Mostrando postagens com marcador protestos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador protestos. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 23 de março de 2022

Flávio Dino e Brandão recebem protestos e são vaiados por onde passam


A 10 dias de renunciar ao mandato, o governador Flávio Dino (PSB) tem enfrentado uma dura realidade no fim do seu governo.

Por onde passa, acompanhado do seu vice Carlos Brandão (PSDB), Dino é recebido com vaias a protestos, sobretudo de professores da rede pública estadual, insatisfeitos com o não-reajuste de 34% concedido nacionalmente e ignorado por Dino no Maranhão.

No último final de semana, as vaias ocorreram em Caxias, Aldeias Altas e São João do Sóter.

Na semana passada, os dois já tinham sofrido protestos em Formosa da Serra Negra, situação que levou, inclusive, ao cancelamento de um evento público.

Flávio Dino fracassou em seus oito anos de mandato e a conta começa a chegar agora que ele deixa o cargo.

E o exemplo dos professores é só um dentre tantos de insatisfação com o seu governo.

Imagine se o Simproessema não estive no bolso do governador…

Com informações do Blog do Marco D'eça

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Em menos de um mês, Braide enfrenta mais uma manifestação na porta da Prefeitura


Diretores, professores e funcionários de escolas comunitárias de São Luís fizeram uma manifestação na manhã desta quinta-feira (16) na porta da Prefeitura, na Praça Dom Pedro II, no Centro.

Com cartazes e muitos gritos, os membros das escolas comunitárias reclamaram de nove meses de salário em atraso por conta do prefeito Eduardo Braide (podemos) não ter autorizado o devido repasse às entidades.

“Elo, elo, elo, eu quero meu dinheiro… elo, elo, elo, eu quero meu dinheiro… elo, elo, elo, eu quero meu dinheiro”, esse foi o coro dos manifestantes na porta do Palácio de La Ravardière.

De acordo com os representantes das Escolas Comunitárias, são mais de 100 na mesma situação. Elas reclamam do atraso por parte da prefeitura no repasse de verbas públicas.

“O dinheiro está na conta da prefeitura, esse recurso veio rubricado do MEC e serve para as escolas comunitárias fazerem as manutenção e pagamento de professores.” (sic) explicou uma diretora que não quis se identificar ao Blog do Domingos Costa.

Ainda de acordo com a representante, as entidades fizeram o cadastro do Ministério da Educação, colocam os nomes desses alunos no sistema, bem como a frequência escolar, no entanto, o dinheiro veio, só que ainda não chegou nas contas das escolas.