTB), vice-presidente da república, usou as redes sociais neste sábado (31/7) para dizer que permanece no governo até o fim do mandato. “Nunca abandonei uma missão, não importam as intercorrências, sigo neste governo até o fim”, escreveu ele no Twitter.

Segundo apuração da CNN, no início da semana, um general da reserva aconselhou Mourão a renunciar ao cargo.

Mourão, porém, teria respondido que ainda não seria o momento para deixar o governo. De acordo com a CNN, Mourão deverá ter uma conversa a sós com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nos próximos dias para demonstrar seu incômodo.

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Bolsonaro e Lula em empate técnico, revela nova pesquisa para 2022; veja os números


Levantamento divulgado pelo Instituto Paraná Pesquisas nesta quinta-feira (29) traz o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) empatados tecnicamente na corrida presidencial de 2022 em três dos quatro cenários avaliados. 

No quarto cenário, Lula está um pouco à frente de Bolsonaro fora da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Na simulação de segundo turno, Lula venceria Bolsonaro. 

Veja os números do levantamento da Paraná Pesquisas:


PRIMEIRO TURNO

Cenário 1
Lula (PT): 33,7%
Bolsonaro (sem partido): 32,7%
Datena (PSL): 7%
Ciro Gomes (PDT): 6,8%
João Doria (PSDB): 3,9%
Mandetta (DEM): 1,8%
Simone Tebet (MDB): 0,7%
Rodrigo Pacheco (DEM): 0,6%
Nenhum/Branco/Nulo: 9,4%
Não sabe/Não respondeu: 3,3%

Cenário 2
Lula (PT): 33,8%
Bolsonaro (sem partido): 32,8%
Datena (PSL): 7%
Ciro Gomes (PDT): 6,9%
João Doria (PSDB): 4,3%
Mandetta (DEM): 2,1%
Nenhum/Branco/Nulo: 9,6%
Não sabe/Não respondeu: 3,4%

Cenário 3
Lula (PT): 33,9%
Bolsonaro (sem partido): 32,8%
Ciro Gomes (PDT): 7,3%
Datena (PSL): 7,2%
Eduardo Leite (PSDB): 2,7%
Mandetta (DEM): 2,6%
Nenhum/Branco/Nulo: 10%
Não sabe/Não respondeu: 3,5%

Cenário 4
Lula (PT): 39,5%
Bolsonaro (sem partido): 34,2%
Datena (PSL): 11,8%
Nenhum/Branco/Nulo: 11%
Não sabe/Não respondeu: 3,4%


SEGUNDO TURNO 

Bolsonaro x Lula
Lula (PT): 43,3%
Bolsonaro (sem partido): 38,2%
Nenhum/Branco/Nulo: 15%
Não sabe/Não respondeu: 3,4%

Bolsonaro x Datena
Bolsonaro (sem partido): 38,4%
Datena (PSL): 35,5%
Nenhum/Branco/Nulo: 22,3%
Não sabe/Não respondeu: 3,8%

Lula x Datena
Lula (PT): 43,1%
Datena (PSL): 31,5%
Nenhum/Branco/Nulo: 22,3%
Não sabe/Não respondeu: 3%
Metodologia da Paraná Pesquisas


O Instituto Paraná Pesquisas ouviu 2.010 eleitores entre os dias 24 e 28 de julho. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

terça-feira, 27 de julho de 2021

Advogada de Roseana Sarney é nomeada por Bolsonaro para juíza titular do TRE-MA


A ex-chefe da Casa Civil no governo Roseana Sarney, Anna Graziella Neiva, foi nomeada pelo presidente Jair Bolsonaro como a nova juíza titular do Tribunal regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA). Ela é advogada com especialidade em direito público e faz parte da Comissão especial Eleitoral do Conselho Federal da OAB.

Anna Graziela também foi presidente da Fundação da Memória Republicana (Convento das Mercês).

O ato foi assinado na segunda-feira, 26, pelo presidente Jair Bolsonaro e publicado na edição desta terça-feira, 27, do Diário Oficial da União (DOU).

Anna Graziella assume a vaga aberta pela saída do advogado Bruno Duailibe, que deixou a Corte Eleitoral para assumir o cargo de procurador-geral do Município de São Luís.

Ela disputava a vaga com os advogados Megbel Abdalla e Thiago Brhanner Garcês Costa na categoria jurista.



segunda-feira, 26 de julho de 2021

Possível filiação de Bolsonaro ao PP preocupa Fufuca e alivia Marreca Filho


A busca do presidente Jair Bolsonaro por um partido político, que começa a ficar tensa à medida que se aproxima o prazo limite para que ele volte a ser um chefe de Estado dentro de uma das mais importantes regras da legislação eleitoral, a de pertencer a uma agremiação, cria duas situações no Maranhão.

A primeira é que, com o descarte da filiação do presidente no Patriotas, o deputado federal Marreca Filho, que preside o partido no estado, mergulhou no mar do alívio. Isso porque, se Jair Bolsonaro se filiasse ao partido, seguramente os graúdos do bolsonarismo exigiriam que o comando do partido no Maranhão fosse entregue ao senador Roberto Rocha, sem partido desde que perdeu o comando do PSDB para o vice-governador Carlos Brandão, e decidido a se filiar à agremiação que aceitar a filiação do presidente da República. Os Marreca já estavam se preparando para reagir à ordem de entregar o partido para o senador Roberto Rocha.

A outra situação é inversa: o deputado federal André Fufuca, que preside o PP no Maranhão perdeu o bom humor diante das especulações, alimentadas pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, de que seu destino partidário deverá ser a sua agremiação. A preocupação maior é também com fato de que o pacote incluiria também a entrega do comando do partido ao senador Roberto Rocha, pré-candidato bolsonaristas ao Governo do Estado. Mesmo correndo riscos, André Fufuca estaria disposto a resistir.

Além de não serem simpáticos o projeto de o presidente Jair Bolsonaro e sua trupe ingressarem em seus partidos, os deputados federais Marreca Filho e André Fufuca têm outro ponto em comum: não abrem mão de continuar na aliança partidário liderada pelo governador Flávio Dino.

sábado, 24 de julho de 2021

Bomba! Órgão Federal no Maranhão estaria cobrando propina de pescadores e agricultores


O Blog recebeu na manhã desta sexta-feira (23), uma grave denúncia envolvendo um órgão do governo federal no Maranhão.

As denúncias atingem diretamente a Superintendência de Agricultura e Pesca, controlada pelo partido de um dos principais integrantes da base do presidente Jair Bolsonaro no Senado, Senador Roberto Rocha, do PSDB.

De acordo com as denúncias, a instituição vem se transformando numa verdadeira ‘caixa preta’ da corrupção.

Ainda de acordo com as denúncias, funcionários vem aderindo à prática de chantagem e extorsão com pescadores e agricultores.

O pior, segundo a fonte, é que tudo acontece na ‘graça e na paz’ de pessoas do alto escalão do Órgão.

A suspeita é que uma verdadeira organização criminosa esteja atuando na Superintendência. No centro deste escândalo estaria um certo Trovão, que, com os pagamentos de propina, fica na ‘graça e na paz’ com todos.

Abre o olho Polícia Federal.

Maldine Vieira

quinta-feira, 22 de julho de 2021

Roberto Rocha e a possibilidade de filiação de Bolsonaro ao PP


O senador Roberto Rocha (sem partido) aposta na filiação do presidente Bolsonaro ao PP. Com isso, Rocha acredita que pode resolver seu destino partidário e viabilizar sua candidatura majoritária.

Bolsonaro estava com sua filiação praticamente certa no Patriota, mas o presidente da legenda, Adilson Barroso, afirmou que foi avisado por interlocutores do presidente que o chefe do Executivo não deve concorrer às eleições presidenciais de 2022 pelo partido.

Agora, com a ida do senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, para um dos principais ministérios do governo, além de Bolsonaro se acertar com o Centrão, certamente já costurou sua filiação ao Progressistas.

De olho nessa movimentação está Roberto Rocha. Ele tem dito que aguarda o novo partido do presidente para acompanhá-lo. Aliados de Rocha já andam otimistas com a possibilidade do senador ter o comando do PP no estado.

Por outro lado, o deputado federal André Fufuca, presidente da sigla, goza de muito prestígio com a direção nacional do PP e seus caciques, entre eles o presidente da Câmara, Arthur Lira. Será uma disputa de gigantes.

quinta-feira, 15 de julho de 2021

Após trair Bolsonaro, Kajuru quer renunciar


Semanas após divulgar conversa com o presidente Jair Bolsonaro e ajudar a agravar a crise política no Brasil, o senador Jorge Kajuru (Podemos) disse que pensa em renunciar ao mandato ainda neste ano. A declaração foi dada em entrevista ao site Poder360.

Na conversa, o senador afirmou que a única razão pela qual ele continua no cargo é a sua equipe parlamentar. Kajuru disse “não querer morrer de terno e gravata”.

Antigo aliado do presidente, Kajuru usou a proximidade a Bolsonaro para divulgar uma conversa entre ele e o presidente sobre a CPI da Covid. Após o episódio, ele se voltou contra Bolsonaro e acabou se tornando um dos autores da notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro no caso Covaxin.

Kajuru, que chegou a ser uma esperança de renovação política nas últimas eleições, mostrou-se uma espécie de Alexandre Frota. Midiático e desbocado, o senador passa à distâncias das grandes discussões do Congresso Nacional e ganha notabilidade apenas por espetáculos absurdos. Até mesmo este anúncio de possível renúncia pode ser um deles.

Kajuru mostra que a política tradicional, chamada de velha política, não é o fundo do poço.

sexta-feira, 9 de julho de 2021

Exclusivo! O dossiê que apavora civis e militares do governo Bolsonaro


Tanto os lances finais da sessão da CPI da Covid que ouviu o ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, como a reação dos comandantes militares às declarações de Omar Aziz (PSD-AM) sobre a existência de um “lado podre” nas Forças Armadas tem que ser interpretadas à luz de um fato novo: a crença de que está escondido na Europa um dossiê que Dias preparou enquanto estava no Ministério da Saúde para se blindar de acusações.

Depois que o cabo da PM Luiz Paulo Dominghetti declarou à CPI ter recebido de Dias um pedido de propina de US$ 1 por dose de vacina e teve o celular apreendido, o ex-diretor de logística foi demitido e percebeu que não teria alívio na CPI.

Logo, começaram a circular nos bastidores de Brasilia informações de que o afilhado político de Ricardo Barros (PP-PR) tinha feito um dossiê sobre casos de corrupção no ministério e iria à comissão disposto a entregar todo mundo.

O recado chegou à CPI por meio de gente próxima a Dias e mesmo de jornalistas, configurando a guerra de nervos que se deu antes do depoimento.

Quando Dias se sentou diante dos senadores, a expectativa dos membros do G7, o grupo de oposição e independente que comanda a comissão, era de que ele fizesse como o deputado Luis Miranda ou o PM Dominghetti e, cedo ou tarde, fizesse alguma revelação bombástica. Não foi bem o que aconteceu.

Embora a toda hora alguém perguntasse se era verdade que ele havia emails da Casa Civil de Bolsonaro pedindo para “atender pessoas” – tipo de informação que segundo os senadores estaria disposto a dar na CPI –, Dias negou.

Mas, quando Aziz o pressionou para dizer se tinha feito mesmo um dossiê, o ex-diretor do Ministério da Saúde não confirmou, nem negou, criando um suspense que só aumentou a tensão.

Renan Calheiros (MDB-AL) ainda apertou Roberto Dias para dizer quem era Ronaldo Dias, seu primo que é dono do laboratório Bahiafarma – e que, segundo disseram à CPI, estaria com o tal dossiê. O ex-diretor apenas confirmou o laço entre eles e não disse mais nada.


E aí entram os militares

No governo Bolsonaro, o ministério da Casa Civil, citado nas perguntas dos senadores, tem sido ocupado por generais. Hoje, o general Luiz Eduardo Ramos. Antes, o general Walter Braga Neto, que agora está no ministério da Defesa, e que coordenou o comitê de esforços contra a Covid montado pelo presidente Jair Bolsonaro. Portanto, citar a Casa Civil num dossiê, como sugeriu Omar Aziz, não seria trivial.

De imediato, porém, quem saiu chamuscado do depoimento foi um coronel. Segundo Dias, era Elcio Franco, o secretário-executivo do ministério, quem concentrava todas as negociações de vacina.

A todo momento, Dias empurrava as responsabilidades para o 02 de Pazuello. O diretor de logística contou ainda que teve os principais subordinados substituídos por militares assim que Pazuello assumiu o ministério, deixando claro que havia uma rixa entre ele e os militares.

Nas palavras de um membro da CPI bastante experiente em ocupação de espaços no governo, “os militares chegaram ao ministério da Saúde e constataram que o território já estava ocupado pelo Centrão”.

Foi nesse clima que, durante a sessão, o presidente da CPI Omar Aziz sapecou ao microfone que “membros do lado podre das Forças Armadas estão envolvidos com falcatrua dentro do governo”.

E foi essa declaração que, pelo menos oficialmente, motivou a nota dos comandantes militares, dizendo que “as Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro.”

O saldo final da crise ainda está por ser medido. Ao longo da noite, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e vários outros senadores, se esforçaram para diminuir a temperatura do conflito com os militares, expressando respeito às Forças Armadas. A preocupação, porém, continua.

Até porque Roberto Dias saiu do plenário preso, acusado de mentir à CPI, e foi solto horas depois, sob fiança. Mas, mesmo sem ter dito nada, deixou no ar seco de Brasília a crença de que ele ainda tem guardado, em algum lugar, um dossiê que pode explodir a República, levando junto a imagem dos militares no governo.

Contrariando Bolsonaro, TSE afasta presidente do Patriota


O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, decidiu acatar um pedido da ala do Patriota contrária à filiação de Jair Bolsonaro (sem partido) e afastar Adilson Barroso do comando do partido. A decisão é passível de recurso, mas já significa um revés para Bolsonaro, que quer se filiar ao Patriota para lançar sua candidatura ao segundo mandato.

“Foram anuladas todas as atitudes dele (Adilson Barroso), que nós chamamos de irregulares. Estão voltando todos os delegados (afastados pelo presidente) e contrários a filiação de Bolsonaro), está afastando Adilson e Ovasco Resende assume a presidência”, afirmou Jorcelino Braga, secretário-geral do Patriota, ao Estadão.

Uma convenção nacional do Patriota decidiu, no dia 24 de junho, afastar por 90 dias Adilson Barroso da presidência do partido. A reunião foi convocada pelo vice-presidente da sigla, Ovasco Resende, que assume o comando de forma interina. A mudança ocorre no momento em que o presidente Jair Bolsonaro negocia a filiação à legenda para lançar sua campanha à reeleição. Barroso é a favor da entrada de Bolsonaro no partido e Resende, contra.

A articulação de Bolsonaro para se filiar ao Patriota e controlar diretórios estratégicos deflagrou uma guerra entre correligionários. Barroso, por exemplo, já promoveu duas convenções com o objetivo de abrir caminho para a filiação de Bolsonaro, mas uma ala contestou a validade dos encontros por delegados da Executiva Nacional terem sido trocados. A convenção do último dia 24 foi a terceira em menos de um mês.

Resende disse ao Estadão que Bolsonaro está exigindo o comando dos diretórios do Patriota em São Paulo, Rio e Minas Gerais, os três maiores colégios eleitorais do País. Desde que deixou o PSL, em novembro de 2019, o presidente procura uma sigla para abrigar sua candidatura a um novo mandato, em 2022. Tentou montar o Aliança pelo Brasil, mas a empreitada não deu certo.

Saiba o teor da conversa entre Bolsonaro e Sarney


Durante o encontro que teve com José Sarney nesta semana, revelado pelo Valor, o presidente Bolsonaro apenas reclamou. Reclamou, reclamou, reclamou.

E por que isso é uma notícia? Porque mostra como o presidente está acuado diante dos avanços das investigações da CPI da Covid-19 e o aumento galopante de sua rejeição.

Durante mais de uma hora com Sarney, o presidente criticou a Comissão, o Congresso e até o Supremo Tribunal Federal.

Saiu de lá sem pedir o que requisitou ao ex-presidente quando o encontrou em abril: uma trégua com o MDB, partido do ex-presidente e que tem a relatoria da CPI, com Renan Calheiros.

Pressionado pelas investigações da CPI da Covid e em meio ao aumento da rejeição ao governo — o Datafolha mais recente aponta que 51% desaprovam a gestão —, o presidente Jair Bolsonaro recorreu, mais uma vez, aos conselhos do ex-presidente José Sarney. O encontro, em Brasília, ocorreu na terça-feira, e também teve a presença do ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos. A informação é do jornal “Valor Econômico”.

Integrantes do MDB analisaram a movimentação do Palácio do Planalto como uma tentativa de “sair do isolamento” . Os emedebistas, no entanto, avaliam que o momento de fazer um aceno para a CPI já passou e que o desgaste de Bolsonaro no colegiado é “irreversível”.

Esta é a segunda vez que Bolsonaro procura Sarney desde o início dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito. No final de abril, enquanto senadores governistas travavam um embate com o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), Bolsonaro promoveu o encontro com o ex-presidente para tentar viabilizar um diálogo com o senador e o MDB. Na época, o presidente fez uma ligação para o filho do relator, Renan Filho (MDB), governador de Alagoas, para que o encontro ocorresse.

O ex-presidente José Sarney costuma ser procurado por correligionários e outros políticos em busca de conselhos e estratégias para atuação em Brasília. O ex-presidente Michel Temer (MDB) teve Sarney como um de seus principais mentores durante a crise provocada pelas delações premiadas de executivos da JBS. Temer, por sua vez, também se tornou um interlocutor de Bolsonaro. Em março, o ex-presidente sugeriu que o atual titular do Palácio do Planalto “assumisse” os erros cometidos na condução da pandemia e propusesse um pacto com a sociedade e outros Poderes.

Bolsonaro e Lula disputam apoio de José Sarney


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) visitou o ex-presidente José Sarney na última quarta-feira (7), em compromisso que não entrou na agenda oficial. Esta já é a segunda vez que Bolsonaro visita o maranhense neste ano. 

Da última vez, o objetivo da investida foi convencer Sarney a conter o seu colega de partido, Renan Calheiros, relator na CPI da Covid. Após a primeira visita de Bolsonaro, acontecida em maio, o ex-presidente Lula também foi ao encontro de José Sarney.

Político mais longevo do país na atualidade, José Sarney ocupa o posto de principal conselheiro de presidentes quando o Brasil entra em rota de crises institucionais. Foi assim com Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma Rousseff, Michel Temer e, mais recentemente, com Jair Bolsonaro.

Presidente do país durante a redemocratização e promulgação da Constituição de 1989, José Sarney foi deputado federal, governador e senador. Ele ainda ocupou por diversas vezes a Presidência do Senado.