Mostrando postagens com marcador Podemos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Podemos. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 19 de maio de 2022

Depois do Partido Verde, o Podemos ainda não se definiu para o Senado


Após o deputado estadual e presidente do Partido Verde no Maranhão, Adriano Sarney, afirmar por meio das redes sociais que a federação formada pelo PV, PCdoB e PT ainda tem que questão quanto a chapa para majoritária, agora foi a vez do também deputado estadual Fábio Macedo, presidente do Podemos no Maranhão, voltou a reafirmar esta semana, durante inauguração da nova sede do partido, em São Luís, que a sigla ainda não definiu qual nome apoiará para o Senado.

A legenda já declarou apoio a pré-candidatura a reeleição do governador Carlos Brandão (PSB), que terá na sua chapa o ex-governador Flávio Dino (PSB) como postulante na disputa pela única vaga que será aberta para Câmara Alta.

De acordo com Macedo, o apoio a Brandão foi uma deliberação de consenso tomada por todos os filiados e pré-candidatos aos cargos de deputado estadual e deputado federal.

Situação que ainda não ocorreu em relação a Dino – pelo menos por enquanto.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2021

Braide mantém silêncio sobre a disputa pelo Planalto


O prefeito Eduardo Braide (Podemos) está usando todo o seu pragmatismo político para evitar que a administração de São Luís seja tragada pelo furacão político que começa a ganhar forma e força com a aproximação das eleições do ano que vem. Ele vem mantendo relações amistosas, mas produtivas, com o Governo Federal, em que pese o fato de o seu partido ter nos seus quadros o ex-juiz chefe da Lava Jato e ex-ministro da Justiça Sérgio Moro como pré-candidato a presidente da República, considerado, hoje, o maior inimigo-adversário do presidente Jair Bolsonaro (PL) depois do ex-presidente Lula da Silva (PT).

O sinal mais eloquente desse pragmatismo ocorreu na quarta-feira (22) da semana que passou, quando o prefeito recebeu a visita do ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e todo o staf da área habitacional da pasta, com o aval político do senador Roberto Rocha (sem partido) e dos deputados federais Edilázio Jr. (PSD) e Gil Cutrim (Republicanos), para a autorização da retomada das obras de construção das três mil casas dos residenciais Mato Grosso I e II, paralisadas em 2019. Como é amplamente sabido, Roberto Rocha é linha de frente do projeto de reeleição de Jair Bolsonaro, enquanto Edilázio Jr., mesmo sendo bolsonarista, aguarda a definição do PSD sobre eleição presidencial.

O pragmatismo do prefeito de São Luís faz todo sentido. Ele já teve tempo para mensurar o tamanho do desafio que é administrar São Luís politicamente afastado do Governo do Estado, com o qual só se relaciona em questões essenciais, como a pandemia do coronavírus, por exemplo. E certamente chegou à conclusão de que manter-se distante da Esplanada dos Ministérios seria impor-se um isolamento desnecessário e de custo político e administrativo muito elevado. Logo, como não é parte direta e efetiva da atual corrida pelo voto, o ônus político de se relacionar com um Governo que não é bem visto pela população de São Luís é bem menor.

Essa tranquilidade do prefeito, se não tem data precisa para terminar, está se aproximando do fim. É que o Podemos deverá formalizar a candidatura do ex-ministro Sérgio Moro a presidente da República, que o obrigará a uma tomada de posição clara e inequívoca a favor esse projeto. Para quem conhece as nuances da política e já assimilou o modo de agir do bolsonarismo, não tem dúvida de que as portas ministeriais serão fechadas para os partidários de Sérgio Moro, como já o são para todos os adversários do Governo. O prefeito de São Luís, que já foi Governo e Oposição, sabe o peso de tais situações e conhece o caminho das pedras para driblar as adversidades até o limite do possível. Daí não haver dúvida de que ele alimentará o seu pragmatismo fora da guerra eleitoral.

Não é sem razão que até agora o prefeito Eduardo Braide não deu sinais de envolvimento com a corrida eleitoral. Há duas semanas, ele compareceu à festa de confraternização do senador Weverton Rocha, que foi seu aliado na eleição do 2020, circulou, cumprimentou o anfitrião e pré-candidato a governador, e os presentes como um gesto de cortesia, que, pelo menos por enquanto, não deve ser traduzido como uma declaração de apoio. Afinal, vale repetir, o prefeito ainda não fez qualquer declaração contundente sobre as eleições de 2022, nem relacionada à corrida para o Palácio do Planalto, nem no que diz respeito à disputa pelo Palácio dos Leões. É evidente que aguarda o momento mais adequado para se manifestar, exatamente porque sabe que na hora em que entrar não haverá porta de saída, isso implicará um custo político.

Inteligente, pragmático e centrado, o prefeito Eduardo Braide tem sabido se movimentar no tabuleiro político com habilidade suficiente para manter canais abertos em Brasília, utilizando para isso os argumentos do não partidarismo momentâneo. Igualmente consciente de que tudo isso pode mudar.

Por Ribamar Corrêa (Repórter Tempo)

quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

Eliziane sugerida como vice de Moro


A senadora Eliziane Gama, relatora da sabatina de André Mendonça na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, foi sugerida a Sergio Moro como possível vice em sua chapa ao Planalto. A recomendação foi feita em um jantar no último dia 23 em Brasília pelo líder do Cidadania na Câmara, Alex Manente.

Manente organizou um jantar de Moro com os parlamentares do Cidadania na semana passada. Eliziane Gama, da mesma sigla, não conseguiu comparecer ao evento. Durante o encontro, Manente sugeriu o nome da senadora para a vice de Moro, que se mostrou aberto ao diálogo. Depois desse jantar, Gama e Moro conversaram.

O deputado do Cidadania elencou a Moro que Eliziane Gama é nordestina, evangélica e deu trabalho ao governo Bolsonaro na CPI da Pandemia, características que poderiam se tornar ativos eleitorais ao ex-juiz.

Como relatora da indicação de André Mendonça ao STF, aprovada no Senado nesta quarta-feira (1º/12), Gama não criou obstáculos para o nome do Planalto e defendeu quebrar preconceitos contra os evangélicos. (Do site Metrópoles)

domingo, 21 de novembro de 2021

Filiação de Moro ao Podemos empurra Braide para o tabuleiro sucessório estadual

Líder maior do Podemos no Maranhão, Eduardo Braide deve liderar a provável campanha de Sérgio Moro no Maranhão

A filiação do ex-juiz-chefe da Lava Jato Sérgio Moro ao Podemos levou o debate político para dentro do Palácio de la Ravardière e tirou o prefeito Eduardo Braide da chamada “zona de conforto”. Antes da filiação do ex-ministro da Justiça ex-bolsonarista linha de frente, o prefeito de São Luís vinha se movimentando à margem da corrida presidencial, passando a impressão de que não estava interessado na guerra pela sucessão do presidente Jair Bolsonaro (a caminho do PL) nem na corrida ao Palácio dos Leões. 

O desembarque de Sérgio Moro pode dar um giro de 360 graus na situação do prefeito, que além dos problemas que enfrenta, terá agora de, como maior liderança do Podemos no Maranhão, preparar terreno para o provável candidato presidencial do partido no estado, implicando isso a definição de como o Podemos vai participar da política estadual. Lançará candidato a governador. 

Mas vai errar feio quem esperar que Eduardo Braide vá queimar cartuchos à toa. Político racional e estrategista eficiente, que pode incluir o lançamento de um candidato ao Governo do Maranhão ou uma aliança com um candidato já posto, ou ainda resumir a participação do partido criando palanque para o eventual presidenciável. 

Especulações à parte, o fato é incontestável: o prefeito de São Luís terá de assumir também a condição de líder partidário, e isso implica abraçar a eventual candidatura do ex-chefe da Operação Lava-Jato.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Braide transforma a Prefeitura em cabide de empregos para aliados derrotados nas eleições


A facilidade de demissão e a ocupação geral de cargos por apadrinhados políticos se transformou em uma triste realidade na gestão do prefeito Eduardo Braide (Podemos).

A máquina pública virou um verdadeiro “cabide de emprego” para abrigar candidatos derrotados nas últimas eleições, em 2020, na folha de pagamento da Prefeitura de São Luís-MA.

A denúncia, publicada no Blog do Domingos Costa, mostra que 42 suplentes de vereadores foram nomeados por Braide. Foi publicado também o nome de todos, quanto cada um ganha e onde estão lotados na prefeitura. Veja aqui.

Foram empregados pessoas de dez partidos políticos: PMN, Podemos, PSDB, PDT, PSC, PSD, DEM, MDB, PSL e PTB.

Vale ressaltar que o presidente estadual do PMN, Fernando Salim Braide, é irmão do prefeito. Nos bastidores comentam que Fernando é pré-candidato a deputado estadual e terá o apoio desses políticos que foram nomeados.

O Ministério Público precisa tomar as medidas cabíveis.

quarta-feira, 7 de julho de 2021

Exclusivo! Braide pode apoiar Edivaldo para Governo

Não será surpresa o apoio do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), ao ex-prefeito da capital Edivaldo Júnior para o Governo do Estado em 2022. As articulações está sendo liderada pelo presidente do PSD/MA, o deputado federal Edilázio Júnior, que tem servido como ¨elo¨ que liga Braide ao seu antecessor no Palácio de La Ravardière.

Sem compromisso para o governo estadual, Braide iniciou um diálogo com Edivaldo Jr e, se concretizado, o acordo começa na eleição de 2022 e perpassa para 2024, quando o atual prefeito da capital disputará reeleição.

De acordo com fontes, Braide estaria disposto a apoiar Edivaldo porque em primeiro lugar ganharia um importantíssimo aliado para sua reeleição e, segundo, não teria o próprio Holanda Júnior como seu adversário na próxima disputa municipal.

Porém, Eduardo Braide condiciona o apoio a Edivaldo com a garantia de que terá o apoio incondicional do ex-prefeito mesmo se ele não vencer a eleição para governo do estado. Edilázio Júnior, portanto, seria uma espécie de “fiador” do acordo entre os “cavalheiros”.

Há quem diga que o acerto já foi selado entre as partes, pois, é um ótimo negócio para as partes. Obviamente, Braide e Edivaldo negam qualquer tratativa nesse sentido.

Domingos Costa

quinta-feira, 22 de abril de 2021

Kajuru se lança candidato à Presidência em 2022


Na tarde desta quinta-feira (22), o senador Jorge Kajuru (Podemos-GO) se lançou como candidato à Presidência da República nas eleições de 2022.

“Revoltado com a falta de amor ao Brasil, lanço minha candidatura à Presidência da República! Brasil de verdades e soluções! Se o [Luciano] Huck é candidato, por que não posso ser?”, questionou.

A declaração ocorre dias após o parlamentar ter revelado o conteúdo de uma ligação que manteve com o presidente Jair Bolsonaro para tratar da CPI da Covid e pedidos de impeachment contra ministros do STF e que resultou na desfiliação dele ao Cidadania.

Kajuru disse, no entanto, ter sido autorizado pelo presidente Jair Bolsonaro a gravar e divulgar a conversa. Alegando que “não tem medo de morrer”, o parlamentar garantiu que não cometeu nenhum crime ao divulgar o áudio, e lembrou que divulgou uma conversa entre os dois, não apenas com falas do chefe do executivo