Mostrando postagens com marcador MDB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador MDB. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 23 de maio de 2022

Roseana pode ter prejuízo eleitoral se não conter seus impulsos nas redes sociais


A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) bem que poderia conter seus impulsos e evitar provocações desnecessárias ao ex-governador Flávio Dino (PSB), a quem já declarou que não apoia. 

Vez por outra ela sai da zona de conforto em que se encontra para fazer provocações. Aqui e ali, ensaia uma crítica à política de saúde do Governo Dino, que em sete anos fez na área o que ela nem de longe fez em mais de 12 anos de governo. 

Faz também, aqui e ali, comentários soltos tentando criticar a política educacional do governo passado, quando aquele governo de longe, e com sobra, todos os seus feitos na área educacional. 

Nesta semana, se manifestou com um estranho comentário em relação à onda de assaltos a ônibus: “Quando você perde o foco e atira para todos os lados, a probabilidade de dar errado é muito grande”. 

Será que ela sentiu isso em janeiro de 2013, quando São Luís viveu noites de terror com incêndio criminosos a ônibus, causando até morte de criança e algumas tragédias familiares? 

Como já diziam os mais antigos: cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

Roseana Sarney intensifica críticas a Flávio Dino


A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) tem se tornado cada vez mais ativa nas redes sociais; e já escolheu o alvo preferido de suas análises políticas: o governo Flávio Dino (PSB).

Enquanto o candidato de Dino, vice-governador Carlos Brandão (PSDB), assedia abertamente o MDB, partido presidido por Roseana, a ex-governadora aponta os fracassos do governo Dino/Brandão em diversos setores.

Na semana passada Roseana apontou problemas graves em pelo menos duas áreas cruciais do governo: maior percentual de jovens do país que não estudam e nem trabalham segundo o PNAD, e o aumento da violência contra pessoas negras no estado.

A ex-governadora classificou a situação de “tragédia”.


Tanto Flávio Dino quanto Carlos Brandão têm oferecido espaços de poder ao MDB, o que tem atraído expoentes do sarneysismo; familiares da ex-governadora, como o sobrinho, Adriano Sarney (PV),também já aderiram à candidatura de Brandão.

Apesar da pressão, Roseana resiste a dividir palanque com Flávio Dino, e deve continuar com as criticas durante toda a campanha.

E ela tem autoridade para comparar o balanço do governo dinista…


Com informações do Blog Marco D`eça

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Roseana não quer conversa com Flávio Dino

Após ser divulgado que o governo testa em pesquisas qualitativas as consequências junto ao eleitorado de uma aliança entre Flávio Dino (PSB) e a oligarquia, Roseana Sarney (MDB) fez questão de mostrar publicamente que não quer conversa com o governador em fim de mandato.

“Levantamento da IDados para o jornal Valor, com informações da PNAD Contínua, mostra que o Maranhão tem o maior percentual de jovens entre 15 e 29 anos que nem estudam e nem trabalham – 36%.”, tuitou a presidente estadual do MDB em tom de crítica ao Palácio dos Leões, numa resposta direta aos entusiastas da aproximação.

Apesar da pressão da bancada de deputados estaduais que está com o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) por medo de não receber as emendas parlamentares antes da eleição, a ex-governadora se recusa a mencionar a possibilidade de subir o mesmo palanque do antigo adversário.

Fontes no luxuoso Edifício Murano afirmam que filha de Sarney não está sozinha na decisão. Os deputados federais Hildo Rocha (MDB) e João Marcelo (MDB) também rejeitam qualquer tipo de aproximação com o ex-comunista, assim como o ex-senador Edinho Lobão (MDB).

Dino, com esperanças de concretizar a aliança com os Sarney, se faz de desentendido e apanha calado.


Com informações do Blog Marrapá

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2022

Roseana Sarney para de jogar e confirma candidatura à Câmara Federal


Depois de cansar-se de jogar no tabuleiro da sucessão maranhense e tomar uma boa dose de juízo político, a ex-governadora Roseana Sarney, presidente regional do MDB, retomou o seu projeto eleitoral inicial confirmando que vai mesmo disputar uma cadeira na Câmara Federal, e não o Governo do Estado. A informação pelo deputado Roberto Costa, vice-presidente regional do MDB, em pronunciamento na Assembleia Legislativa, e por ela própria em conversa com amigos e aliados. Com a decisão, o MDB, sob seu comando, não disputará as eleições majoritárias, já que também não terá candidato ao Senado, e vai investir todo o seu peso político e prestígio eleitoral para eleger deputados federais e deputados estaduais. E num plano mais aberto, a decisão de Roseana Sarney ajusta o quadro de pré-candidatos ao Palácio dos Leões, nele permanecendo, por enquanto, o vice-governador Carlos Brandão (PSDB a caminho do PSB), o senador Weverton Rocha (PDT), o ex-prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PSD), o prefeito Lahesio Bonfim (Agir36), e, de uma maneira furta-cor, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL).

Roseana Sarney jogou o tempo que pôde como pré-candidata ao Governo do Estado, embalada pelas pesquisas que a apontaram na liderança da corrida, levando muitos dos aliados a acreditarem que ela, de fato, poderia ser candidata. Esse entusiasmo foi mantido por meses, fazendo com que a ex-governadora saísse um pouco da realidade, provavelmente ela própria, em algum momento, acreditando que tinha condições políticas e eleitorais de voltar ao comando do Estado, que ela governou por mais de uma década. Sob o generoso pacote de intenções de votos, as pesquisas trouxeram um contrapeso amargo: um elevado e fatal percentual de rejeição, consequência natural do desgaste de um grupo político que deu as cartas no Maranhão por mais de 50 anos.

Sem lastro para disputar o Governo ou o Senado, Roseana Sarney tem agora duas missões politicamente importantes pela frente. A primeira é mobilizar e incentivar as forças que formam o MDB, para que o partido saia das urnas com uma minibancada de deputados federais, incluindo ela própria como “puxadora de voto”, e uma bancada expressiva de deputados estaduais, para manter de pé o partido frente ao próximo Governo. Sua candidatura a deputada federal é a soma de três fatores: a vontade de sair da zona de esquecimento e retornar à ribalta da política, a possibilidade de obter uma grande votação e, desse modo, ajudar o partido a eleger mais deputados federais, e, assim, fortalecer a estratégia nacional do MDB, que pretende chegar à Câmara Federal com uma bancada numerosa e politicamente expressiva.

A outra missão da ex-governadora como chefe partidária é situar o MDB no contexto da disputa majoritária estadual. No que diz respeito à “guerra” pelos Leões, parte do MDB já esteve inclinada a apoiar a candidatura do senador Weverton Rocha, mas todos os indícios mais recentes são de que, com o seu aval, o MDB irá para as urnas alinhado à candidatura do vice-governador Carlos Brandão. O vice-governador tem conversado com as mais diversas vozes sarneysistas e, pelo que sopram os bastidores, esse entendimento já estaria fechado. Em relação à única vaga para o Senado, que poderia disputar correndo sério risco de não chegar lá, a ex-governadora decidiu, de acordo com o comando partidário, não lançar candidato e liberar suas bases para votar no governador Flávio Dino (PSB).

E ao que tudo indica, Roseana Sarney decidiu que chegou a hora de colocar o MDB nos trilhos.

Com informações do Blog Repórter Tempo

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022

Roberto Costa enterra a candidatura de Roseana ao governo do estado


O deputado estadual, Roberto Costa (MDB), enterrou definitivamente a esperança da ex-governadora e presidente do MDB, Roseana Sarney, ser candidata ao governo do estado.

Apesar do anúncio que seria candidata a deputada federal, Roseana articulava nos bastidores a candidatura ao governo com diversas lideranças políticas a nível estadual e nacional, mas tudo indica que teria sido convencida pelo parlamentar a desistir da empreitada política.

Por outro lado, fontes revelam que essa posição não é unânime e tem gerado insatisfação na cúpula do partido, tendo em vista que Roberto estaria negociando com o Palácio dos Leões espaços no governo para viabilizar unicamente a sua difícil e complicada reeleição.

Em entrevista, o parlamentar afirmou que mantém uma boa relação com o Palácio dos Leões e estipulou que no fim deste mês (fevereiro) o partido deve definir seu posicionamento quanto às eleições.

“Eu acredito que no final do mês agora de fevereiro a gente tem uma posição definida em relação ao nosso caminho”, finalizou Roberto Costa.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Lula combina com Renan estratégia para fisgar apoio do MDB; Roseana e Lobão devem ser convidados para encontro


No encontro que tiveram na última segunda-feira (31/1) em São Paulo, o ex-presidente Lula (PT) e o senador Renan Calheiros (MDB-AL) acertaram uma estratégia para tentar garantir o apoio formal do MDB à candidatura do petista ao Palácio do Planalto nas eleições deste ano.

O foco inicial será garantir, primeiro, o apoio da velha guarda do MDB, historicamente mais próxima de Lula. A ideia é que essa ala pressione o restante do partido a desistir da candidatura da senadora Simone Tebet (MDB-MS) à Presidência da República e apoiar o petista já no primeiro turno.

Renan já entrou em campo para viabilizar a operação. Um dia após o encontro com Lula, o senador alagoano ligou, na terça-feira (1º/2), para o ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE), apoiador declarado de Lula. Pediu que o colega o ajudasse a organizar um encontro com outros caciques emedebistas nos próximos dias, em Brasília.

A ideia é reunir nomes da velha guarda emedebista como os atuais senadores Jader Barbalho (MDB-PA) e Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) e os ex-senadores Roseana Sarney (MDB-MA), Romero Jucá (MDB-RR), Edison Lobão (MDB-MA), além do próprio Renan e Eunício.

No encontro, Renan quer medir o apoio a Lula dentro dessa ala do partido. O senador também pretende levar o recado do ex-presidente de que ele gostaria de encontrar novamente com lideranças do MDB em Brasília. Em outubro, o petista já havia jantado com emedebistas na casa de Eunício, em Brasília.

Foco de Lula
Interlocutores de Lula no PT dizem que o foco do ex-presidente nos próximos meses será tentar angariar o apoio do MDB e do PSD a sua candidatura. A avaliação é de que o apoio formal desses partidos de centro são essenciais para o petista vencer as eleições já no primeiro turno.

Embora Lula lidere praticamente todas as pesquisas de intenção de voto recentes, há uma preocupação, entre lideranças do PT, de que os votos da chamada terceira via migrem para Jair Bolsonaro no segundo turno e façam o atual presidente vencer as eleições.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Roseana, o MDB e a volta dos que não foram


Depois de reafirmar pela milésima vez o interesse de buscar uma cadeira na Câmara Federal, a ex-governadora Roseana Sarney apareceu, na noite desta segunda-feira (17), ao lado de meia dúzia de correligionários para tentar convencer sabe-se lá quem de que é pré-candidata à sucessão de Flávio Dino (PSB).

Presidente estadual do MDB, a filha de Sarney posou para foto ao lado de alguns aliados no luxuoso Edifício Murano. No Instagram, um texto publicado no perfil oficial do partido informa que a executiva no Maranhão quer a “manutenção da pré-candidatura de Roseana ao governo do Estado, considerando que ela lidera todas as pesquisas realizadas e tem o nome consolidado em todo o Maranhão”.

O registro feito no apartamento de Roseana é o retrato da decadência. Os deputados estaduais Arnaldo Melo e Socorro Waquim estão de malas prontas para deixar o MDB. Ambos seguirão rumo ao destino partidário do vice-governador Carlos Brandão (PSDB). O deputado estadual Roberto Costa, que não consegue montar nem uma nominata para concorrer à reeleição na Assembleia Legislativa, também anda conversando com o PV. Já o deputado federal Hildo Rocha admite que pode buscar um novo abrigo.

Restariam daquela que já foi a maior sigla do Maranhão apenas Roseana, o ex-senador Lobão Filho e o deputado federal João Marcelo. Os três brigarão por duas cadeiras na Câmara Federal.

No que depender da ex-governadora, talvez o esvaziado MDB nem se posicione nas disputas de senador e governador. No palanque que Dino estiver ela garante que não sobe.

Com informações do Blog Marrapá

sábado, 1 de janeiro de 2022

E segue o dilema de Roseana em 2022


A ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney (MDB), iniciará 2022 com o mesmo dilema que lhe rodeou durante praticamente todo o ano que está sendo concluído, disputar ou não o Governo do Maranhão???

Roseana não esconde que o desejo pessoal é de retornar a Câmara Federal, mas o “problema” é que a ex-governadora termina 2021 liderando todas as pesquisas eleitorais, de todos os institutos, na corrida eleitoral para o Palácio dos Leões.

A ex-governadora, entre os pré-candidatos que alcançaram dois dígitos nas pesquisas Escutec, foi a única que manteve sempre uma crescente, pesquisa após pesquisa (reveja na postagem anterior). E tudo isso sem nunca ter confirmado a sua pré-candidatura.

E é justamente esse cenário bem favorável, que tem feito alguns membros do MDB e aliados próximos a insistirem na possibilidade de Roseana repensar sua “decisão” e encarar uma nova disputa ao Governo do Maranhão.

De qualquer forma, Roseana sabe que não poderá adiar por muito tempo essa decisão, mas iniciará 2022 com o dilema de 2021.

É aguardar e conferir.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2021

Roseana segue na sua indefinição para as eleições 2022


Sem decisão própria em relação ao futuro político, ex-governadora ora diz que pode disputar o governo, ora diz que será candidata a deputada federal, num estica-e-puxa que atende apenas interesses de aliados em busca de espaço eleitoral em 2022

Pela enésima vez, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) voltou a ponderar sobre uma possível candidatura ao Governo do Estado.

Isso depois de dizer e desdizer inúmeras vezes que poderá ser candidata.

Ou não.

Roseana sabe que seus índices nas pesquisas tendem a mudar no decorrer da campanha, por conta de números desfavoráveis nas pesquisas qualitativas; tanto que os contratantes já haviam pedido a retirada do seu nome da última pesquisa Escutec, a ser divulgada até o fim do mês.

Mas a pressão de aliados que tentam se viabilizar em uma articulação que dê espaço de poder entre os vários grupos que disputam o governo fez com que ela voltasse a dizer que pode ser candidata.

Ou não.

– A minha vontade é sair candidata a deputada federal. É a minha preferência. Agora, você não fala sozinha. Eu faço parte de um grupo, e esse grupo é que vai decidir – declarou, ontem, após dizer que disputaria mesmo vaga na Câmara.

Resta saber se a pesquisa Escutec manterá se3u nome ou retirará, como foi pedido pelo Grupo Mirante, já que ela pode disputar o governo.

Ou não!!!

Por Marco Aurélio D'eça

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

MDB do Maranhão "rachado" para as eleições 2022


Enfraquecido desde as últimas eleições no Maranhão, o MDB pode chegar em 2022 ainda mais dividido para o próximo pleito.

O ex-senador Lobão Filho rechaçou, a postura do deputado estadual Roberto Costa (MDB), que atua como porta-voz da legenda, se posicionou a favor da candidatura de Carlos Brandão (PSDB) e fez transparecer que esse seria o posicionamento oficial do partido.

“Eu acredito que o Roberto Costa não tem o direito de falar em nome do MDB como ele falou. Ele está muito enganado. Se ele tem os interesses dele no governo, isso é problema dele. Roberto Costa foi presidente do MDB. Quem manda agora é Roseana”, frisou Edinho.

O “chega pra lá” de Edinho em Roberto Costa foi dado durante entrevista aos jornalistas Glaucio Ericeira e Clodoaldo Corrêa, no programa Ponto Continuando, ocasião em que o empresário confirmou o seu interesse em disputar uma das vagas na Câmara Federal no próximo ano.

Resta saber se após essas declarações e com o MDB cada vez mais governista, Lobão Filho permanecerá no MDB. É aguardar para conferir...

Com informações do Blog Marrapá

segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Roseana pode dar palanque no MA a candidatura de Simone Tebet a Presidência


A confirmação do nome da senadora Simone Tebet para disputar a Presidência da República pelo MDB, feita nesta quinta-feira, 25, pelo dirigente nacional da legenda, Baleia Rossi, pode gerar desdobramentos significativos da sigla nos estados.

No Maranhão, um dos nomes fortes do partido para concorrer ao Governo do Estado é o da ex-governadora e ex-senadora Roseana Sarney, que atualmente preside o diretório regional do MDB e tem aparecido na liderança das intenções de votos em todas as pesquisas, com um patamar acima dos 20%.

Em âmbito nacional, o partido apresenta a indicação do nome da senadora Simone Tebet como uma terceira via eleitoral, para furar a polarização política entre os pré-candidatos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que busca a reeleição por mais quatro anos no Planalto.

Aqui no Maranhão, a cúpula estadual do MDB ainda discute qual melhor caminho a seguir no próximo pleito, inclusive com a possibilidade da montagem de um palanque equilibrado no estado.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Roseana não descarta disputar o Senado


Diferente do que havia sido divulgado pelo deputado estadual Roberto Costa (MDB), a ex-governadora e presidente do MDB no Maranhão, Roseana Sarney, já não descarta a possibilidade de disputar o Senado, principalmente, após consultar pesquisas que mostram uma queda acentuada do governador Flávio Dino (PSB) nas intenções de voto.

Amigos próximos da ex-governadora, afirmam que ela não está satisfeita com as declarações de Roberto Costa sobre seu futuro político e com a tentativa de aproximação feita do governador Flávio Dino (PSB), da sua família.

E foi justamente por conta da queda nas pesquisas, Dino procurou o ex-presidente José Sarney para tratar das eleições, oferecendo a primeira suplência de senador em sua chapa.

Mas quem conhece o perfil Roseana sabe que ela não quer saber de conversa com o governador; pelo contrário, tem feito críticas constantemente ao governo do comuno/socialista, o que demonstra que ela pode estar se preparando para o debate político, e as pesquisas que apontam chances reais de ela vencer Dino numa disputa tète-a-tète pelo Senado.

Embora, no momento, a família resista à ideia de um confronto nas eleições majoritárias, Roseana tem sido estimulada por amigos e lideranças do MDB, diante de números animadores para o Senado.

E já vem sendo ciceroneada por interlocutores dos candidatos a governador, do deputado Josimar Maranhãozinho (PSD) ao ex-prefeito Edivaldo Júnior (PSD); do prefeito Lahésio Bonfim (PTB) ao senador Weverton Rocha (PDT).

A todos ela diz que pretende concorrer a deputada federal, mas que aguardará até junho.

É aguardar para conferir a marcha dos acontecimentos.

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Roseana e as contradições em apoiar Flávio Dino para o Senado


O MDB, com anuência de Roseana Sarney, pode vir a apoiar Flávio Dino para o Senado. A afirmação soa contraditória e até confusa, mas veio do deputado estadual e vice-presidente da legenda no Maranhão, Roberto Costa. A fala foi dada em entrevista à rádio local, na quarta-feira. Em tom apaziguador, Costa falou, várias vezes, em “diálogo com todas as correntes partidárias”, inclusive com adversários declarados, a exemplo do governador Flávio Dino. Um tom ameno e pouco comum na política, considerando o cenário, que o deputado estadual atribuiu a um “amadurecimento do MDB”.

Segundo Costa, essa possibilidade de o MDB aliar-se à Dino vem da própria conjuntura estadual da política. Os quatro principais pré-candidatos ao Governo são ligados a Flávio Dino e têm alguma relação com o MDB ou com o próprio Roberto Costa. Felipe Camarão, por exemplo, é amigo particular de Costa e foi secretário no governo Roseana; o vice-governador Carlos Brandão já foi do MDB; e por fim, Weverton Rocha e Edivaldo Holanda Junior, que ele classificou com o “nomes do diálogo” e aos quais teceu largos elogios pelos “avanços na política”.

Outra questão é o fato de, talvez, o MDB não lançar candidatura própria ao Senado. “Então, porque não conversar com o governador Flávio Dino, se os principais candidatos são ligados a ele? Por isso, defendo uma discussão muito mais ampla, com ele. Ele é parte do processo político”, frisou.

Ainda na linha do amadurecimento do partido, Roberto Costa afirmou que “ela também [Roseana] já descartou essa possibilidade de ser senadora, então, não teremos candidatura interna, por isso, sou a favor de defender o nome de Flávio Dino. Inclusive, sinto esse amadurecimento da própria ‘governadora’ Roseana, em discutir esse processo político de 2022 com Flávio Dino. Sinto que o partido está amadurecido para isso”.

E foi mais além, afirmando, no tom de paz que reina no MDB, que “não há sentimento de ódio que impeça um diálogo com o governador Flávio Dino ao Senado”. Deve ser a sequela da pandemia…

Na contramão do discurso paz e amor de Roberto Costa, hoje, em sua conta no Twitter, a ex-governadora Roseana Sarney, utilizando pesquisa do IBGE com tabelinha e tudo, criticou o governo Dino, lembrando a situação de extrema pobreza do Maranhão. “Volto ao tema da Extrema Pobreza com novos dados extraídos da PNAD/IBGE, incluindo o período 2012/2014, além do período 2015/2019, já publicado. Os números mostram queda acentuada no primeiro (pouco mais de 200 mil) e aumento significativo no segundo (mais 400 mil)”, escreveu.

Parece que o ‘clima de união’ só existe na cabeça de Roberto Costa.




Com informações do Blog Marrapá

sábado, 2 de outubro de 2021

Ao completar 90 anos, João Alberto pede como presente reeleição do filho em 2022


Amigos mais próximos do ex-senador João Alberto (MDB), preparam nesta sexta-feira (1), uma festa surpresa para celebrar os 90 anos de vida de um dos políticos mais longevos do estado. Muitos marcaram presença, dentre eles o deputado estadual Arnaldo Melo; o ex-vice-governador Jura Filho; o pai do prefeito de São Luís, Carlos Braide e outros. O ponto alto do encontro foi o discurso do emedebista que pediu aos amigos um presente: a reeleição do filho João Marcelo ao cargo de deputado federal em 2022.

Muitos contaram um pouco da trajetória de João Alberto que foi deputado, senador e governador do Maranhão, e ao agradecer a presença dos amigos, ele diz ter como maior desejo vivenciar a vitória de João Marcelo mais uma vez ao cargo de deputado federal em 2022.

Na hora, ele chegou até sugerir fazer dobradinhas com o pré-candidato a deputado estadual Fernando Braide, filho de Carlos Braide, assim como com Arnaldo Melo que concorrerá a reeleição de estadual e outros.

João Marcelo acompanhou o discurso e como mantém uma relação de muita proximidade acabou evitando discursar, pois o próprio revelou: “se eu falar vou às lágrimas”.

O deputado federal João Marcelo é um dos parlamentares mais atuantes do Maranhão em Brasília e em 2022 vai em busca do terceiro mandato como congressista.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Braide transforma a Prefeitura em cabide de empregos para aliados derrotados nas eleições


A facilidade de demissão e a ocupação geral de cargos por apadrinhados políticos se transformou em uma triste realidade na gestão do prefeito Eduardo Braide (Podemos).

A máquina pública virou um verdadeiro “cabide de emprego” para abrigar candidatos derrotados nas últimas eleições, em 2020, na folha de pagamento da Prefeitura de São Luís-MA.

A denúncia, publicada no Blog do Domingos Costa, mostra que 42 suplentes de vereadores foram nomeados por Braide. Foi publicado também o nome de todos, quanto cada um ganha e onde estão lotados na prefeitura. Veja aqui.

Foram empregados pessoas de dez partidos políticos: PMN, Podemos, PSDB, PDT, PSC, PSD, DEM, MDB, PSL e PTB.

Vale ressaltar que o presidente estadual do PMN, Fernando Salim Braide, é irmão do prefeito. Nos bastidores comentam que Fernando é pré-candidato a deputado estadual e terá o apoio desses políticos que foram nomeados.

O Ministério Público precisa tomar as medidas cabíveis.

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Lula firma alianças com PSD, MDB, PSB e PDT no Nordeste


A recente viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi bem-sucedida para a formação de alianças regionais visando as eleições de 2022. Um balanço feito pela jornalista Andréa Jubé, do Valor, aponta que Lula costurou alianças com PDT, MDB e PSD na região. “Ele fez uma rede de arrasto”, disse o vice-presidente nacional do PT, deputado José Guimarães (CE).

“No Ceará, o PT vai reeditar a aliança de 16 anos com o PDT no Ceará. O palanque articulado entre as duas siglas destina a cabeça de chapa ao PDT. O ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio deve ser o candidato ao governo cearense, mas não se descartou ainda o nome da atual vice-governadora Izolda Cela (PDT)”, informa a repórter. “Em paralelo, o PT tem palanques avançados com o MDB no Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas. No Piauí, a cabeça de chapa e a vaga ao Senado ficam com o PT. O candidato à sucessão do governador Wellington dias (PT) é o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles (PT). Por sua vez, Dias tentará voltar ao Senado. O candidato a vice-governador será um nome escolhido pelo grupo do senador Marcelo Castro, presidente do MDB local”, prossegue.

“No Maranhão, Lula terá o apoio do grupo político do ex-presidente José Sarney, com quem se reuniu em um jantar no dia 19 de agosto em São Luís. A ex-governadora Roseana Sarney vai disputar uma vaga de deputada federal. Lula tenta construir um palanque único no Estado tendo o senador Weverton Rocha (PDT) na cabeça de chapa e o governador Flávio Dino (PSB) concorrendo ao Senado”, aponta ainda o Valor.

“Em Pernambuco, também será reeditada a aliança histórica entre PT e PSB – o objetivo principal é contar com a sigla do governador Paulo Câmara na coligação nacional encabeçada por Lula. Na Bahia, o senador Jaques Wagner (PT) encabeça a chapa estadual e Otto Alencar (PSD) tentará a reeleição ao Senado.”

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Lula diz a Roseana que quer PT e MDB juntos no Maranhão


O ex-presidente Lula (PT) disse à ex-governadora Roseana Sarney (MDB) que pretende ter PT e MDB no mesmo palanque, tanto na corrida presidencial quanto nas eleições estaduais.

Lula jantou com Roseana e com o também ex-presidente José Sarney – em petit comitè, nesta quinta-feira, 19 – e mostrou-se entusiasmado com os números da ex-governadora nas pesquisas.

Embora tenha reafirmado que ainda não se decidiu a concorrer nas eleições de 2022, Lula frisou que o PT pretende formar a aliança de centro-esquerda que inclua também o MDB, o PDT, o PSB, o PCdoB e o PSOL.

Segundo informações, Lula não se manifestou em momento algum sobre suas preferências nas eleições maranhenses; mas sondou os Sarney sobre “as possibilidades do senador Weverton Rocha (PDT)”.

Ao ouvir, tanto de Roseana quanto de José Sarney que ela não pretende disputar as eleições majoritárias – embora lidere as pesquisas -, Lula reforçou que quer PT e o MDB novamente juntos no mesmo palanque.

E disse ser fundamental que a centro-esquerda se una em todo o Brasil contra “o risco autoritário que representam os candidatos da direita”.

terça-feira, 10 de agosto de 2021

Roseana muda o discurso e já admite disputar o governo do Maranhão


A ex-governadora Roseana Sarney (MDB), mudou o discurso e nesta terça-feira (10), em entrevista à emissora de sua propriedade, por vídeo conferência, admitiu que possa disputar, ano que vem, a eleição para o comando do Palácio dos Leões.

Presidente estadual do MDB, Roseana e aliados próximos, como o deputado estadual Roberto Costa, vice-presidente da sigla, trabalhavam, até então, com o cenário no qual a emedebista concorresse ao cargo de deputada federal e, desta forma, ajudasse o seu partido a ampliar sua bancada na Câmara. Em recente entrevista, Roberto Costa chegou a revelar tratativas no partido para que o grupo apoie a candidatura de Flávio Dino, ao Senado, e do candidato apoiado por ele ao governo (Carlos Brandão, Weverton, Simplício…)

“Muita gente fica me perguntando por que eu, que lidero todas as pesquisas de intenção de voto, não concorro novamente ao cargo de governadora. Minha vontade pessoal é não disputar o Governo. Mas isso não depende só de mim. É uma decisão partidária que tenho que respeitar”, afirmou.

“É precipitado descartar logo uma candidatura ao Governo”, completou.

Roseana disse que o MDB está dialogando internamente com todos os agentes da legenda e que também irá manter conversas com todos os demais partidos inseridos e com interesse na sucessão do governador Flávio Dino (PSB).

“Estamos abertos ao diálogo para tomar uma decisão acertada não apenas para o partido, mas principalmente para o Maranhão”.

Citando a pré-candidatura do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, do PSD, a ex-governadora avaliou que o emedebismo maranhense não descarta também compor com projetos de legendas do campo da oposição

Roseana se mostrou contrária à PEC do voto impresso auditável, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A ex-governadora afirmou ser favorável ao sistema eleitoral do Distrital Misto.

“Sou contra o Distritão como está por que enfraquece os partidos. Uma democracia forte precisa de partidos fortes”.

Clique Aqui e veja a entrevista. 

Com informações do Gláucio Ericeira.

sexta-feira, 30 de julho de 2021

De como Flávio Dino controla até os passos da oposição para 2022

Conduzindo como quer as ações dos principais candidatos do governo à sua sucessão – inclusive a do ex-prefeito Edivaldo Júnior, que nem filiado é mais à sua base – governador impõe também aos partidos oposicionistas uma pauta que o beneficia diretamente no processo


Dois fatos ocorridos na semana passada demonstram que o governador Flávio Dino (PSB) tem o controle absoluto de sua base e manipula como quer as cordas do processo eleitoral de 2022 no Maranhão:

1 – Principais pré-candidatos governistas, o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador Weverton Rocha (PDT) – obrigados a assinar um “pacto” – são conduzidos pelo próprio Dino, que controla suas ações e impõe aos dois uma agenda comum “e sem brigas”, como a ocorrida no interior, no fim de semana;

2 – Mesmo impondo a Brandão e Rocha um “pacto” obrigatório, Dino recebeu o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PSD) – que não assinou pacto algum e nem mais faz parte de sua base – acatando sua candidatura a governador por um partido de oposição, o que diminui os dois governistas, em troca do apoio ao seu projeto senatorial.

Mas se controla com mão de ferro aliados e “ex-aliados”, a força de Flávio Dino se revelou ainda maior com outros dois fatos, também ocorridos semana passada, mas protagonizados pela oposição:

1 – Após noticias dando conta de que a Justiça Eleitoral irá analisar o processo de cassação de Flávio Dino – pela chamada “farra de capelães” – o MDB, partido hoje presidido pela ex-governadora Roseana Sarney, apressou-se em emitir nota “esclarecendo” que nada tinha a ver com o processo;

2 – Tão logo soube da reunião a portas fechadas de Dino e Edivaldo, o blog Marco Aurélio D’Eça contatou o presidente do PSD, Edilázio Júnior, que admitiu a possibilidade de a chapa de Edivaldo não ter candidato a senador; o ex-prefeito é, agora, uma espécie de candidato “por fora” da base dinista, condição que não foi dada aos demais nomes governistas.

Se isolados, estes fatos já são quase um tratado de força política; em conjunto, mostram o tamanho do poder de Flávio Dino.

Se for mesmo disputar a eleição de senador, Flávio Dino tem apenas pouco mais de oito meses de mandato; mas a tranquilidade com que controla todos os passos de sua sucessão – conduzindo governistas e oposicionistas – faz parecer que ele acabou de assumir o governo.

Não há na história do Maranhão nenhuma liderança que chegou ao final do mandato com tanta força popular – a ponto de não ter adversário para concorrer à vaga que ele escolheu disputar – e tanto vigor político, controlando quem é quem em seu governo e como deve agir a oposição.

Sem adversário para o Senado, decidindo os rumos da sucessão entre governistas e oposicionistas, Flávio Dino deve chegar a 2022 como o maior líder da história maranhense.

Com essas condições que lhe são concedidas por aliados e adversários, pode se tornar o senador mais votado da história, tendo ao seu lado o governador que ele quiser eleger.

E com uma oposição do tamanho que ele quiser.

Por Marco Aurelio D`eça

segunda-feira, 26 de julho de 2021

Processo que pede cassação de Flávio Dino avança no TSE


A ação movida pela coligação “Maranhão Quer Mais”, da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) para que o Tribunal Superior Eleitoral investigue a campanha do governador do Maranhão, Flavio Dino (PSB) e do vice Carlos Brandão (PSDB), com base em ações de investigações judiciais eleitorais da “Farra dos Capelães” e do “Mais Asfalto”, foi distribuída na corte e terá como relator o ministro Carlos Bastide Horbach, sub-procriador eleiroral. Caberá a ele a emissão do parecer que vai decidir a vida política do governador maranhense.

O processo está baseado na nomeação de 47 servidores que exerciam função, desde 2018 [ano em o governador renovou o mandato] com salários entre R$ 1,4 mil a R$ 17,2 mil. As provas ficaram mais robustas no dia 26 de fevereiro deste ano, quando o ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a eficácia de normas que criam cargos em comissão de capelão religioso nos quadros da administração.



Quem é ele?
Carlos Horbach assumiu como ministro titular do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no dia 18 de maio de 2019. Na ocasião, ele assume a vaga de Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, que encerrou seu último biênio na Corte na semana passada.

Horbach está no TSE desde 2017, quando foi nomeado pelo então presidente Michel Temer como ministro substituto, tendo sido reconduzido ao cargo em 2019. No cargo de titular, o magistrado terá mandato de dois anos, com a possibilidade de recondução por mais um biênio.

Gaúcho, natural de Porto Alegre (RS), Horbach formou-se em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e é doutor pela Universidade de São Paulo, onde leciona Direito Constitucional. Também tem experiência em Direito Administrativo, Eleitoral e Urbanístico. O magistrado ainda é doutor em Direito do Estado pela Universidade de São Paulo (USP), local em que também leciona.