quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Deputado do MA vai ao STF saber se é investigado por venda de emendas


O deputado federal Pedro Lucas Fernandes (PTB-MA) ingressou no STF (Supremo Tribunal Federal), na última sexta-feira (15), requerimento de acesso à informações com objetivo de saber se é alvo de procedimentos investigatórios que apuram a suspeita de desvio de emendas parlamentares destinados a municípios do Maranhão.

A resposta foi concedida nessa segunda-feira (18), em decisão proferida pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux.

Segundo Fux, em pesquisa fonética realizada nos sistemas informatizados do Supremo, tanto pelo nome completo quanto o CPF do parlamentar, não foram encontrados processos em tramitação em nome do petebista, exceto a própria petição em que buscou a informação.

Contudo, destaca o ministro na decisão, a pesquisa processual realizada não considerou a busca por processos sigilosos. Por esta razão, Fux determinou o arquivamento do processo.

O pedido de informações de Pedro Lucas ao Supremo foi feito pelo escritório Aragão & Tomaz Advogados Associados, dos sócios Eugênio José Guilherme de Arazão e Willer Tomaz de Souza, na mesma data em que reportagem da revista Crusoé citou o parlamentar entre os investigados em um inquérito sigiloso que corre no STF com objetivo de apurar a suspeita de compra e venda de emendas parlamentares.

Horas antes da decisão de Fux, Pedro Lucas disse que não era investigado, e que a citação ao nome dele pela Crusoé relata a destinação de uma emenda de R$ 4 milhões para Arame que, segundo ele, “ainda não foi nem aprovada na CEF [Caixa Econômica Federal]”. O município é comandado pelo ex-deputado federal Pedro Fernandes, também do PTB e pai de Pedro Lucas.

Sobre o pedido feito ao STF, alegou ter feito para garantir “direito de resposta e outros direitos”, e rebateu a informação de que faça parte do grupo político comandado pelo deputado federal Josimar Maranhãozinho (PL-MA).

De acordo com a Súmula Vinculante 14, procedimentos eventualmente sigilosos têm seu acesso garantido exclusivamente às partes e seus advogados. Na decisão sobre o pedido de Pedro Lucas, porém, Fux destaca que esse acesso ocorre “sempre que inexista prejuízo para a realização de diligências, razão pela qual esta Presidência não detém informação sobre feitos desta natureza”.

O inquérito revelado pela Crusoé segue a mesma linha de outra apuração no Supremo, também sigilosa, revelada no último 8, que envolve pelo menos outros quatro congressistas maranhenses em suposto desvio de valores de emendas parlamentares destinadas a municípios maranhenses, inclusive por congressista de outro reduto eleitora.

Os alvos são: os deputados federais Josimar Maranhãozinho, Pastor Gil (PL-MA) e Hildo Rocha (MDB-MA), além do senador Roberto Rocha (PSDB-MA).

A investigação foi instaurada com base em anotações manuscritas e mensagens em aparelhos celulares apreendidas no bojo da Operação Ágio Final, deflagrada pela PF do Maranhão em dezembro de 2020, com objetivo de desarticular suposto esquema de extorsão contra prefeituras maranhenses que foram beneficiadas com emendas destinadas por diversos congressistas.

A citação aos parlamentares e o fato dos valores discriminados nas anotações serem idênticos aos valores das emendas destinadas não configuram prova do envolvimento deles nos crimes apurados, mas os indícios levaram a PF a investigar a suposta conexão.

Procurados, apenas Roberto Rocha e Hildo Rocha retornaram o contato.

“Eu investigado?? Por quem e por que??? Então estão investigando 81 senadores e 513 deputados. A menos que alguém tenha colocado meu nome em algum desses inquéritos. Eu até imagino quem seja”, respondeu o senador tucano, sem entrar em detalhes a respeito da suspeita apurada pela PF nem sobre quem teria “colocado” o nome dele na apuração.

Já o emedebista, em nota enviada por sua assessoria, ressaltou haver presidido nesta semana audiência pública da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados, na qual teve a participação do ministro da CGU (Controladoria-Geral da União), Wagner Rosário. Durante a apresentação de relatórios de auditorias feitas em convênios e aquisições de equipamentos com recursos federais, Rosário revelou a possibilidade de haver negociatas com emendas parlamentares.

“Segundo ele, a CGU em conjunto com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal estão apurando possíveis irregularidades realizadas com emendas. Entretanto, não foram apontados nomes de investigados”, disse Hildo Rocha.

O Blog apurou que o inquérito foi originalmente instaurado pela Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros da Polícia Federal no Maranhão, quando buscava apurar suposta prática de associação criminosa e tráfico de influência que seriam encabeçadas pelo agiota Josival Cavalcante da Silva, mais conhecido como Pacovan.

No curso das investigações, foi identificada a possível relação dos parlamentares com os delitos apurados, com isso os autos foram remetidos para o STF, em razão do foro por prerrogativa de função dos deputados e do senador da República. A suspeita é de que o grupo tenha recebido até 25% do valor total das emendas destinadas aos municípios maranhenses, como suposto pagamento de propina, mediante comissão de Pacovan, supostamente obtido por meio de contratos com empresas de fachada.

O relator do caso no Supremo é o ministro Ricardo Lewandowski.

Em publicação nas redes sociais, o deputado Josimar Maranhãozinho classificou a suspeita levantada pela PF como perseguição de adversários políticos na disputa de 2022, por estar postulando concorrer ao Palácio dos Leões em oposição ao grupo político controlado pelo governador Flávio Dino (PSB).

“Sinceramente, nem me surpreendo com tamanha perseguição e má fé, por parte de alguns indivíduos. Não são capazes de superarem meus trabalhos e partem para a difamação. Nessa ‘selva", algumas ratazanas se escondem em alcovas de leões. Mas, às vezes, caem em sua própria armadilha”, escreveu.

Por Atual 7

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Flávio Dino manda trocar rede telefônica do Palácio dos Leões


Faltando menos de um ano para a próxima eleição, o governador Flávio Dino (PSB) determinou a realização de manutenção, reparos e substituição de peças das centrais telefônicas do Palácio dos Leões e anexos e a residência oficial do vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão (PSDB), no Jardim Eldorado, bairro de classe alta vizinho ao Turu. A contratação dos serviços é de responsabilidade da Secretaria de Estado de Governo (Segov), pasta que tem a missão constitucional de atender as necessidades diretas do chefe do Poder Executivo estadual.

De acordo com o edital da licitação, na modalidade pregão eletrônico, do tipo menor preço, a empresa contratada realizará a manutenção preventiva e corretiva, com substituição de peças, de todas as residências oficiais do Governo do Estado do Maranhão. O certame foi aberto em 1° de setembro deste ano, a exatos 396 dias do pleito, que tem o 1° turno marcado para 2 de outubro de 2022.

O gasto estimado do contrato é de R$ 169.223,67 (cento e sessenta e nove mil, duzentos e trinta e três reais e sessenta e sete centavos). O prazo de vigência é de 12 meses.

Entre os serviços previstos estão a “manutenção do ramal de ligação do ponto de entrega da operadora até as centrais telefônicas e das centrais até os ramais, incluídas possíveis substituições do cabeamento e remanejamento de linhas”. A empresa contratada também está obrigada a “testar e aferir os aparelhos telefônicos e emitir laudos dos aparelhos com defeito, informando os problemas encontrados e as orientações de correção dos mesmos”.

Outra obrigação assumida pela empresa contratada é a de “apresentar sugestões que viabilizem a melhoria, expansão ou adequação do sistema e seus componentes, devendo o acatamento ser de responsabilidade da contratante (Segov)”.

Comunicação sem ruídos

Ao justificar a contratação do serviço, a Segov faz as seguintes considerações no edital: necessidade de evitar problemas de conexão e comunicação, facilitando o contato dentro das Residências Oficiais do Governo do Estado do Maranhão e garantindo assim o serviço essencial realizado nesses espaços. Alega, ainda, que “o sistema de telefonia das Residências Oficiais do Governo do Estado do Maranhão (Palácio dos Leões, anexos do Palácio dos Leões e Residência do Vice-Governador), requer uma manutenção permanente para garantir um funcionamento satisfatório, evitando problemas tais como ramais inoperantes, linhas cruzadas e telefones com ruídos, garantindo assim um funcionamento eficaz”.

As especificações dos serviços contidas no edital são puramente técnicas. Não há qualquer menção a grampos telefônicos no documento. Mas, diante das articulações cada vez mais e outras movimentações políticas da pré-campanha, a tendência é que a preocupação com o risco de vazamentos de informações seja crescente. Dino e Brandão que o digam, já que tudo caminhe para que o primeiro renuncie para disputar o Senado e segundo o substitua no cargo e concorra à reeleição. Diante de tal cenário, os acertos e combinações, alguns nem um pouco republicanos, devem ser mantidos no mais absoluto sigilo.

Portanto, a preocupação em manter a rede telefônica palaciana no mais perfeito funcionamento e à prova de espionagem é mais do que justificável. Sendo assim, estaria o governador com medo de provar do próprio veneno?

Não entendeu ou esqueceu? Entenda ou relembre clicando aqui.

Abaixo, as páginas iniciais do edital da licitação:



Por Daniel Matos

terça-feira, 19 de outubro de 2021

Câmara convoca nova sessão para discutir vetos à LDO 2022


A Câmara Municipal de São Luís realizará, nesta quarta-feira, 20, uma nova sessão para discutir os vetos feitos pelo prefeito Eduardo Braide (Podemos) à Lei de Diretrizes Orçamentárias para o ano de 2022.

A sessão ocorrerá no plenário Simão Estácio da Silveira, a partir das 9h, com transmissão ao vivo pelo site da Câmara e pelo canal da Casa Legislativa no YouTube. A pauta retorna ao plenário após o pedido de vista concedido ao vereador Astro de Ogum (PCdoB). Os vereadores têm até 30 dias para apreciação, conforme o Regimento Interno da Câmara.

Vetos

O prefeito vetou duas emendas que modificaram o projeto inicial. Entre as emendas vetadas constam as que modificaram os parágrafos 3º e 4º, do art. 11 da LDO. A apreciação dos vetos ocorrerá em votação única, de forma aberta. Para derrubada dos vetos são necessários que pelo menos 16 dos 31 vereadores sejam favoráveis.

Ascom Câmara de SLZ

Prefeitura de Lago da Pedra fica em 1º lugar em transparência; São Luís, em 51º


Foi divulgada, pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Maranhão, a lista dos municípios mais transparentes do estado. A Prefeitura de Lago da Pedra, com Maura Jorge (sem partido), ficou em primeiro lugar, com nota 9.77 – nível A; já a da capital, São Luís, com Eduardo Braide (Podemos), aparece somente em 51º, com 8.59 – nível B.

Classificado como um dos piores em transparência, está São Pedro dos Crentes, 202º lugar do total de 217 cidades. A prefeitura é de Lahesio Bonfim (sem partido), pré-candidato a governador do Maranhão. Sua nota é de 3.45, nível C-.

O levantamento diz respeito ao cumprimento da Lei Complementar nº 131/09, que determina que os entes federativos divulguem informações detalhadas sobre a execução orçamentária e financeira. Os dados sobre os gastos públicos devem ser disponibilizados por meios eletrônicos de forma acessível, compreensível e em tempo real.

De acordo com o site do Tribunal de contas, “a avaliação consiste na verificação dos Portais da Transparência dos Poderes e Órgãos a fim de averiguar o cumprimento das exigências estabelecidas na Instrução Normativa nº 59/2020 – TCE/MA”.

A Instrução Normativa em questão tem três classificações: A (transparência igual ou superior a 90%); B (igual ou superior a 70%), C (igual ou superior a 40%) e C- (entre 0 e 39,9%).

Confira os 10 melhores municípios de acordo com o levantamento do TCE:

1º- Lago da Pedra – 9.77 – A

2º- Vitorino Freire – 9.72 – A

3º- Anajatuba – 9.55 – A

4º- Trizidela do Vale – 9.51- A

5º- Itinga do Maranhão – 9.47 – A

6º- São João do Paraíso – 9.47 – A

7º- Axixá – 9.44 – A

8º- Timon – 9.44 – A

9º- Imperatriz – 9.44 – A

10º- Lago dos Rodrigues – 9.4 – A

Felipe Camarão diz que pode ser candidato sem apoio de Flávio Dino


O secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, pré-candidato do PT ao Governo do Maranhão, deu ontem, 18, em entrevista exclusiva a O Estado divulgada nesta terça-feira, 19, uma interessante declaração sobre o seu projeto.

O petista disse que está disposto a “disputar até o último momento” o direito de ser o candidato apoiado pelo governador Flávio Dino (PSB) nas eleições do ano que vem, mas não aponta essa como condição decisiva para a pretensão de disputar a eleição majoritária no ano que vem.

Além dele, o Palácio dos Leões tem outros três nomes: o vice-governador, Carlos Brandão (PSDB), o senador Weverton Rocha (PDT), e o secretário de Estado da Indústria, Comércio de Energia, Simplício Araújo (SD).

De acordo com Camarão, o PT o terá como candidato se seu nome for aprovado pelo partido, mesmo que o governador declare apoio a outro nome. “Se o PT me escolher como candidato, eu serei candidato, de toda sorte”, destacou, garantindo que não é “balão de ensaio”, nem está trabalhando por candidatura a vice.

“Não existe nenhum tipo de interesse de ser um balão de ensaio, um blefe, para fortalecer uma suposta candidatura a vice. Não tenho essa pretensão, e nem me vejo com essa possibilidade por conta das nossas conversas internas no partido. É bem claro: ou eu sou candidato a governador, ou, na remota hipótese de o partido não me dar aval para candidatura, eu serei candidato a deputado federal”, completou.

“Filhote de ditador”, diz Roberto Rocha sobre Flávio Dino


O senador maranhense Roberto Rocha, durante o fim de semana, nas redes sociais, voltou a subir o tom das críticas a postura do governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB).

Rocha repudiou a atitude do governador, que durante seu discurso na cidade de Caxias teria ofendido o vice-prefeito do município, Paulo Marinho Júnior. O senador destacou que Dino segue fazendo campanha antecipada.

“O governador Flávio Dino segue fazendo campanha pelo interior do Maranhão ofendendo e agredindo quem não lhe beija a mão. Agora, em Caxias, terra do poeta Gonçalves Dias, desnecessariamente agrediu covardemente o jovem empresário e vice prefeito da cidade, Paulo Marinho Júnior, na sua ausência”, afirmou Roberto Rocha, que já havia lamentado atitude semelhante contra a prefeita de Chapadinha.

O senador disse que Dino seria carreirista e um filhote de ditador. Roberto Rocha ainda disse que o governador não deixará o cargo em abril para disputar o Senado, estaria apenas enganando aliados sobre as eleições de 2022.

“O governador carreirista comunista, filhote de ditador, deveria respeitar pelo menos a história de Caxias, lugar que ele chegou em 2006 de paraquedas. Atualmente, seu projeto é de manutenção de poder. Só isso!! Por isso mesmo está enganando todos os seus “aliados”, porque ficará no governo e não será candidato ao Senado”, disse.

Roberto Rocha ainda classificou Dino de dissimulado e que teria vontade de lhe enfrentar numa disputa pelo Senado. O senador encerrou dizendo que se arrepende de ter ajudado Flávio Dino a chegar ao Palácio dos Leões, nas eleições de 2014, quando ainda eram aliados.

“Eu, pessoalmente, gostaria muito de enfrentar Flávio Dino para o Senado, mas isso não depende de mim. Dependerá das circunstâncias!! Como ele é dissimulado, mais falso que uma nota de 17 reais, não posso me posicionar ainda. Ao governador Flávio Dino, meu desprezo e arrependimento, por ter viabilizado sua candidatura ao governo do Estado em 2014.”, finalizou.

Flávio Dino, como de costume, fez cara de paisagem e não respondeu as duras críticas do senador maranhense.

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Doador de campanha de Othelino Neto tem salário de R$ 32 mil na Assembleia Legislativa


Um levantamento realizada pelo Blog junto ao Sistema de Divulgação de Candidaturas e de Prestação de Contas Eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), apurou alguns fatos até então desconhecidos sobre a campanha do deputado e atual presidente da assembleia legislativa Othelino Nova Alves Neto, do PCdoB.

O que mais chamou atenção do titular deste blog foi o ranking de doadores de campanha.

Ocupando a 4ª colocação, consta o nome do economista e bacharel em direito Bráulio Nunes de Souza Martins, com doação no valor de R$ 25 mil. O montante foi repassado via transferência eletrônica.


Bráulio Martins fez doação de R$ 25 mil à campanha de Othelino Neto.

Até aí tudo bem. Ocorre, que de acordo com o quadro de servidores do legislativo estadual, o economista ocupa o cargo de diretor geral da Mesa, e tem salário de nada mais nada menos que R$ 32 mil.

O ‘supersalário’ é maior que dos próprios deputados, que possuem remuneração em torno de R$ 25 mil, e supera até mesmo do governador Flávio Dino.

A doação é referente a campanha eleitoral de 2018, quando Othelino Neto já exercia o cargo de presidente e pleiteava o terceiro mandato de deputado.


O nome de Bráulio Martins chegou ocupar páginas de noticias em 2020, quando setores da imprensa denunciaram um escândalo de ‘supersalário’ no legislativo. À época, foram identificados salário que, sabe-se lá como, chegavam a casa dos R$ 57 mil.

O que ninguém sabia, talvez, é que o mesmo dono de um desses supersalários havia dado uma ‘ajudinha’ a campanha do chefe.

Além do economista, outros funcionários que também ocupam cargo do alto escalão fizeram doações a campanha de Othelino Neto. Mas, este e outros assuntos serão abordados nas próximas matérias.

Por Maldine Vieira

domingo, 17 de outubro de 2021

Cadê a Justiça Eleitoral? Flávio Dino faz campanha antecipada ao Senado em eventos do governo


Governador do Maranhão vem difundindo que vai disputar a Câmara Alta durante atos institucionais custeados com dinheiro público.

Livre de qualquer importunação pública por parte do MPE (Ministério Público Eleitoral) e diante de uma oposição fraca e desarticulada, o governador Flávio Dino (PSB) vem usando eventos custeados pelos cofres públicos do Estado do Maranhão, de forma cada vez mais reiterada, para fazer propaganda da própria pré-candidatura ao Senado Federal em 2022.

A estratégia é ordinária, e beira a abuso de poder: durante atos de assinatura de serviços ou entrega de obras em cidades maranhenses, diante da presença massiva da população local, Dino exalta qualidades de seu vice-Carlos Brandão (PSDB), como honestidade e lealdade, para semear que vai deixar o comando do Palácio dos Leões até abril do ano que vem, em busca de uma vaga na Câmara Alta.

A divulgação mais recente sobre a pré-candidatura ocorreu em Caxias nessa sexta-feira (15), quando foram entregues as obras da Praça da Família, do novo Parque Ambiental e do Centro de Referencia da Juventude, e garantidas a entrega de sete toneladas de alimentos e 15 kits feira para o município.

“Saio no dia 2 de abril para disputar a eleição para o Senado, mas saio com uma tranquilidade, porque sei que quando eu sai, as coisas terão continuidade, o Brandão conhece o governo, não foi um vice decorativo, ele me acompanhou nesses anos todos e tenho certeza que nesse período, que ele vai me suceder, vamos fazer muita coisa boa pelo Maranhão”, disse.

Desde o início de outubro, o procurador-regional Eleitoral no Maranhão é Hilton Araújo de Melo, nomeado para o cargo em substituição ao procurador da República Juraci Guimarães Júnior.

Apesar da mudança na chefia, pelo menos publicamente, a leniência do MPE, que em tese tem como missão precípua buscar a punição e a responsabilização daqueles que praticaram crimes eleitorais, segue a mesma em relação a Flávio Dino.

Já a oposição, além de desunida, pouco representa contra o governador do Maranhão nos órgãos de controle e de fiscalização, menos ainda com acompanhamento responsável.

A Justiça Eleitoral veda a propaganda eleitoral antecipada, que seria aquela realizada antes de 5 de julho em ano eleitoral. Para se configurar como crime eleitoral, no entanto, é preciso que haja pedido explícito de voto. Contudo, há abuso de poder, que pode levar à inelegibilidade, quando o agente público usa recursos públicos para se promover eleitoralmente.

No caso de Dino, a citação reiterada para a população sobre a pré-candidatura ao Senado, durante entrega de benefícios em eventos institucionais, assemelha-se mais a ato de campanha do que de governo.

Por Atual 7

‘Quem aumenta ICMS não respeita a população’, dispara Josimar


A declaração foi feita pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), sobre o projeto que estabelece valor fixo para a cobrança de ICMS sobre combustíveis (saiba mais) – considerado inconstitucional pelo governador Flávio Dino (PSB):

“Votei favorável ao projeto que estabelece valor fixo para ICMS de combustíveis. Na prática, teremos redução média de 8% para a gasolina e 3,7% para diesel B. Significa a manutenção de empregos e – custo logístico. Quem aumenta ICMS em tempos de crise, não respeita a população”.

A declaração pareceu um recado ao socialista maranhense.

Em novo bate-boca, Lula diz que Covid pode ter afetado cérebro de Ciro


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) respondeu nesta quinta-feira (14) à fala do também presidenciável Ciro Gomes (PDT) de que o petista teria conspirado pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

A fala de Ciro na quarta-feira (13) desencadeou um bate-boca com Dilma no Twitter, apesar de o pedetista ter sugerido uma trégua com o PT em nome do impeachment de Jair Bolsonaro.

Membros de PT e PDT minimizaram o efeito da nova briga sobre a formação de uma frente ampla, mas o episódio afastou ainda mais as alas da esquerda. Nesta quinta, Lula rebateu Ciro, que respondeu logo em seguida.

“Eu não vou falar do Ciro. O que ele fez ontem [quarta-feora] foi tão banal, foi tão grosseiro, que às vezes eu fico pensando, como Jesus Cristo na cruz dizia: ‘Pai, perdoai os ignorantes, eles não sabem o que fazem'”, disse Lula à rádio Grande FM de Dourados (MS).

“Eu às vezes fico pensando, não sei se o Ciro teve Covid ou não, mas me disseram que quem tem Covid tem problemas de sequelas, alguns têm problema no cérebro, de esquecimento, eu não sei. Mas não é possível que um homem que pleiteia a Presidência da República possa falar as baixarias que ele falou ontem”, continuou o ex-presidente.

“Eu só lamento profundamente que seja assim. Eu só não sei o que ele está querendo, mas quem planta vento colhe tempestade”, completou o petista.

Ciro teve Covid em outubro de 2020. Segundo divulgou na época, após apresentar sintomas leves de gripe, o pedetista fez o teste e teve resultado positivo.

O pedetista enviou à Folha uma nota de resposta a Lula, afirmando não ter tido sequelas.

“Já tive [Covid] em outubro do ano passado. Estou bem e não fiquei com sequelas. Mas trágico mesmo seria ter uma sequela moral, como a do notório Lula, que com este comentário infame acaba de agredir milhões de mortos e sobreviventes da Covid”, afirmou Ciro.

Na nota, o pedetista volta a lembrar as reuniões de Lula com nomes do MDB, algo que para ele evidencia a conspiração de Lula pelo impeachment de Dilma.

“Agora, sem zuada, gritaria ou fuga pseudo-engraçada, [Lula] pode explicar ao povo brasileiro o acordo com Renan [Calheiros. MDB], Eunicio [Oliveira, MDB], Jucá [MDB], Geddel [MDB], Eduardo Cunha [MDB] e Sergio Cabral [sem partido] para assaltar de novo o Brasil?”, segue Ciro.

Também nesta quinta, Ciro divulgou um vídeo em que comenta a discussão com Dilma e volta a criticar o PT, mais especificamente “a corrupção do governo Lula e a incompetência do governo Dilma”.

Segundo Ciro, após o que chamou de “cutucada”, o PT revelou medo, arrogância e hipocrisia.

“Eu disse de passagem, numa entrevista, que vendo os fatos de trás para diante, tenho hoje a convicção de que Lula foi um dos principais responsáveis pela queda de Dilma. Disse também que os principais responsáveis por essa pavorosa tragédia que nos ameaça hoje, esse governo criminoso de Bolsonaro, foram a corrupção e a incompetência do PT”, disse o pedetista.

“Os cães raivosos silenciaram quanto a esta última denúncia, que eles, aliás, nunca conseguem responder. E tentaram fazer com que o mundo desabasse sobre mim”, continuou.

Segundo Ciro, Lula desestabilizou Dilma de forma consciente e inconsciente, ao lotear “o governo com os personagens mais corruptos da história do país” e definir que Michel Temer (MDB) seria vice-presidente.

“Lula fez isso muito especialmente quando, na ânsia de impedir a reeleição de Dilma, transformou seu famoso instituto num antro de intriga e conspiração. […] Ele ajudou a queda de sua ex-protegida por egoísmo, imprudência e uma sequência indesculpável de movimentos erráticos. O egocentrismo político sempre foi e continua sendo a característica mais marcante de Lula”, afirma Ciro no vídeo.

Ele diz ainda que Dilma o agrediu duramente e recebeu o troco, mas voltou atrás ao dizer que não se arrepende de ter lutado contra o impeachment. “Nunca me arrependerei de defender a democracia.”

Ciro também afirma que, se eleito em 2022, Lula pode reeditar o petrolão e o mensalão. “Com toda cegueira, oportunismo e soberba, ele já começa a fechar acordos com esses mesmos personagens sombrios do passado”, diz.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta quarta (13), Ciro fez duras críticas ao PT e responsabilizou Lula e Dilma pela eleição de Bolsonaro —inaugurando um novo capítulo na história recente de afastamento entre Lula e o pedetista.

“Hoje eu estou seguro que o Lula conspirou pelo impeachment da Dilma”, disse Ciro. “Eu atuei contra o impeachment e quem fez o golpe foi o Senado Federal. Quem presidiu o Senado? Renan Calheiros. Quem liderou o MDB nessa investida? O Eunício Oliveira. Com quem o Lula está hoje?”, questionou, mencionando interlocutores do petista.

As falas vêm após a proposta de Ciro de “uma trégua de Natal”. Depois de ter sido vaiado e alvo de pedaços de pau na manifestação pelo impeachment no dia 2, o pedetista declarou à imprensa que era preciso acalmar os ânimos das militâncias e promover entendimento em torno do impeachment de Bolsonaro.

Dilma respondeu no Twitter. “Ciro Gomes está tentando de todas as formas reagir à sua baixa aprovação popular. Mais uma vez mente de maneira descarada, mergulhando no fundo do poço. O problema, para ele, é que usa este método há muito tempo e continua há quase uma década com apenas um dígito nas pesquisas”, disse a ex-presidente.

“Na vida nunca menti. Mas errei algumas vezes. Uma delas quando lutei contra o impeachment de uma das pessoas mais incompetentes, inapetentes e presunçosas que já passaram pela presidência. Claro, que estou falando de você, Dilma”, respondeu Ciro.

O pedetista tuitou ainda que Lula foi um dos maiores responsáveis pela desestabilização de Dilma e que os dois “se merecem”.

Dilma voltou a tuitar, afirmando que Ciro tem “enorme presunção” e que sua visão é “misógina”.

“Para além disso, Ciro sistematicamente distorce os fatos. E, nisso, não se difere em nada de Bolsonaro. Ambos adoram quando os alvos de suas agressões reagem. Precisam disso para obter likes e espaço na mídia. […] Lamento ter, em algum momento, dado a Ciro Gomes a minha amizade”, publicou a ex-presidente. Folha de SP

sábado, 16 de outubro de 2021

Dalton Arruda participa de evento em homenagem aos Mototaxistas de Icatu


Na manhã deste sábado o Advogado e pré-candidato a Deputado Estadual, Dalton Arruda, esteve presente na homenagem aos profissionais que atuam no ramo de mototáxi e motofrete no município de Icatu. O evento iniciou com uma motociata pelas principais vias da cidade e finalizando com um grande reunião com os trabalhadores da categoria na Chácara Shallom.

Arruda agradeceu o convite e destacou que a categoria é um exemplo de coragem e determinação. “Gostaria de agradecer o convite para participar deste grande evento que mobilizou a cidade de Icatu e reafirmar o meu compromisso em para garantir melhores condições de trabalho e segurança a todos vocês que trabalham dia e noite debaixo de sol e chuva para sustentarem suas famílias, muitas das vezes arriscando suas vidas¨, disse.


O líder da categoria, Diego Silva, enalteceu a importância da homenagem para a categoria, cobrou das autoridades melhorias e agradeceu o apoio de Dalton Arruda aos mototaxistas. “Vocês estão aqui hoje para receberem esta justa homenagem que deveria ser feitas pelas nossas autoridades que nunca enxergaram e nunca fizeram nenhum beneficio em prol da nossa classe, a única pessoa que se olhou por nós foi o do Dr Dalton Arruda, que tanto tem nos ajudado em busca de melhorias e qualidade de trabalho para a categoria”, afirmou .

Na ocasião foram homenageados diversos profissionais do ramo de mototáxi e motofrete em reconhecimento aos serviços prestados à população de Icatu. 

Josimar e assessor de Edilázio abasteceram no ‘mercadão de emendas’, diz revista


Matéria publicada pela revista Crusoé diz que grupo do deputado Josimar de Maranhãozinho (PL) repassou mais de meio milhão de reais para os cofres do Partido Liberal no ano passado.

A Crusoé se refere a Maranhãozinho como “deputado do mercadão de emendas”. Ele é um dos parlamentares investigados por suposto envolvimento em um esquema de compra e venda de emendas no Congresso Nacional.

O deputado Edilázio Júnior (PSD)também é envolvido no esquema através de advogado nomeado em seu gabinete. Segundo a publicação, além do próprio Josimar, que transferiu 314,4 mil reais para as contas dos diretórios nacional e estadual do PL, a legenda também foi contemplada com mais 270 mil reais repassados por dois advogados que defendem Maranhãozinho e mais uma série de políticos do Centrão.

‘Um deles, José Helias Sekeff do Lago, também é assessor parlamentar do deputado maranhense Edilázio Junior, do PSD, aliado de Maranhãozinho. Ele recebe salário bruto de 15,7 mil reais e doou 150 mil reais para o PL por meio de oito transferências feitas entre os dias 8 e 20 de maio do ano passado’, diz a matéria.

Sekeff é nomeado no escritório político em São Luís do deputado maranhense. Edilázio é genro da desembargadora do Tribunal de Justiça do Maranhão, Nelma Sarney.

O advogado disse à Crusoé que o trabalho como assessor da Câmara é uma atividade “complementar”.

“Eu estou servidor, mas sou advogado. Trabalho para o cara do PSD, mas advogo para esse pessoal todinho, do PL, do PP, para várias prefeituras, para grandes construtoras. Pode parecer estranho, mas eu tenho capacidade para fazer isso (doação de 150 mil reais) e tenho como provar. Só no ano passado meu escritório faturou 6 milhões de reais”.

O poderoso assessor para atividades complementares do genro da desembargadora foi o advogado de Maranhãozinho nas eleições de 2018

A movimentação financeira do operador do Direito resume bem como funciona o Centrão no Nordeste, segundo a revista. Embora esteja lotado em um gabinete do PSD e tenha doado dinheiro para o PL, Sekeff diz que hoje é dirigente local do Progressistas, partido do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e do presidente da Câmara, Arthur Lira.

O repasse ao PL, Sekeff disse que foi uma doação para ajudar um amigo prefeito que não pode falar quem é.

“Ele estava saindo (da prefeitura) e me pediu: ajuda lá o Josimar que ele está precisando”.

A Crusoé ressalta na matéria que em sua mais recente edição, Maranhãozinho é um dos parlamentares investigados pelo Ministério Público e pela Polícia Federal por suposto envolvimento em um esquema de compra e venda de emendas parlamentares:

“Parte da verba vem do orçamento paralelo usado pelo governo Jair Bolsonaro para comprar apoio político no Congresso. Segundo a investigação, o dinheiro das emendas é repassado a prefeituras maranhenses indicadas pelo deputado e depois transferido a empresas de fachada pertencentes ao grupo político de Maranhãozinho. Na sequência, a verba vai para a conta da Construtora Madry, uma empresa que está em nome do próprio parlamentar e de sua irmã”.




Com informações do Blog do Garrone

Carlos Brandão continua sem força no governo de Flávio Dino


Depois do rompimento do deputado federal Josimar do Maranhãozinho com o governador Flávio Dino, o secretário de Estado da Agricultura (Sagrima), Sérgio Delmiro, que foi indicado por Josimar, procurou o vice-governador Carlos Brandão para se manter no cargo. E obteve a garantia.

Para isso, gravou um vídeo de elogios e apoio a Brandão. Seria um gesto de Dino de prestígio ao seu candidato em 2022. Aí veio o que muitos não esperavam e poucos não sabe: Brandão vem sendo refiado aos poucos da preferência do atual governador.

O secretário da Sagrima foi exonerado e em seu lugar a vaga foi entregue ao PT, e passou a ser ocupado pelo suplente de deputado estadual Zé Henrique Sousa, ligado ao pré-candidato a governador Felipe Camarão.

O não atendimento ao pedido de Brandão caiu como uma bomba entre os aliados do atual vice. Além disso, fortalece o projeto de Dino de permanecer até o final do mandato para apoiar o nome de Camarão.

Quem não viver, não verá. É só aguardar!

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Com recorde de arrecadação, Dino reage a mudança do ICMS


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), não concordou com a aprovação, pela Câmara dos Deputados, do projeto que estabelece um valor fixo para a cobrança de ICMS sobre combustíveis.

“O projeto é inconstitucional. Acredito que o Senado não terá dificuldade de reconhecer isso”, afirmou Dino,.em entrevista à CNN.

Segundo a reportagem, o maranhense e outros governadores, que não gostaram nada da mudança, planejam reação em duas frentes: aumentar a pressão sobre senadores para enterrar a mudança e ingressar no STF (Supremo Tribunal Federal) para questionar a iniciativa.

Sob Dino, o Maranhão cobra a quarta maior alíquota de ICMS na gasolina entre os estados brasileiros, e é vice-campeão na cobrança de ICMS do diesel.

Em 2021, até agosto, a gestão estadual já havia arrecadado R$ 1,8 bilhão só de ICMS sobre combustíveis.

Roseana e as contradições em apoiar Flávio Dino para o Senado


O MDB, com anuência de Roseana Sarney, pode vir a apoiar Flávio Dino para o Senado. A afirmação soa contraditória e até confusa, mas veio do deputado estadual e vice-presidente da legenda no Maranhão, Roberto Costa. A fala foi dada em entrevista à rádio local, na quarta-feira. Em tom apaziguador, Costa falou, várias vezes, em “diálogo com todas as correntes partidárias”, inclusive com adversários declarados, a exemplo do governador Flávio Dino. Um tom ameno e pouco comum na política, considerando o cenário, que o deputado estadual atribuiu a um “amadurecimento do MDB”.

Segundo Costa, essa possibilidade de o MDB aliar-se à Dino vem da própria conjuntura estadual da política. Os quatro principais pré-candidatos ao Governo são ligados a Flávio Dino e têm alguma relação com o MDB ou com o próprio Roberto Costa. Felipe Camarão, por exemplo, é amigo particular de Costa e foi secretário no governo Roseana; o vice-governador Carlos Brandão já foi do MDB; e por fim, Weverton Rocha e Edivaldo Holanda Junior, que ele classificou com o “nomes do diálogo” e aos quais teceu largos elogios pelos “avanços na política”.

Outra questão é o fato de, talvez, o MDB não lançar candidatura própria ao Senado. “Então, porque não conversar com o governador Flávio Dino, se os principais candidatos são ligados a ele? Por isso, defendo uma discussão muito mais ampla, com ele. Ele é parte do processo político”, frisou.

Ainda na linha do amadurecimento do partido, Roberto Costa afirmou que “ela também [Roseana] já descartou essa possibilidade de ser senadora, então, não teremos candidatura interna, por isso, sou a favor de defender o nome de Flávio Dino. Inclusive, sinto esse amadurecimento da própria ‘governadora’ Roseana, em discutir esse processo político de 2022 com Flávio Dino. Sinto que o partido está amadurecido para isso”.

E foi mais além, afirmando, no tom de paz que reina no MDB, que “não há sentimento de ódio que impeça um diálogo com o governador Flávio Dino ao Senado”. Deve ser a sequela da pandemia…

Na contramão do discurso paz e amor de Roberto Costa, hoje, em sua conta no Twitter, a ex-governadora Roseana Sarney, utilizando pesquisa do IBGE com tabelinha e tudo, criticou o governo Dino, lembrando a situação de extrema pobreza do Maranhão. “Volto ao tema da Extrema Pobreza com novos dados extraídos da PNAD/IBGE, incluindo o período 2012/2014, além do período 2015/2019, já publicado. Os números mostram queda acentuada no primeiro (pouco mais de 200 mil) e aumento significativo no segundo (mais 400 mil)”, escreveu.

Parece que o ‘clima de união’ só existe na cabeça de Roberto Costa.




Com informações do Blog Marrapá

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Hildo Rocha desafia Flávio Dino e defende Belezinha


Em pronunciamento na tribuna da Câmara Federal, ontem, o deputado Hildo Rocha defendeu a prefeita de Chapadinha, Belezinha, em relação ao episódio no qual o governador submeteu a gestora a constrangimento, durante ato público ocorrido na última sexta-feira, quando Flávio Dino insinuou que a prefeita seria mentirosa.

O caso, segundo explicou Hildo Rocha, foi originado a partir de um vídeo postado nas redes sociais, pela prefeita Belezinha, cujo conteúdo desagradou ao comunista. Na gravação, a gestora disse que o funcionamento da UPA de Chapadinha só está sendo possível graças às emendas parlamentares de Deputados.

“Ela reclamou que, nesses 10 meses da gestão dela, o Governo do Estado, não fez nenhum repasse para ajudar na manutenção da UPA. Isso é verdade. Onde está a mentira? A Prefeita reclamou com toda razão”, afirmou Hildo Rocha.

Desafio ao governador

O parlamentar desafiou o governador Flávio Dino a provar que a prefeita mentiu. “Quando queremos chamar alguém de mentiroso, nós devemos provar a mentira. Então, eu lanço um desafio: Governador Flávio Dino, prove que você mandou algum centavo para o Município de Chapadinha, para manter em funcionamento a Unidade de Pronto Atendimento daquela cidade”, anunciou Hildo Rocha.

Governo estadual desprezou o município

O parlamentar ressaltou que a prefeita também reclamou que durante o pico da pandemia o Governo do Estado não ajudou a combater a COVID-19. “Durante todo o período crítico da pandemia, a prefeitura trabalhou apenas com dinheiro do Governo Federal e com recursos próprios do município. Houve mês em que a prefeita Belezinha gastou na UPA 1 milhão de reais, e ela recebe apenas 75 mil reais por mês do Governo Federal. Ou seja, é o Município que está bancando o funcionamento da UPA”, argumentou o deputado.



Partidos articulam formação de federações e jogo político no Maranhão promete embolar


Duas semanas após o Congresso derrubar o veto presidencial e manter a possibilidade de os partidos se organizarem em federações, algumas das maiores legendas do país iniciam negociações: PP, PL e Republicanos abriram conversas nesse sentido, assim como o MDB com o Avante e o Solidariedade.

Os movimentos ocorrem logo após a criação do União Brasil, resultado da fusão entre DEM e PSL, que deverá ser a maior agremiação da Câmara assim que for oficializada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o que deve ocorrer no início da 2022. Também há negociações envolvendo Cidadania, Rede e PV, e, na esquerda, do PCdoB com o PSB.

Na semana passada, o ministro-chefe da Casa Civil e presidente licenciado do PP, Ciro Nogueira, trabalhou em duas frentes. Ele conversou com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e enviou mensagem ao presidente do Republicanos, Marcos Pereira, sugerindo que as três legendas se unam numa federação, com o objetivo de eleger uma bancada expressiva no Congresso nas eleições de 2022.

A ideia é assinar uma “união estável” entre os três partidos que já compõem a base do governo e normalmente votam juntos em boa parte dos temas, como, por exemplo, em pautas econômicas.

O eventual nascimento dessa tríade é uma tentativa de reequilibrar as forças no Congresso e, com isso, fazer frente ao recém-formado União Brasil, que só depende da chancela do TSE para existir, de fato. Uma vez oficializada, a nova legenda deverá contar com 81 deputados federais.

Somados, PP, PL e Republicanos teriam 116 deputados federais (42 do PP, 43 do PL e 31 do Republicanos), mais 12 senadores (7 do PP, 4 do PL e um do Republicanos), além de aumentar o tempo de propaganda na TV. Essa última alteração pode abrir caminho para o presidente Jair Bolsonaro ingressar no PP, com o qual tem negociado, para disputar a reeleição em 2022.

Josimar deve reforçar oposição a Flávio Dino na AL


O governo de Flávio Dino (PSB) deverá ter, a partir da sessão de hoje na Assembleia Legislativa, sete deputados compondo oposição na Casa. Até antes da operação Maranhão Nostrum, do Ministério Público Estadual, o Palácio dos Leões – desde 2015 – na verdade tinha de fato seis parlamentares no campo opositor a Dino. Em 2018, reduziu pela metade.Por divergências com Josimar de Maranhãozinho (PL), governador vai ter oposição maior no Legislativo Municipal.

Desde o fim de setembro, que o presidente estadual do PL e deputado federal Josimar de Maranhãozinho vem ensaiando sua saída do grupo governista.Por ser pré-candidato ao governo do Maranhão e perceber que não se encaixa entre os nomes de pré-candidatos palacianos, Maranhãozinho já indicava o desembarque do grupo de Flávio Dino.

Com a operação Maranhão Nostrum, que ocorreu dia 2 deste mês e teve Josimar e aliados como alvo, o presidente do PL decidiu assumir a postura mais clara de atacar o governo de Flávio Dino.

Com a narrativa de que a operação do Ministério Público teve motivação política, Maranhãozinho vem criticando os índices sociais e econômicos do governo maranhense e criticou o governador Flávio Dino no episódio do discurso do socialista em Chapadinha contra a prefeita da cidade, Belezinha (PL).

Esta postura de Josimar de Maranhãozinho deverá ser repetida pelos quatro deputados estaduais do PL na Assembleia Legislativa.A esposa do deputado federal, Detinha, Vinícius Louro, Leonardo Sá e Hélio Soares deverão mudar o tom em relação ao Palácio dos Leões.

Vinícius Louro já até iniciou na semana passada quando foi a tribuna da Casa criticar a operação do MP junto com a Polícia Civil.

O que me chama a atenção, senhores deputados, é que, depois desses dois grandes eventos, depois do crescimento do deputado federal Josimar de Maranhãozinho ao Governo do Estado do Maranhão, acontece essa operação.O que eu entendo é que um deputado estadual para se ter uma ordem expedida para invadir a sua residência tem que ser por meio do Tribunal de Justiça, um deputado federal para ter uma ordem pra invadir a sua residência tem que ser por meio do Supremo Tribunal.E ali entraram por meio de um juiz singular”, disse o parlamentar.

Reunião

Sobre a posição da bancada do PL na Assembleia Legislativa, que já faz parte de um bloco junto com o Republicano, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho disse a O Estado que vai reunir hoje com os quatro deputados para bater o martelo sobre a posição a ser adotada.

Ainda segundo ele, o encaminhamento do PL é exatamente de se tornar oposição ao governo Flávio Dino.

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Flávio Dino encontra-se com José Sarney


O governador Flávio Dino (PSB) reuniu-se, na semana passada, com o ex-presidente da República, José Sarney (MDB).

O socialista e o emedebista, de acordo com o que foi apurado, não discutiram sobre política.

Dino foi pedir o apoio de Sarney no que se refere a ocupar a cadeira de número 32 da Academia Maranhense de Letras, que pertencia ao seu pai, Sálvio Dino, que faleceu ano passado vítima da Covid.

O ex-juiz federal não possui bom relacionamento com os demais membros da AML e enxerga no ex-presidente a figura perfeita para conduzir uma articulação que possa resultar na sua vitória.

Flávio Dino disputa a indicação com o juiz Eulálio Figueiredo, Antônio Guimarães de Oliveira e José Carlos Sanches.

Caso consiga se eleger, Dino será o terceiro governador a atingir a imortalidade pela AML.

Antes dele, foram eleitos José Sarney e Pedro Neiva de Santana, ambos, porém, escolhidos sem estarem no exercício do cargo.

Sarney foi eleito em 1952, 13 anos antes de se eleger governador; e Pedro Neiva em 1979, quatro depois de deixar o Palácio dos Leões.

Vale destacar que outras duas cadeiras na Academia - as de números 02 e 15 – também continuam vagas.


Com informações do Blog do Gláucio Ericeira

Pesquisa aponta Weverton na liderança em Pinheiro com 30% contra 24% de Roseana


De acordo com pesquisa do Instituto Exata, o senador Weverton lidera com 30% das intenções de votos para o governo em Pinheiro, seis pontos à frente da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), que pontua com 24%.

O terceiro colocado é Josimar de Maranhãozinho (PL), que registra 7%.

O ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PSD) e o atual prefeito de São Pedro dos Crentes, Dr. Lahésio (PSL), estão empatados em quarto lugar, com 6%, um ponto à frente do senador Roberto Rocha (sem partido), que soma 5%.

O vice-governador Carlos Brandão (PSDB) registra 3% das intenções de votos em Pinheiro.

Nos cenários em que Roseana, Roberto Rocha e Simplício saem da disputa, Weverton cresce e vai a 36%, mais de três vezes o percentual de Josimar, que aparece com 11%.

No cenário apenas com Weverton, Brandão e Edivaldo, o senador do PDT vai a 45%, contra 15% de Edivaldo Júnior e 8% de Brandão.

Em Pinheiro, Weverton conta com o apoio do prefeito Luciano Genésio, da vice Ana Paula e do presidente da Assembleia, Othelino Neto.

O Instituto Exata ouviu 420 eleitores em Pinheiro, entre os dias 3 e 5 de outubro; a margem de erro é de 4,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Com informações do site do Wellington Sérgio

“Corrupção” de Josimar só incomoda agora que ele é adversário?


Enganam-se os que acreditam que o deputado Josimar de Maranhãozinho (PL) estará sozinho na onda de operações do Ministério Público que devem sacudir a política maranhense nos próximos meses. Apesar do deputado ter dado milhões de motivos para tanto, a megaoperação da semana passada não é fato isolado. A situação reflete o método de fazer política do governador Flávio Dino.

Líder de uma gestão que fracassou, o comunista nunca escondeu de ninguém seu viés vingativo e autoritário. Flávio Dino governa pelo medo. Por mais que a péssima fama do deputado Josimar de Maranhãozinho o anteceda, causa muita estranheza que apenas no fechar das portas do atual governo ele comece a figurar como suspeito dessas operações. E justamente quando manifestou desejo de seguir o próprio caminho.

A carreira política de Josimar foi iniciada em 2004. É muito estranho que, após 18 anos, somente agora o Ministério Público se lance contra uma situação que todos no Maranhão já desconfiavam há anos.

O fato é que o caso não foi isolado. Após sete anos, Flávio Dino não tem o que mostrar. Fracassou enquanto governador. Estes são dados da realidade e nem todos os deboches do mundo em redes sociais não irão tirar dele o posto de governador mais imprestável que este estado já teve.

O restante do legado de terror do governador Flávio Dino será usado para chantagear e intimidar adversários. Se ele conseguir, talvez saia eleito senador e atrase um pouco a constatação evidente do seu fracasso. Se a classe política resolver devolver o desprezo que ele dependeu a ela nos últimos sete anos, terminará as eleições de 2022 como o nada que era antes de Zé Reinaldo Tavares comprar sai eleição de deputado federal em 2006.

Só o tempo dirá…

Senador diz que Flávio Dino fará com ele o que fez com Josimar de Maranhãozinho


Em entrevista concedida a TV Cidade, nesta segunda-feira, o senador Roberto Rocha (sem partido) afirmou que o governador Flávio Dino (PSB) fará com ele o que fez com o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL).

O parlamentar referiu-se à Operação Maranhão Nostrum, deflagrada na semana passada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público, e que cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do deputado federal, em São Luís.

Josimar, em vários momentos nos quais se pronunciou sobre o ocorrido (reveja e reveja), afirmou ter sido vítima de uma perseguição ordenada por Dino pelo fato de ter rompido politicamente com o governador e sustentar sua pré-candidatura ao Palácio dos Leões.

“Eu sei que o governador, utilizando de sua influência no Judiciário, no Ministério Público, vai querer fazer comigo o que fez agora com o deputado Josimar de Maranhãozinho. Uma investigação de 2015 a 2018, no tempo que ele [Josimar] era deputado estadual. Ele [Josimar] quando foi apoiar Flávio Dino esse processo foi pra uma gaveta no Palácio. Bastou o Josimar dizer que gostaria de ser candidato, se descolou do Governo, ele [Dino] soltou uma operação policial, na casa do Josimar, em São Luís, enquanto ele estava em Brasília. Esperaram ele ir para Brasília para fazer uma violência dessa contra a mulher do Josimar, que é deputada. Pelo fato de ser deputada, jamais um juiz de base poderia dar ordem de invasão na casa dela. Teria que ser obrigatoriamente do Tribunal de Justiça. Mas esse é o Maranhão que a gente vive. Um Maranhão policialesco, que o governador utiliza as forças do Estado, as forças policiais para atender o seu interesse pessoal”, disse.

“Quando é para perseguir um político, ele [Dino] usa a polícia. É claro que vai usar contra mim. Eu só dou um recado pra ele: usa contra mim, viu governador. No dia que você usar contra um filho meu, contra um parente meu, você vai se entender comigo é de homem pra homem, não é de político pra político”, completou.

Flávio Dino ainda não se manifestou sobre as declarações do senador.

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Dino e o hábito de ‘escorraçar’ Prefeitas


O emblemático episódio da descortesia cometida pelo governador do Maranhão, Flávio Dino, que teve como vítima a prefeita Belezinha, de Chapadinha, no último dia 9, não é o primeiro. Dino foi desrespeitoso, tentando humilhar Belezinha por ela ter feito críticas recentes ao seu governo. Acontecimento semelhante, ocorrido em 2015, contra a Maura Jorge, prefeita de Lago da Pedra, confirma o gosto do governador por constranger prefeitas.

Durante evento de governo na cidade, Flávio Dino simplesmente não deixou que Maura Jorge se manifestasse. A prefeita, em atitude louvável e simbólica, deixou o palanque, dando todo o espaço ao mandatário do Estado. “Infelizmente, o governador não ouviu a voz do povo e foi ouvir a voz de meia dúzia, que não entende o que é democracia e o papel do Executivo no município. Só queríamos dar as boas-vindas ao governador. Apenas isso”, disse à época.

Maura Jorge ficou bastante constrangida, mas, teve todo apoio da população, que a seguiu em caminhada pelas ruas da cidade após o episódio.

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

PF investiga Roberto Rocha, Josimar Maranhãozinho, Pastor Gil e Hildo Rocha em desvio de emendas


A Polícia Federal investiga a suspeita de envolvimento de pelo menos quatro deputados federais e um senador em suposto desvio de valores de emendas parlamentares destinadas a municípios maranhenses, inclusive por congressista de outro reduto eleitoral.

Documentação obtida com exclusividade, mostra que os investigados são os maranhenses Josimar Maranhãozinho (PL-MA), Pastor Gil (PL-MA) e Hildo Rocha (MDB-MA), além do senador Roberto Rocha (PSDB-MA). Embora eleito pelo estado de Sergipe, o deputado federal Bosco Costa (PL) também é alvo da investigação.

Sigiloso, o inquérito foi aberto com base em anotações manuscritas e mensagens em aparelhos celulares apreendidas no bojo da Operação Ágio Final, deflagrada pela PF do Maranhão em dezembro de 2020, com objetivo de desarticular suposto esquema de extorsão contra prefeituras maranhenses que foram beneficiadas com emendas destinadas por diversos congressistas.

A citação aos parlamentares e o fato dos valores discriminados nas anotações serem idênticos aos valores das emendas destinadas não configuram prova do envolvimento deles nos crimes apurados, mas os indícios levaram a PF a investigar a suposta conexão.

Procurados, apenas Roberto Rocha e Hildo Rocha retornaram o contato.

“Eu investigado?? Por quem e por que??? Então estão investigando 81 senadores e 513 deputados. A menos que alguém tenha colocado meu nome em algum desses inquéritos. Eu até imagino quem seja”, respondeu o senador tucano, sem entrar em detalhes a respeito da suspeita apurada pela PF nem sobre quem teria “colocado” o nome dele na apuração.

Já o emedebista, em nota enviada por sua assessoria, ressaltou haver presidido nesta semana audiência pública da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados, na qual teve a participação do ministro da CGU (Controladoria-Geral da União), Wagner Rosário. Durante a apresentação de relatórios de auditorias feitas em convênios e aquisições de equipamentos com recursos federais, Rosário revelou a possibilidade de haver negociatas com emendas parlamentares.

“Segundo ele, a CGU em conjunto com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal estão apurando possíveis irregularidades realizadas com emendas. Entretanto, não foram apontados nomes de investigados”, disse Hildo Rocha.

De acordo com a documentação, o inquérito que apura os fatos foi originalmente instaurado pela Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros da Polícia Federal no Maranhão, quando buscava apurar suposta prática de associação criminosa e tráfico de influência que seriam encabeçadas pelo agiota Josival Cavalcante da Silva. Conhecido como Pacovan, ele dono de postos de gasolina no estado que seriam usados para lavagem de dinheiro.

No curso das investigações, foi identificada a possível relação dos parlamentares com os delitos apurados, e os autos remetidos para o STF (Supremo Tribunal Federal), em razão do foro por prerrogativa de função dos deputados e do senador da República. A suspeita é de que o grupo tenha recebido até 25% do valor total das emendas destinadas aos municípios maranhenses, como suposto pagamento de propina, mediante comissão de Pacovan, supostamente obtido por meio de contratos com empresas de fachada.

O relator do caso no Supremo é o ministro Ricardo Lewandowski.

Em publicação nas redes sociais, o deputado Josimar Maranhãozinho classificou a suspeita levantada pela PF como perseguição de adversários políticos na disputa de 2022, por estar postulando concorrer ao Palácio dos Leões em oposição ao grupo político controlado pelo governador Flávio Dino (PSB).

“Sinceramente, nem me surpreendo com tamanha perseguição e má fé, por parte de alguns indivíduos. Não são capazes de superarem meus trabalhos e partem para a difamação. Nessa ‘selva", algumas ratazanas se escondem em alcovas de leões. Mas, às vezes, caem em sua própria armadilha”, escreveu.






Com informações do Blog Atual 7